Google+ Estórias Do Mundo: A Maldição

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

A Maldição

, em Natal - RN, Brasil




- Foxx - diz minha mãe se aproximando de mim com cuidado - eu queria que você se aproximasse mais de Deus. Você conhece a Bíblia tão bem, devia fazer aquilo que Deus manda, não... 
Eu assisto ela falar aquelas palavras estupefato.
- Não devia - ela continua - viver deste jeito...
- Viver como? 
Eu pergunto.
- Deste jeito! 
E aponta para mim com um aceno que envolve todo meu corpo. Uma revolta cobre meu corpo.
- Quem você pensa que é para me julgar assim? Quem?
Ela se irrita e só quando ela me ataca de volta que noto minha petulância.
- Eu sou sua mãe ora.
Mas eu me recupero.
- Minha mãe, ok! Mas isso não te dá o direito de me julgar. De julgar que eu não estou perto de Deus. Quem é você para isso? Você não está no meu coração, você não sabe de nada sobre meu relacionamento com Deus. Quem é você para isso?
Ela dá um passo para trás e seu tom nota que ela acatou meu argumento.
- Você será infeliz...
Ela diz baixinho.
- Se continuar desse jeito...
- Desse jeito como?
A ironia me permite antecipar a resposta dela e eu continuo.
- Sendo gay? Mainha, eu sou gay! Sou, sempre fui e sempre serei.
Ela, infantilmente, tapa os ouvidos para não ouvir.
- Ei, não adianta fugir não. Eu sou seu filho, e sou gay, ou você me ama assim ou me avise que saio, definitivamente, da sua vida. 
- Você vai ser muito infeliz por causa disso.
- Você está me amaldiçoando? 
Eu ri.
- Você está me rogando uma praga?
Ela apressou-se para negar.
- Só te aviso uma coisa, minha mãe, quem está distante de Deus aqui é a senhora que ainda não aprendeu o que significa amar o próximo.
Ela foi andando, fugindo do que eu tinha a dizer.
- Ouça que é o que Deus tem a lhe dizer: eu nasci gay e sempre serei gay porque Deus me fez assim. Não adianta você reclamar, não adianta você lutar contra, eu nunca vou mudar.
Ela se trancou no quarto, fechando a porta entre nós.
- Mainha, você acha que o som não vai atravessar essa porta? Pois ouça o que você não quer ouvir: EU SOU GAY!
- Não grite na minha casa!
Ela respondeu do outro lado da porta. Eu reconheci neste momento que eu estava na casa dela, realmente. E respirei fundo.
- Quando quiser conversar sobre isso, sobre o verdadeiro significado de estar próximo a Deus então nós voltaremos a nos falar. Até lá, boa noite com seu preconceito.
Juntei então o meu laptop que estava sobre o sofá da casa dela, eu aproveitava a internet de alta velocidade para baixar alguns episódios de séries para assistir. E retornei para minha casa, pensando: 
- De fato eu tenho passado tempo demais na casa deles. Hora de corrigir isso.


30 comentários:

  1. Perfeita sua dedução ... afaste-se ... sem rancores ... só afaste-se e não insista mais nesta polêmica ... não dê ouvidos às provocações dela ... um dia ela cansa ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é, Bratz? Tenho que me afastar sim.

      Excluir
  2. Ela esta errada. Ela é infeliz e será sempre, enquanto a visao distorcida de amor a acompanhar.
    Afaste-se um pouco da convivencia. Seja filho, mas nao seja amigo. O que nao quer dizer ser inimigo.
    Limite-se a visitar e nao, a conviver.
    Isso é claro...uma sugestao.

    Beijos lindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, visitar, não conviver, tem que ser assim mesmo...

      Excluir
  3. Acredito que para mim seria tão mais simples ser afrontado pela minha mãe, contestado... Afinal sou bom no ataque, por aqui tirando a primeira vez que meu pai me questionou na frente dela, nunca mais eu precisei usar a frase "Eu sou Gay" e isso acredito esteja completando 7 anos este mês...

    Não se fala disso, não se fala de alguém para mim, ela soube do meu namoro com o mocinho pela minha irmã, porque ela se preocupava, mais minha mãe nunca me questionou nada, absolutamente nada.

    Mesmo morando com eles, minha vida passou a ser minha vida, e acredite Foxx isso também dói!

    Na primeira vez que sai de casa, fiquei um tempo sem falar com eles, logo ligações surgiram, e o contato ficou no mínimo cordial, realmente pra ti no momento seja a melhor coisa... dar um tempo! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha mãe tb não questionava, mas a primeira vez que fez eu falei, afinal eu não ia mentir né? Depois disso o assunto morreu pq sai de casa, mas agora eu estava frequentemente na casa deles, esse foi meu erro.

      Excluir
  4. Chato isso... espero que um dia a relação de vocês encontre rima! Xeros!

    ResponderExcluir
  5. Situação complicada essa! Bom, sabemos que o pensamento de sua mãe sobre você é um "pouco" errado. Mas, mesmo correndo o risco de ser linchado pelos seus leitores, pode sim isso pode acontecer rsrs, vou falar, eu meio que entendo o lado dela. Tipo, é sua mãe, e mesmo ela indo por um caminho torto, no final dá pra ver, pelo menos eu vejo, que o que ela quer é proteger você da infelicidade, mas ela vê sua homossexualidade como motivo de infelicidade e ela quer proteger você disso, de ser infeliz, ela está errada em pensar isso? Sim. Mas para ela é uma ameaça, e enquanto significar ameaça, ela vai querer proteger o filho dela. Pra falar a verdade, antes eu via sua mãe como "malvada" nas estórias que você contava, mas com o passar do tempo que você foi falando mais dela aqui, e conversando comigo sobre ela também fui mudando minha opinião sobre ela. Ok, eu NÃO apoio o pensamento dela, mas compreendo o motivo real que faz ela pensar dessa forma e olha, posso até estar enganado, mas pra mim não é por preconceito, é para tentar proteger você, o filho dela, que ela age assim.

    E desculpa, mas não concordo com isso de atacar ela, bater de frente, tentar impor por bem ou por mal. Para mim isso só dificulta um possível entendimento entre vocês. Acho que sua atitude de defesa, tentar atacar ela, foi onde você errou.
    Um conselho? Converse calmamente com ela, mesmo que não concorde com o que ela fala. Não perca o controle da situação, não seja o errado, não ataque ela a menos que ela ataque e, se ela atacar apenas se defenda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei que ela está tentando me proteger, Ariano, sei que ela sabe da minha infelicidade e tenta encontrar alguma explicação para isso. A única que ela consegue pensar é o que me diferencia dos meus irmãos: ser gay. Mas eu discordo de vc quando vc diz que isso não é preconceito, é sim. As boas intenções não mudam o fato de que as ações são baseadas em preconceito.

      Excluir
    2. Respondeu tudo o que eu queria responder, Foxx!!! Sinceramente, tô cansado desse mundo onde a vítima tem que ser "compreensiva" com seus agressores...

      Excluir
    3. Sobretudo quando a vítima sofre preconceito, não é? Racismo, homofobia, machismo, isso sempre (neste discurso) torna a vítima obrigada a ser the big person que vai entender o outro lado e perdoa-lo, nem sempre é com perdão que podemos mudar o mundo.

      Excluir
  6. Sinto muito por isso.

    Não sei se você viu no meu blog, mas eu andei passando por coisas assim nesses últimos dias… a diferença é que foi pelo facebook, não pessoalmente.

    Quer dizer, não pessoalmente com pessoas da família, né, porque este tipo de coisa a gente ouve todo dia.

    Abraço apertado,

    ResponderExcluir
  7. Meu querido, estou dividido (rs). Eu te entendo, mas, ao mesmo tempo, entendo a sua mãe. Concordo com o que o Ariano (quase um xará! rs) disse: mais do que preconceito (que ela deve ter, acredito) ela quer te proteger. É óbvio que ela sabe das dificuldades da gente, dos perigos que se corre no mundo. Isso deve, na mente dela, criar imagens terríveis! E como ela tenta te proteger? Fazendo o que ela acha que deve ser feito. Por exemplo, tentando te convencer a “mudar de vida” (é a forma que com que ela encara, entende?), a encontrar outro caminho, que ela julga ser mais feliz. Eu acredito que você deve, aos poucos, com muito tato e paciência, fazer com que ela veja que não tem nada de anormal. Mas, isso requer tempo, né!

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema, Adriano, é que eu não posso dizer a ela que não sou infeliz, talvez, o certo, seja mesmo começar a mentir para todo mundo...

      Excluir
    2. Pergunta pra ela se ela é feliz pq é hetero... Fala que só vai começar a falar em felicidade depois de ganhar na megasena sozinho e casar com homem bonito, inteligente e rico... rs

      Excluir
    3. Esse leãozinho irônico... Vc deve saber que eu não conto mais com esta possibilidade de ser feliz né? Meu objetivo atual é apenas aceitar o que tenho é viver com isso... Acho que contar isso não vai ajudar né? Preciso inventar um texto pra quando me perguntarem. Algo que soe como se eu estivesse vivendo os grandes momentos de minha vida. De fato, falar o que sinto só tem sido usado contra mim.

      Excluir
  8. sinto muito.
    falta de informação dela... podia ler mais sobre 'as mães pela igualdade'. quem sabe conversando com outras mães ela não percebe que não está sozinha nessa? #ficaadica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se um grupo destes existisse em Natal, amigo, seria muito difícil fazê-lo participar, entrar num grupo desses exige um distanciamento muito grande do preconceito que ela ainda tem.

      Excluir
  9. Oi querido, depois de séculos, voltando a blogville para ler os queridos. Em primeiro lugar: Parabéns pela nova casa, que tenha seu gosto, seu cheiro, guarde suas alegrias e conquistas. Segundo: Achei a sua roomate bem antipática, só não te falei na época porque sou educado hehehe... E sobre o post aí em cima: É um processo pra eles (os pais também), tem que ter paciência, mas tem que se preservar também. Uma distância prudente é bem-vinda, acho eu. Bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafa!
      pois é, vc conheceu minha roommate e pode realmente dar sua opinião. Ela não achava que devia ser simpática com ninguém, o que é uma pena, na minha opinião, pensar desse jeito não é bom para ninguém, não é? Simpatia é uma questão de boa educação.
      Sim, eu sei que é um processo realmente, o distanciamento é a melhor opção mesmo.

      Excluir
  10. Se ela acha isso, o jeito é provar-lhe o contrário!
    Ela tem que ver que Deus é, Amor! :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, meu caro, vc tem razão. Só não sei como tornar isso realidade, como mostrar o amor a ela se eu não recebo amor de ninguém né? Nem dela. É difícil ser o único a dar amor sempre, sabe?

      Excluir
  11. Eu não queria dizer isso pra não parecer que eu sou um "destruidor de famílias" e também gostaria de respeitar a sua decisão de manter proximidade com sua família, mas acho que afastamento é fundamental. Vc não precisa insistir numa relação que te machuca o tempo todo...

    Afaste-se e, quem sabe com o tempo os dois reavaliem essa relação e como ela está acontecendo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo, vc está com a razão como sempre, preciso me afastar dos meus pais o máximo possível, quanto menos eu manter contato com eles melhor, até eles aceitarem quem eu sou e, está ação, tem que partir deles, não posso obriga-los, não é?

      Excluir
  12. Andei sumido e lendo este post fiquei me perguntando se vc tinha voltado pra casao dos seus pais... mas nao voltou, sendo assim n entendo bem pq continuar com as mesmas discuçoes de quando ainda morava lá...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, Otávio, o problema é que eu estou de férias, e não tenho TV em casa, nem geladeira, aí eu estava frequentando demais a casa deles pra ver TV e beber água gelada, mea culpa! Ela se sentiu no direito, mas já notei meu erro e agora sei que quanto menos eles me verem é melhor.

      Excluir
  13. Cadê a atualização de segunda?!? Daqueles mais ansiosos... hehehe! Boa semana, gatão! Xeros!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas eu atualizo na terça, seu lindo, terças e sextas. Apesar que ainda não sei o que escrever para sexta-feira...

      Excluir
  14. Perfeita a conclusão! Viver sua vida. Tentar dialogar com quem não quer diálogo, seja mesmo nossa mãe, é perder nosso tempo, e o dela. Desgaste inútil!!

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway