Google+ Estórias Do Mundo: Novembro 2007

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Desafio 3.0


Desafio dos Blogs para escolher o próximo Next Brazil Top Sexy Blogger

Votem na enquete no blog do Goiano.

sábado, 24 de novembro de 2007

Next Brazil Top Sexy Blogger



Oi pessoas... quem esta postando hoje é o Goiano.


O Foxx esta descansando a beleza em Belo Horizonte (deve estar passando o rodo geral, mas não temos nada com isso... e ele voltando conta os detalhes picantes da viagem), e me deixou com as chaves da casa, para dar um up por aqui enquanto estiver longe.


Rapozito também participa da disputa dos blogs e no dia 26 vai ter fotita dele semi-nu aqui também!


Eu garanto que vão gostar!!!

Para os desinformados a disputa dos blogs tem as seguintes regras:


  1. O participante deverá publicar uma foto sexy no dia 26/11/2007.

  2. A foto é de tema livre, pode ser de qualquer parte do corpo, desde que sexy.

  3. Na foto deverá constar o banner da promoção do lado esquerdo (o banner ai em cima, só recortar e colar).

  4. Deve-se visitar os outros participantes.

  5. Quem conseguir um namorado por causa da promoção deve divulgar hahaha.

  6. Votar na enquete de quem foi o mais sexy, a enquete estará no meu blog .
Eu espero a adesão de todos! Com fotos ou com votos!
Quem for postar fotos deixa um recado no meu blog para fazer a devida divulgação de todos participantes.

Beijos a todos.
Goiano

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

PRESENTE: Novos Horizontes




Bem, carissímos, aviso-lhes que estarei sumido por uns dias. Viajo na próxima semana. Quinta-feira. Meu roteiro inclui algumas horas em Recife, no dia 22 de novembro, e chego a noite na capital do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, que não conheço ainda. Fico uma semana na capital mineira e, se tudo correr como nos meus planos, me debando por volta do dia 29 para a cidade maravilhosa, a qual só conheço o Galeão, de uma escala retornando de São Paulo, e o Leblon das novelas de Manoel Carlos. Viagens a trabalho (detalhes se tudo der certo, sabe como é né?), mas com bastante tempo para conhecer as cidades e os bloggers que quiserem e puderem estar comigo. Encontros confirmados já são com o Garoto Rebelde, o Bernado e o Carinha do Blog em BH, e com o Râzi e Lê, o Por Dentro do Armário e o Bily, no Rio. Agora, se mais alguém desejar, já que o Goiano diz que sou celebridade, deixa um recadinho aí...

Até a volta

sábado, 10 de novembro de 2007

PASSADO: Coisas de Menino I


Eu estava lendo o novo blog do Vilser (link abaixo), em que o nosso grande cartonista resolveu agora contar suas experiências e agora ele está se dedicando a seus amores adolescentes, e suas descobertas, resolvi então começar uma série para falar sobre algumas pessoas que me marcaram muito, são histórias dos meus treze anos, algumas boas, outras ruins.





Sílvio


Eu havia mudado de escola. Estava deslocado, não conhecia ninguém lá. Entrei na escola e descobri que eu que tinha que ir procurar meu nome nos papeis colados na parede. Colégio público, e eu havia saído de uma escola particular, aquela liberdade e responsabilidade toda me chocou. Aquele "cuide de sua vida" foi demais para mim. Entrei na sala da 6ª série e sentei na primeira cadeira, junto a porta. Eu estava com medo. Adentrar ali ainda mais, me expor daquele jeito. Eu estava nervoso. Sentei e fiquei esperando o professor. Outros alunos chegaram. Muitos outros. Todos mais relaxados que eu. Foi quando ele entrou. Trazia os livros na mão, algumas canetas no bolso, branco, com os cabelos negros, pernas grossas, mais velho dois anos que eu, repetente, os amigos que o acompanhavam eram todos de séries adiante. Sim, ele tinha amigos que o acompanhavam. Amigos não, um séquito. E entrou, foi até o meio da sala, segunda fileira de carteiras, jogou os cadernos e voltou. Antes de sair, sorriu para mim. "Digaí?". Sorri apenas em resposta, quis falar algo, mas quem disse que eu consegui.
Com o passar do ano, sempre sentamos nos mesmos lugares, mas com o tempo, meio sem querer, ou querendo, acabei sentando cada vez mais próximo àquele menino que me encantava. Era desportista. Capitão do time de Handebol da escola. Falava sempre sobre os jogos. Com os outros. Eu apenas ouvia calado. Ele me puxava para os assuntos. Tratava-me bem, quase como um irmão mais novo, ou melhor, melhor do que ele tratava o irmão mais novo, que tinha minha idade e estudava comigo, e este sim era muito mais próximo a mim do que Sílvio, até porque Sílvio tinha seus amigos mais velhos. Tinha suas namoradas lindas. Ele era um dos meninos mais bonitos do colégio. Porque ser amigo daquele menino gordinho, de cabelo em cuia, que tirava boas notas em todas as matérias, menos matemática.
Eu só sei que eu me apaixonei. Mas nunca disse-lhe nada. Apenas um dia escrevi uma carta, sem assinar, disfarçando a letra para ele nunca descobrir. Uma daquelas cartas de amor ridículas que canta o poeta. Eu fui nervoso para entregar-lhe, ainda coloquei dentro do livro amarelo de matemática. Mas, voltando a lucidez, tomei-a de volta, e rasguei-a em pedaços antes que alguém visse. Antes que Sílvio visse.
No fim daquele ano em que eu suspirava olhando para Sílvio, ele foi para outra escola. E perdi contato com ele, e seu irmão. Sumiram e junto com ele foi embora toda minha paixão. Toda aquela que me fazia imaginar castelos em que namorávamos. Se foi, com Sílvio.






E bem, também recebi um novo selo, este que vocês vêm e deveria indicar 5 blogs, mas como recebi dois selos, pelo Estórias do Mundo e pelo Espartanos, tomei a liberdade de escolher então 10 blogs para indicar.


Ao Trinta com a Casa dos Trinta, porque todo mundo merece as tiradas geniais deste cara de trinta e poucos;
Ao PH com o seu Chave Errada, afinal sua poesia perturbada vale sempre a pena;
Ao Just no Just (More One) boy, pois eu não vivo sem suas críticas a sétima arte;
Ao Sun pelo No Divã com Marcelo Sunshine, pela sua língua ferina e sua inteligência afiada;
Ao David pelo No Banheiro Masculino, meu conterrâneo, que enxerga poesia na noite quente de Natal;
Ao Ocean pelo OceanMar, afinal sua vida em si já é um aprendizado;
Ao Ricardo pelo O que me define?, pois comentários inteligentes e bom humor não se acha em qualquer lugar;
Ao Menino G pelo Perfeita (In)Perfeição, já que erotismo de bom gosto não é uma coisa fácil de se encontrar;
Ao Poison pelo Sátiros e Faunos, porque uma pitada de veneno tempera a vida;
E ao Vilser pelo Histórias do Vilser, seu novo blog, que mostra que a felicidade não vêm fácil para ninguém.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

PRESENTE: Diálogo das Grandezas

Diálogo semi-ficcional.


- Ei, 'to me sentindo culpado aqui.
- Por que, amigo?
- Ah, Cris, é que um amigo meu veio agora no MSN todo feliz me dizer que 'tá namorando.
- Ahnn?
- É! Sinceramente, não fiquei feliz por ele. Fiquei com inveja.
- Como assim... "com inveja"?
- Eu queria estar namorando também.
- Bem, Foxx, você não deve se sentir culpado. Nunca se sinta culpado pelas coisas que você fez, faz ou pensa. Afinal, é bem melhor ser sincero.
- Mas inveja é uma coisa feia...
- É sim, se for daquele tipo que derruba a outra pessoa. Você ficou lá desejando que ele terminasse o namoro só p'ra você não ser o único solteiro?
- Aff, claro que não, ainda não cheguei a esse nível não.
- Então o que você sentiu foi só a vontade de ser igual a ele...
- É!
- Isso também pode ser chamado de admiração. A gente admira pessoas que tem coisas que a gente gostaria de ter. Você não admira ninguém? Não gostaria de ser igual a ninguém?
- Muitas pessoas! Se for citar só aqui do blog. Admiro o Razi e o Lê, por exemplo, ou mesmo você e o Dehdo, o Bê e o Glauber, o Vilser e o Robson, gente que tem relacionamentos saudáveis, duradouros, frutíferos...
- E você não quer que eu fique solteiro como você, ou quer?
- Não! Deus-o-livre! Nunca que tal desejo vai passar na minha cabeça.
- Então... essa "invejinha" que você sentiu... bem, usa ela p'ra mudar.
- Mudar?
- É, crescer, ficar melhor, evoluir...
- Ih, começou a complicar... como se faz isso? Se eu quero ter um namorado, basta a gente desejar que consegue é? E eu tenho esse problema sério aqui... quem quer namorar comigo mora no mínimo a 8h de distância de Natal.
- Tem gente que quer namorar você?
- Ter tem! Mas moram ou no interior do Estado, ou em outro Estado. Aí, é phoda!! "O problema é só a distância".
- Será que não é você que afasta as pessoas daí de sua cidade?
- Ahnn? Como assim?
- Talvez você afaste as pessoas que moram aí em Natal... p'ra se proteger, p'ra evitar se magoar, não que seja algo que você faz conscientemente, mas você se esconde atrás da tela do computador...
- Me escondo de quê?
- De qualquer coisa.
- Hummm...
- Não faz sentido, Foxx?
- Fazer faz! Explicaria muita coisa. E até... bem, pensando assim, eu poderia fazer isso porque quero sair de Natal e eu sei que se encontrasse um grande amor nesta cidade poderia me ver tentado a ficar aqui. E para evitar isso... para evitar eu abrir mão de um sonho por um amor que pode fatalmente acabar... eu estaria fugindo de relacionamentos aqui em Natal.
- Então...
- Mas, Cris... pense comigo...
- Fale...
- Mas se isso tivesse realmente acontecendo eu deveria estar sabotando meus relacionamentos. Mas eu não tenho relacionamentos.
- Não? Você teve algumas tentativas de relacionamento que não deram certo, não foi?
- Foi. Uns dois ou três...
- Dois ou três?
- Deixa eu contar aqui... o hetero que preferiu ficar com a namorada quando eu apertei... o professor de academia que não estava procurando relacionamentos, só sexo... o médico que não tinha tempo para mim... ah, e o bonitinho pegajoso da boate, o Jeff... quatro, número oficial.
- Pegajoso?!
- Triste! Esse eu que fugi dele, admito, mas os outros não não terminaram por minha culpa... eles que não quiseram ficar comigo. Apesar que sim... quando a gente começou a ficar mais sério, eu pensei sim, se isso atrapalharia meu sonho de morar fora de Natal... mas, da minha parte, pelo menos conscientemente, como você mencionou, eu continuei...
- Mas será que você se empenhou como você se empenharia antes? Antes deste teu sonho de morar fora de Natal estar tão próximo?
- Me empenhar? Você diz correr atrás? Ligar? Insistir?
- Sim! Exatamente isso!
- Bem, antes eu realmente faria isso mais... mas sou só eu que deveria correr atrás?
- Não, eles também deveriam, mas tem certeza que eles não fizeram?
- Não sei te dizer...
- Então acho que solucionamos o mistério "Por que o Foxx é mais interessante na net do que pessoalmente"!

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

PASSADO: Façam O Que Eu Digo E Não O Que Eu Faço

Diante da confusão que meu ultimo post causou. Além dos comentários, algumas postagens sobre minhas postagens como o Razi e o Mike, então resolvi fazer uma tréplica e me explicar. Até para limpar minha reputação e minha consciência. E, também, o que me fez notar é a responsabilidade com as mentes impressionáveis que lêem meu blog. Aquelas de 8 ou de 80 anos que ainda estão aprendendo a viver neste mundo. É, minha formação de professor também me cobrou o exemplo, como meu título faz perceber.
Primeiro, não pretendo me desculpar, não há desculpa para o que eu fiz. E sei muito bem que eu fiz algo errado, afinal já estive neste lugar. No lugar do amigo traído. Mas também não pretendo achar justificativas para o que eu fiz, apesar que o tom de vitória do meu post ser por causa de Beto, e não por causa do menino, afinal eu não estou tão mal de auto-estima para ficar cantando vitória só porque dei uns beijinhos em um menino dentro do banheiro. Mas se vocês não notaram, eu estava bêbado, completamente, e como vocês e os romanos antigos sabem "quando o vinho entra, a verdade sai", e fiquei feliz porque mesmo bêbado eu preferi ficar com o Nilson do que me humilhar aos pés de Beto como ocorreu no carnaval, o Sunshine que o diga. Pois bem, deixem-me contar estórias, afinal é para isso que estou aqui.


Lipe e Presuntinho


Eu conheci Presuntinho numa festa na faculdade. Centro de Convivência no campus da UFRN, numa meia luz, SeuZé tocando, chovia de leve lá fora, eu o vi magrinho, de mochila e all star no pé. Ficamos nos encarando. Sorrisos. Até que ele foi ao banheiro. Eu o segui. Ele apenas sorriu para mim no banheiro, eu o empurrei - literalmente - para o reservado e o beijei. Ele dizia que eu era louco, mas também me beijava, apertava meus braços, e eu a sua bunda pequena. Esquecemos o tempo, e percebemos apenas que ficamos horas quando o amigo dele vem chamá-lo. "Tá tudo bem contigo ai?". Ele respondeu que sim, eu fiquei em silêncio. Beijamo-nos mais uma vez e ele correu para junto dos amigos. Quando saí, encontrei com Lipe, e acabamos por conhecer os amigos de Presuntinho, e nos tornamos amigos. Eu e ele, ensaiando um namoro, ele e Lipe apenas amigos. Todo dia conversávamos ao telefone. Sempre nos encontrávamos. Mas o que eu não sabia é que Lipe também conversava com ele e eles sempre se encontravam, na casa de Presuntinho, sozinhos. Só descobri que eles estavam ficando quando Presuntinho deixou escapar que estava apaixonado, logo após eles terem feito sexo - coisa que comigo ele fazia pose de virgem - e aí eu pulei fora, porque não iria terminar uma amizade por causa de um macho que ao fim não me respeitou em nada.


Juan e Alê


Conheci Juan pela internet. Muitos papos no MSN, e ele era louco para ir a uma rave, pois nunca tinha ido. Na primeira que apareceu, no Seaway Shopping, eu o chamei para ir. Lá nos conhecemos e lá começamos a namorar. Juan era lindo. Magro, mas definido (meu tipo: adoro aqueles magros que quando você tira a roupa ele tem tudo no lugar, e cá entre nós, exatamente como o Sunshine e o Just), moreno e de olhos amendoados. Se eu fiquei babando por ele, todos os meus amigos também ficaram. Rogério e Lipe não deixaram de comentar isso lá mesmo, mas Alê foi mais sórdido. Pegou telefone, pegou MSN, e atacou. Mas, nenhum dos dois foi muito inteligente, no dia seguinte eles marcaram de sair e ficaram, porém eu cheguei e os peguei em flagrante. Juan implorou perdão. Chorava na parada de ônibus implorando que eu o perdoasse. As pessoas viam a cena. Já o Alê estava vermelho, de vergonha e de medo. Eu acabei por perdoar o Juan, e continuamos a namorar, e eu o traí no dia seguinte, mas isso fica para outro post. Porém Alê continuou. Continuou a cercar Juan, começou a freqüentar a casa dele e eu comecei a notar o que estava acontecendo e desencanei: "se ele quer cachorrada, cachorrada que vai ter". Mas eu ainda era o namorado. Juan inclusive começou a admitir que ficava com o Alê, mas eu era a "matriz" e Alê apenas uma "filial". Bem, como eu realmente não tenho problema com exclusividade, prefiro mil vezes a prioridade, então se encaixava com aquilo que eu estava disposto a viver naquele momento. Até que um dia, bêbado, Alê entrou no MSN e falou que estava perdidamente apaixonado por Juan e que iria fazê-lo se apaixonar por ele, lembro como se tivesse acontecido ontem a resposta que dei ao Alê: "Não faça isso, o Juan não gosta de ninguém". Mas ele estava categórico. Desisti então do Juan, e abri caminho para o Alê, eu não queria ser responsável pela infelicidade de um amigo. Terminei o namoro e quando Juan soube disso deixou de falar comigo, até hoje.


Estes casos não me dão o direito de fazer o que fiz com o Fê, claro que não. Estes casos demonstram que eu sei o que estar na pele do Fê e por isso eu sei o quão errada foi a minha ação. Desculpe os que se decepcionaram, mas só lembrem: o Foxxzinho aqui é só humano.