Google+ Estórias Do Mundo: Julho 2013

terça-feira, 30 de julho de 2013

Vênus Em Conjunção Com Mercúrio Natal

, em Natal - RN, Brasil


Foxx: Eu sou um lixo, né?
BrunoEtílico: Não, porquê?
Foxx: Por que devo ser e é por isso que os homens me tratam como me tratam.
BrunoEtílico: Você deixa ser tratado assim. Já devia ter cortado tudo com esse garoto feio que você insiste em chamar de Menino Bonito. Devia ter cortado bem antes...
Foxx: Não falo dele especificamente. Já terminamos, ele escolheu outro, mas ele só fez o que todos fazem e sempre fizeram: nenhum homem, nenhuma pessoa com um gene masculino, seria capaz de gostar de mim.
BrunoEtílico: Ele fez isso porque você deixou, mesmo sabendo que o cara não ia querer nada.
Foxx: Posso te fazer uma lista de nomes aqui de pessoas que agiram como ele. Ninguém nunca quer. Minha burrice é me envolver com algum homem ainda nesta vida.
BrunoEtílico: Eu não posso nem falar p'ra você tentar mais, porque você acaba encontrando esses homens podres, feios, interesseiros, não sei, de verdade, como você consegue arranjar tantos deles. Gente que suga e você acaba se deixando ser sugado porque as possibilidades que se apresentam pra você acabam sendo essas.
Foxx: Sim, é exatamente isso que acontece. E este tipo de pessoa aparece na minha vida porque, na verdade, apesar do que eu acredito, eu não tenho nada de bom para oferecer a ninguém.
BrunoEtílico: Tem, claro que tem! Um exemplo: sua amizade. E amizade é a base de um relacionamento amoroso, junto ao sexo. Mas existem outras coisas que impedem, por exemplo, em como se processa o amor hoje em dia, no jogo de conquista do próximo, a vulnerabilidade não é atraente.
Foxx: Então está bem difícil de eu ter algo atraente, porque como essa vulnerabilidade existe porque eu estou sozinho, e, de fato, eu sou um lixo de pessoa que não traz nada para ninguém, continuarei sozinho e cada vez mais vulnerável, então, cada vez menos atraente... como sou uma merda que só merece a morte mesmo, então... por que não me mato agora né?
BrunoEtílico: O que quero dizer sobre vulnerabilidade é que, no seu caso, você não vê como é um bom amigo e não se aproveita disso como qualidade para alguém interessante, acaba tendo como oportunidade apenas esses homens sujos que você topa e se deixa ferir. Até mesmo se algum michê te oferece programa, bem, o trabalho deles é arranjar clientes em potencial, sua vulnerabilidade é atrativa, então eles acabam se valendo disso. Aí você se afeta com isso, se afeta com investidas de gente que está trabalhando,  e fica mais vulnerável, é um círculo vicioso.
Acerca dos não-michês: você tem se entregado muito fácil, talvez por conta também dessa fragilidade que te maltratou durante tanto tempo, aí, vem um otário e se faz em cima de você, usa pra sexo e depois dá tchau: mau caratismo deles, mau julgamento seu! E essa cadeia vai se alimentando.
Por isso, você está num ponto que só vê o suicídio como saída, porque está se deixando afetar com tudo, mas não vejo o suicídio como a melhor saída porque "cortar um problema pela raiz" é mais do que eliminá-lo, é contorná-lo, ou seja trazê-lo a seu favor na essência. A partir do momento em que você entender isso, compreenderá que essa raiz dos seus problemas não é você estar vivo. Porém, a fragilidade lhe afeta a ponto de fornecer medo e optar pela atitude simples, que é a morte. Ou seja, preferirá o lamento ao invés de parar para refletir, raciocinar e agir à favor de uma saída menos simplista como essa que a dor te possibilita.
Eu espero, de verdade, que um dia você entenda isso...
Foxx: Eu entendo.
BrunoEtílico: E mais: entenda que se bastar é a melhor coisa de todas. Porque você estar tão frágil é muito ruim, porque você terá medo de tudo, pensará no simples (a morte) como solução. Você é inteligente demais pra preferir o fácil. 
Foxx: Eu só acho, às vezes, que você não entende o que eu passo, como dói, acha que é simples, porque você nunca se sentiu uma solidão assim.
BrunoEtílico: Olha, eu entendo, mas você está certo, eu nunca senti nada parecido. Sendo assim, você está meio certo.
Foxx: E eu não discordo de nada do que você falou, nada mesmo! Eu só acho que nunca haverá diferença, Bruno, porque nunca vai existir um homem, um ser humano, que me trate diferente.
BrunoEtílico: É engraçado! Como o mundo é tão grande e a gente generaliza a infinitude de possibilidades de acordo com o nosso microcosmo. As certezas que traçamos a partir do que deveriam ser só experiências.
Foxx: Meu amigo, você sabe que não foram "experiências", ninguém nunca foi simplesmente capaz de gostar de mim.
BrunoEtílico: Experiências, de qualquer forma!
Foxx: O que é muito engraçado é eu acreditar que sou um príncipe, mas, na verdade, eu sou desprezível, uma pessoa nojenta.
BrunoEtílico: Não é, não.
Foxx: Sou, Bruno. É por isso que ninguém pode gostar de mim, porque sou nojento!
BrunoEtílico: Eu acho que você busca pessoas nojentas.
Foxx: Como você pode ter certeza que são eles? De que eu não sou o culpado por tudo isso?
BrunoEtílico: Realmente, eu não posso. Pode ser que você também seja culpado, mas pelas experiências que você me relata, você só tem se envolvido com pessoas podres e se deixado afetar por gente pequena, por gente pequena ou/e gente que tá trabalhando (os michês, no caso).
Foxx: Mas você sabe que nunca tive outra opção, não é?
BrunoEtílico: Não sei, o que eu sei é que as opções que você tem se apegado eram, na maioria, ruins, pra não falar todos.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Puta Velha

, em Natal - RN, Brasil
Era noite, de uma quarta-feira, e estávamos, eu e alguns amigos muito mais novos do que eu, num bar gay de Natal, o CasaNova. Este bar em que a cerveja é cara e a comida esnobe ganhou fama por ser frequentado pelos gays bem nascidos ou aqueles novos ricos da cidade. Meus novos amigos, que conheci em um grupo secreto do Facebook, foram quem escolheram o lugar para o que eles estão chamando agora de Fag Hour, um encontro em que meninos de não mais de 25 anos tem tomado cerveja junto com este jovem senhor que beira os 32 anos que vos fala. Divirto-me com a jovialidade e a sexualidade exacerbada, e lembro que na maior parte dos círculos que eu frequento eu sou normalmente o mais velho porque, por culpa dos meus pais, eu nunca soube me relacionar com pessoas mais velhas do que eu. A educação rígida que recebi na qual eu sempre ouvia que nunca deveria conversar com os adultos ainda me persegue. 
Mas voltando ao bar, estávamos numa mesa à entrada, eu particularmente estava de costas para rua, onde carros e ônibus passavam, quando um homem grande, musculoso e negro nos chamou. "Ei, tudo bom? Boa noite!", eu me virei e me deparei com um homem muito bonito, sentado de uma bicicleta cross, pequena, que começou a falar. "Sou baiano...", e algo ininteligível, somente pude entender quando ele pediu cinco reais.Os meninos não prestavam mais atenção nele, eu respondi que não tinha dinheiro, e ele perguntou se podia entrar no bar. "A porta está aberta", e apontei para o outro lado, aonde ficava a entrada, dei-lhe as costas e voltei a conversar com meus amigos, quando então vi do outro lado, caminhando em direção a nossa mesa, o negro.
Ele se aproximou e perguntou se éramos racistas. Afirmou que era turista, baiano, e que não nos preocupássemos porque ele não era assaltante, queria apenas conhecer a cidade. Os garçons o cercaram e ele viu que tinha pouco tempo. "E ai coroa?", se referia a mim, eu o analisei e nem ouvi o que ele falava. Vestia uma camiseta branca Hering que marcava o peitoral forte, tinha um boné vermelho de aba reta na cabeça e usava uma bermuda surfwear que deixava ver que ele tinha belas coxas. Era de fato um homem muito bonito. "E aí tio, rola um copo dessa cerveja?". Eu ri e disse-lhe que não, e levantei, como eu era o alvo, resolvi ir até o banheiro, quem sabe ele iria embora. E funcionou, quando voltei, ele já havia partido do bar, mas meus amigos me contaram que antes de sair ele não se esqueceu de xingar-me de puta velha.
Não me ofendi pela crítica a minha idade, mas fiquei profundamente ofendido pela audácia dele de acreditar que eu deveria me sentir agradecido por ele ter me escolhido e, portanto, deveria pagar-lhe a cerveja que ele quisesse, dar-lhe o dinheiro que houvesse em minha carteira, etc. Ele devia pensar que alguém como eu não conseguiria um homem que aceitaria se relacionar comigo se não fosse nestes termos. A falta de um namorado para provar-lhe o contrário foi o que mais me incomodou. Eu me chateei porque no fundo eu acreditava que ele estava completamente certo.

terça-feira, 23 de julho de 2013

China: O Vento Sul

, em Natal - RN, Brasil


As fontes dos quais se originaram os deuses que fazem parte dos mitos chineses são inúmeras, porém nós temos na China quatro bases religiosas, o culto universal dos antepassados, que constitui (ou fez até 1912 d.C.) o Estado, o confucionismo, temos deuses também de religiões específicas como o budismo e o taoísmo, e por fim uma série de religiões xamânicas que existiam antes de todas estas religiões que foram adotadas pelo Estado, estas religiões xamânicas eram toleradas pelo Estado chinês, mas não reconhecidas como religiões chinesas. É com um breve relato desse hierarquia e sua mitologia que agora vamos nos preocupar.
Além do ancestral comum que era adorado, e o culto do Estado, as pessoas tomaram o Budismo e o Taoísmo, que se tornaram as religiões populares, e os literatos também homenagearam os deuses dessas duas seitas. Divindades budistas gradualmente se instalaram em templos taoístas, e os imortais taoístas ganharam assentos ao lado do Buddhas em seus santuários. Cada um adotando o deus que lhe parecia o mais popular e mais lucrativo. Há até aqueles que chegaram a estar unidos no mesmo templo e adorar no mesmo altar os três fundadores religiosos ou figura-cabeças, Confúcio, Buda e Lao Tzu. As três religiões foram sequer consideradas como formando um todo, ou pelo menos, apesar de diferente, como ter um único e mesmo objeto: san Erh i yeh , ou han san wei i ", os três são um", ou "os três se unem para uma forma" (a citação da frase T'ai chi han san wei i de Fang Yu-lu: "Quando eles chegam ao extremo os três são vistos como um"). Nas representações pictóricas do panteão desta imparcialidade é claramente mostrada.
Um deus taoísta é Lan Caihe. Este é um dos Oito Imortais do Taoísmo. Este imortal é normalmente representado com roupas sexualmente ambíguas, sempre muito jovem, como um menino ou uma menina carregando uma cesta de bambu com flores. As histórias sobre o comportamento de Lan costumam ser considerado erráticas, em algumas fontes ele aparece vestido de azul, e se referem a ele como o imortal patrono dos trovadores. Em outra tradição ele é uma cantora cujas canções, acompanhadas de suas castanholas, preveem o futuro com precisão. Sua música é sempre acompanhada com bater de palmas e marcações com os pés no chão. Quem ouve sua música sempre se diverte e, ao ouvi-la, deve doar moedas aos mais necessitados. Sua versão masculina é bastante parecida com os outros sete imortais. Conta-se que ele, um dia, estava bêbado em uma taverna e levantara-se para ir ao banheiro, no caminho foi sequestrado por um cisne, no caminho suas roupas caíram, por isso ele é frequentemente descrito usando apenas um sapato, sempre nu no inverno, no entanto, ele também é descrito usando roupas grossas do verão.
O Taoísmo chinês é caracterizado por esta constante necessidade de manter as relações homoeróticas sob um princípio dúbio, como já vimos. Controlados de perto pelo Estado e voltado sobretudo para as camadas mais elitizadas da população, o Tao é o caminho da virtude. Um de seus textos sagrados, Os Provérbios de Lao Tzu, diz: 

Aquele que age de acordo com o Tao, torna-se um com o Tao. Aquele que segue o caminho da virtude torna-se um com a virtude. Aquele que segue um curso da vitória torna-se um com o vitória. O homem que é um com Tao, Tao também tem o prazer de  o receber. O homem que é um com a virtude, a virtude também tem o prazer de o receber. O homem que é um com o vitória, a vitória também tem o prazer de o receber.

No entanto, nos níveis mais populares, as referências religiosas eram em sua maioria baseadas na tradição xamânica pré-taoista e pré-confucionista, personalidades divinizadas. Um dos exemplos destes mitos é o deus das relações sexuais anais, Zhou-Wang. Zhou foi o último imperador da dinastia Shang (1766-1046 a.C.) e era muito dado a devassidão. Seu passatempo favorito era fazer seus escravos nadarem pelados numa piscina cheia de vinho. Quando foi derrubado, apesar da ajuda de Cai-Shen, o grande guerreiro que montava um tigre negro, e ascendeu aos céus para usufruir de sua imortalidade, não havia nada apropriado para ele reger na criação. Deste modo, os juízes celestiais criaram um posto especial para ele: deus das relações sexuais anais. Foi-lhe então concedido um templo em Henan. Zhou-Wang é um exemplo de um personagem que não vive pelo caminho do Tao, o que o faz provavelmente por ter relação com a tradição xamânica anterior ao Taoísmo, que era sobretudo matriarcal, e, portanto, não vive preso dentro dos dogmas da religião. 
Na tradição popular o mesmo problema moral não ocorre. Entre a população acostumada com as regras de sua religião xamânica, liderada por sacerdotisas que estabeleciam uma espécie de religião matriarcal, as regras morais não eram as mesmas que eram impostas a elite da sociedade chinesa, que precisava usar inúmeros subterfúgios para falar dos mesmos assuntos, usando as metáforas que citamos antes, inclusive uma última, o Vento Sul, porque o amor entre pessoas do mesmo sexo havia sido inventado em um sul mítico e teria sido trazido a China pelo vento. 

sexta-feira, 19 de julho de 2013

É Dos Sonhos Que Vem A Coragem

, em Natal - RN, Brasil





Don't let your faith in my heart, I will only let you down. Quando eu cheguei no bar, aquele menino bonito já estava lá. Lindo, de cabelo cortado, e de mãos dadas com o outro garoto com quem ele ficava. Sentados, os dois, entre nossos amigos em comum. Don't let your love grow too deep, I don't think I'll be around. Respirei fundo e cumprimentei a todos, ele ganhou um beijo na bochecha, "Garçom, um copo!". There is a curse in my bones that'll breath and fly again. Conversávamos todos, ele bebia muito. Until when we both are ghosts, I will miss you like a friend. Eu reparava como ele era carinhoso com o outro, toques e sorrisos, ele já fora assim comigo também, mas sempre quando estávamos sozinhos, nunca ao lado de ninguém, como ele fazia naquela noite diante de mim. Em determinado momento da noite, eu levantei e fui ao banheiro. But they'll never take the good years, there are some that never pass. "Sabia que estou com saudades de você?", ele seguira-me, "Saudades de você me comendo!", eu ri, ele me beijou, me empurrando contra os azulejos do banheiro, e respondi-lhe: "Eu gosto tanto de você, meu menino bonito!". No, they'll never take the good years, God, I wish I would've learned. Ele meneou a cabeça e disse que eu não devia sentir aquilo. "Eu sou muito complicado!", a excitação dele contra o meu corpo quase me distraiu. Don't be afraid to move on, you were meant to bear a child. "Não há nada de complicado, lindo, você só está apaixonado e não é por mim". Ele tentou sorrir e eu beijei-lhe a bochecha. Don't look for me when you're gone, it'll only hurt a while. Voltei a mesa e, dessa vez, eu sentei do lado dele, porque um amigo havia mudado de lugar, ele então passou o resto da noite com a mão na minha coxa, por baixo da mesa, mas eu sabia que tinha acabado. They'll never take the good years, there are some that never burn! No, they'll never take the good years, God, I wish I would've learned!


terça-feira, 16 de julho de 2013

"Uau!"

, em Natal - RN, Brasil


Aquele menino bonito arfava do meu lado. Eu podia ver o peitoral sem pêlos se movendo, os folículos excitados, enquanto ele repetia: “Uau!”, eu sorrindo deslizei meu braço por cima do torso dele e lembrei que tínhamos saído apenas para uma pizza, mas eu o convidei para subir. “Você quer que eu suba?”, ele me sorriu em resposta. E eu disse: “É claro que eu quero!”. Nossas roupas foram arrancadas fácil, e ele me virou de costas, esfregando seu pau duro contra minhas nádegas lisas, mordiscando minha nuca e orelha, me deixando arrepiado. Gentilmente ele me empurrou para a cama, deitei de bruços e ele me forçou a abrir minhas pernas, não lembro se primeiro senti seus dedos cravados em minhas coxas ou sua língua avançando pelo meu cu. Mas lembro quando ele começou a esfregar o pênis entre meus glúteos, e eu empinei a bunda, ele apenas gemia, entre dentes: “Que bunda gostosa, Foxx!”. Eu rebolei para provocá-lo e ele puxou meu quadril contra o dele mostrando que eu havia conseguido.
Aquele menino bonito deitou-se então sobre mim, procurava avidamente minha boca e eu sussurrei: “Coloca logo a camisinha e me fode!”. Ele riu, aquele sorriso lindo que me conquistou, pegou a camisinha que eu tinha na cadeira que me serve de criado-mudo e pediu que eu deitasse de costas, juntou minhas pernas em seus ombros, e delicadamente me penetrou. Não houve nenhuma dor. Naquela posição eu via seu corpo se contraindo enquanto ele estava dentro de mim. O peitoral rijo. Os tríceps travados. O antebraço tenso que puxava os dedos que tentavam arrancar os pêlos do meu peito. Eu agarrei-lhe as coxas firmes. Arranhei sua pele enquanto apertava-lhe o pau dentro de mim. Ele respondeu com um grunhido e me olhou dentro dos olhos. “Desse jeito eu vou gozar”. Eu sorri satisfeito e disse-lhe: “Goza dentro de mim, meu lindo!”. Ele transformou-se somente em tesão a partir daquele instante e só ouvia-se no quarto o som do quadril dele contra minhas nádegas e nossos gemidos. Até ele explodir em gozo, de olhos fechados, gemendo alto. Eu então comecei a tremer, nos últimas estocadas dele, minhas pernas principalmente, e rapidamente me subiu um gozo e eu ejaculei inundando toda minha barriga sem nem me tocar. Ele então deitou-se sobre mim, sobre meu esperma que ele pegou com a mão e lambeu, beijando-me em seguida, com sofreguidão, até virar-se de lado, arfando e dizendo: “Uau! Uau! Uau!”.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Te Quero

, em Natal - RN, Brasil


Eu te quero. Eu realmente te quero. Eu te quero no cinema assistindo filmes franceses ou comédias pastelão, no teatro rindo de Shakespeare ou surpreendido por Jabor, no restaurante comendo comida chinesa ou feijão com arroz, no parque exposto ao sol ou procurando uma sombra, no bar tomando água ou absinto e no meu quarto folheando meus livros ou deitado na cama.
Eu te quero e como te quero. Eu te quero na minha cama com o pau em riste ou dormindo abraçado ao meu travesseiro, no meu abraço deitado no meu peito ou caminhando ao meu lado, entre meus amigos, conversando com eles, ou mesmo em um silêncio antipático. Eu te quero num almoço no intervalo do trabalho ou numa casa de praia, numa livraria ou numa banca de jornal, te quero nos meus dias e nas minhas fantasias.
Eu te quero, eu realmente te quero. E te quero no cheiro da minha pele ou tomando banho comigo, no meu sonho na noite escura ou numa praia em um dia ensolarado, te quero na nota e no contratempo, na xanana e na açucena, te quero de ônibus e no teu carro, quando te vejo sorrir ou quando você ficar sério, te quero preocupado ou infantil. Eu te quero gordo, musculoso, magrelo ou esbelto, eu realmente te quero, menino bonito.

terça-feira, 9 de julho de 2013

China: Não Aceite Conselhos de Homens Bonitos

, em Natal - RN, Brasil



O Período dos Reinos Combatentes ocorreu de meados do século V a.C. até a unificação da China por Qin Shi Huan em 221 a.C.. Sua data de início costuma ser discutida, mas frequentemente cita-se 475 a.C., data da tripartição do reino de Jin, ou também o Período das Primaveras e Outonos, em 403 a.C. O nome de "Reinos Combates" vem de uma obra histórica compilada no século I a.C., em que uma coletânea de textos dos dois séculos anteriores - época extremamente importante do pensamento filosófico e da ciência chinesa - é marcado pela decadência política, pelo fim da capacidade de arbítrio e soberania da Dinastia Zhou sobre os problemas internos e o início de confrontos que vai separar o império em três. A guerra se intensifica no período, o que aparece nos inúmeros tratados militares publicados à época, estes demonstram a rápida evolução na maneira como executar a guerra. É deste período, por exemplo, os tratados de Guerra como a Arte da Guerra, de Sun Tzu, além dos livros de Sun Pin e Er-Hu. Estes célebres generais ousaram estabelecer técnicas cada vez mais refinadas para a guerra. 
Uma dessas técnicas está presente no livro do filósofo Mo Tzu. Ele adverte aos governantes de todos os estados ao usar, na guerra, os parentes e os homens bonitos como oficiais de justiça, porque estes levariam a uma má gestão do Estado. Mo Tzu não está falando, na verdade, para um governante específico, ele faz uma declaração geral para os "reis e senhores de hoje". O filósofo, contudo, não é contra o amor por pessoas do mesmo gênero, assim como ele não é contra os laços familiares, o que ele critica aqui é o nepotismo e o favoritismo, que segundo ele, é uma prática generalizada nos reinos da China. 
Mo Tzu dá exemplos de como a beleza pode destruir um reino, explica Tan Chong Kee. Ele conta primeiro a história do estado de Wu, em que Xi Shi, uma das mulheres mais bonitas que se tem registro na história chinesa, é usada para distrair o rei, abrindo caminho para a conquista do reino pelo rei de Yue. O exemplo seguinte dado pelo filósofo é do senhor de Jing que queria invadir Yu, porém como o senhor de Yu tinha um sábio conselheiro, este frustrava os seus planos. Então o senhor de Jing deu de presente ao senhor de Yu um homem extremamente bonito, o que era pratica comum presentear reis com concubinas, eunucos ou jovens rapazes, o rei ficou tão encantado por este belo homem que recusou-se a ouvir os conselhos de seu antigo conselheiro, ouvindo apenas os conselhos do seu belo amante. Aproveitando a oportunidade o rei de Jing invadiu e anexou Yu. 
É interessante notar como Mo Tzu faz um paralelo entre as duas histórias, do rei de Wu e de Yu, o primeiro distraído por uma mulher, o segundo por um homem. Não existe nenhuma crítica maior ao rei de Yu por este ter se rendido aos encantos de um homem. A critica só se dá no âmbito de abandonar seus deveres como rei e governante para se dedicar somente aos prazeres oferecidos pela beleza física de outra pessoa, independente do seu gênero. Não há estigma algum específico para as relações homoeróticas, elas são criticadas, quando o são, sempre no mesmo nível que relações heteroeróticas.




sexta-feira, 5 de julho de 2013

Gyoza

, em Natal - RN, Brasil



Era uma terça-feira, ainda faltava umas duas horas para o fim do expediente, quando aquele menino bonito me chamou, entre gracejos, no Facebook: "Mata meu tédio?", eu respondi brincando que passava já no trabalho dele para chupá-lo no banheiro, ele riu e me convidou para jantarmos depois do trabalho. Eu aceitei e ao fim do dia, ele me buscava, dizendo: "Vamos ao China In Box, ok? Quero te apresentar meu prato preferido", e um selinho também foi trocado, sem a pretensão de ser nada mais do que um cumprimento entre dois amigos.
O restaurante estava vazio. Havia apenas uma família sentada perto da porta, um casal apaixonado sentado numa mesa de canto, dois engravatados comiam apressados falando sobre trabalho e uma pessoa esperava em pé, no balcão, pelo seu jantar que pedira para viagem. Sentamos e ele tomou a frente e fez o pedido: gyoza, um lombo de porco, envolto numa massa fina, cozido no vapor. Também pedimos frango ao molho de laranja e arroz primavera para acompanhar. E comemos rindo, desfrutando da companhia um do outro, sentados em lados opostos da mesa.
Terminado o jantar, voltamos ao carro, e nosso primeiro beijo, de fato, aconteceu. Choviscava quando ele perguntou se eu estava com pressa para voltar para casa, e eu respondi que não. Ele então dirigiu um pouco, parou numa rua pouco movimentada, começou a chover bem forte fazendo os vidros do carro embaçarem, e ele virou-se para mim e sorriu, aquele sorriso que me fazia vê-lo tão lindo. Novamente nos beijamos, eu apertei-lhe a bunda com força fazendo-o gemer, ele então me abraçou e deitou, com a cabeça no meu peito, falando em seguida: "Olha, Foxx, eu detesto dormir acompanhado porque gosto de espaço na cama, mas ficar aqui abraçado, sentindo teu calor e ouvindo teu coração bater, me fazem repensar isso. Acho que vou querer dormir do teu lado algum dia...", eu sorria e apenas respondi: "Será um imenso prazer, meu menino lindo".

terça-feira, 2 de julho de 2013

Como Seria Um Sábado Perfeito




Tinha acabado de fazer a faxina em minha casa, e pensava que todo o glamour de morar sozinho se desfazia quando você tinha que lavar um vaso sanitário com uma esponja; já havia tomado um banho e curtia o cheiro de lavanda que emanava do piso. As plantas já estavam regadas, o lírio-da-paz está viçoso e crescendo saudável, a ráfia precisa de uma poda, a cebolinha cresce forte, pronta para ser colhida. Foi quando ele chegou no entanto que uma luz invadiu a sala. Eram aqueles olhos brilhantes na porta do apartamento. Entrou sem vergonha pela porta aberta, sorriu e eu sorri de volta. Era lindo ver como aquele sorriso que tornava os olhos dele ainda mais luminosos. Ele se aproximou cruzando a sala de estar e me beijou, porque era natural e certo. “Que tal um filme?” , sugeri, ele concordou e escolheu um DVD na estante, na minha coleção de filmes antigos. Cleópatra foi a escolha dele. Deitamos na cama, o laptop ligado a TV rodava o disco, deitei em um travesseiro, eu estava sem camisa, ele tirou o tênis e deitou no meu peito, agarrou-me como se eu fosse um urso de pelúcia, e meu braço o envolveu como nossas pernas se entrelaçaram. Cafunés e alguns beijos aconteceram enquanto Elizabeth Taylor flertava com Richard Burton e Rex Harrisson, mas um beijo ao fim do filme fez com que minha bermuda encontrasse a roupa dele no chão, e nossos corpos se unissem em um sexo carinhoso, sem pressa, em que minhas mãos puxavam aquela pele macia de encontro a minha, até explodirmos em gozo juntos, olhando um no olho do outro. Ele cansado, deitou-se novamente em meu peito, supirou fundo e sussurrou: eu te amo, eu respondi, eu te amo também.