Google+ Estórias Do Mundo: Felicidade

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Felicidade

, em Natal - RN, Brasil
Minha mãe sentada na mesa da cozinha fala:
- Você devia era agradecer por ser tão feliz.
- E quem disse a você que sou feliz? Respondi.
Ela me olhou com o olhar de deboche que só ela tem:
- E porque você não seria feliz?
- Não posso ser feliz, minha querida mãe, porque eu não tenho nada do que eu sempre desejei p'ra mim.
- E o que você desejou para você que você não conseguiu, por acaso? Ironizou ela.
Eu contei para ela mostrando os dedos para contabilizar:
- Em primeiro lugar, meu trabalho paga menos do que eu recebia quando era professor. Apesar do doutorado, eu recebo menos do que recebia quando dava aulas nas escolas públicas do município.
- Você só pensa em dinheiro, menino! Felicidade não se encontra nas coisas materiais.
Eu ri e respondi:
- Ah, é? Então, eu também não tenho amigos próximos. Meus amigos estão todos distantes e, os que moram em Natal, raramente os encontro. Estes, não lembram de me convidar para sair, não sentem minha falta, nem se importam se eu estou bem ou mal...
Ela me olhou com um ar de que isso não tinha importante, quase deixou escapar algo como "amigos não servem para nada". Mas eu não a deixei falar.
- Em segundo lugar, eu não namoro. Nunca namoro porque ninguém é capaz de gostar de mim.
- Você sempre repete esse mesmo discurso!
- Porque é verdadeiro, ou você já me viu namorando alguma vez na vida?
Ela não respondeu. Engoliu a sua resposta negativa para não dar o braço a torcer e eu continuei.
- Por esses três motivos eu me considero infeliz, mainha, por que não tenho nenhum desses três pontos em minha vida.
- Pois eu sou muito feliz com a minha vida. Respondeu meu pai que estava sentado, ouvindo a conversa, comedo uma gemada.
- Que bom para o senhor, que bom para o senhor!

33 comentários:

  1. Bom dia
    Não pretendo dr-te conselhos que os não sei nem os tenho para me bastar a mim.

    A felicidade é muito complicada ou seremos nós que passamos o tempo numa busca cega daquilo que não temos e esquecendo sistematicamente aquilo que já conseguimos.

    A felicidade poderá fazer-me feliz ou serei feliz quanto mais fizer os outros felizes...??
    Há que saber aceitar a nossa vida e transformá-la de modo a que cada pedacinho de felicidade venha para nós como o sol que recebemos todas as manhãs.

    Hoje acordei a pensar em ser feliz também oferecendo a todos à minha volta um sorriso e se possível uma palavra com amor.
    A dor que sentimos será apenas nossa e não vamos permitir que ela atinja aqueles a quem muito amamos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. respondendo tanto a vc quanto ao Paulo abaixo: exatamente, felicidade é uma busca e é um perigo esquecer o que já conseguimos sempre em busca do que que queremos, mas NO MEU CASO, e era o que eu estava conversando com a minha mãe: eu não consegui nada, eu não tenho nada, minha vida é um perpétuo vazio e por isso eu me torno infeliz.
      e concordo com vc de não permitir que a dor que eu sinto atinja os outros, faço isso tão intensamente que estou somatizando problemas de saúde todos relacionados ao fato de que eu não coloco pra fora o meu sofrimento e vou engolindo, engolindo, engolindo...

      Excluir
    2. Eu também sou assim.Posso estar na merda mas não divido meu fardo com os outros, nem com os que dizem querem dividir comigo.Há pessoas que sempre dizem que querem saber como você se sente mas logo ficam de saco cheio das suas lamentações ou do fato de a sua vida não mudar.

      E aí surge o impasse.Se você fala sobre sua vida e seus sentimentos quando não é feliz as pessoas naturalmente se afastam, mas se você evita isso e passa apenas a falar de assuntos amenos e impessoais as amizades que você constrói serão superficiais.

      Excluir
    3. finalmente alguém q me entende. finalmente!!!

      Excluir
  2. A felicidade é muito complicada ou seremos nós que passamos o tempo numa busca cega daquilo que não temos e esquecendo sistematicamente aquilo que já conseguimos. [2]

    ResponderExcluir
  3. Já dizia a sabedoria popular: ser mãe é padecer no paraíso... hahahahaha! Valeu pelas congratulações, Foxxito! Bom fds pra ti!

    ResponderExcluir
  4. Você já sabe a minha opinião sobre isto e não vou me repetir....rs se morasse aí daria uns choques elétricos em vc toda semana...hahahahaha você ia ser feliz na marra..hahahahaha.

    Abraços, querido e lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. querido, eu toparia, topo terapia de eletrochoque sim. eu tentaria.

      Excluir
  5. Momento que parece tudo dá errado para nós, tenho sentido falta de tanta coisa para mim quase como você Foxx, mas os amigos se fazem presentes e não me considero infeliz. Almejamos conquistas pessoais que ás vezes somente nós sabemos e isso sufoca empilhar essa barreira entre nós e os outros de guardar nossos desejos e derrotas, uma hora há de render a esta injúria que sentimos e sentir triste quando analisamos nossa vida e percebemos isso, mas acredito que há motivos ainda para sorrir perante a esperança que tudo vai dar certo e buscar por isso.
    Abraços e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bem, talvez para vc ainda exista algum motivo para sorrir achando que tudo vai dar certo, mas pra mim não existe mais a mínima possibilidade, então, nem adianta buscar nada...

      Excluir
  6. A felicidade é muito complicada ou seremos nós que passamos o tempo numa busca cega daquilo que não temos e esquecendo sistematicamente aquilo que já conseguimos. [3]

    Abraços Foxx

    ResponderExcluir
  7. Oi ... Ultimamente tenho aprendido, aos trancos, que as pessoas, por mais amigas que sejam, somente nos "aturam" quando estamos passando por uma fase ruim durante um tempo pequeno. Depois tendem a se afastar. Nos querem por perto quando estamos "felizes" ou expressamos uma pseudo-felicidade.
    E Acredito que a felicidade seja momentos, unicamente momentos. Abraços Foxx !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pior que é verdade. meus amigos viraram pra mim e disseram que não gostavam mais de sair comigo pq eu só reclamava da vida... quase chorei na frente deles mas engoli o choro.

      Excluir
  8. Esse povo querendo meter na tua cabeça que vc é feliz é muito engraçado... A gente não pode ser infeliz não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é, eu não posso assumir minha infelicidade. Ser infeliz é o novo sou gay?

      Excluir
    2. Kkkkkk!Parece que sim.Quando você assume isso para os outros tentam te convencer que não, você não é. apenas acha que é, que é uma escolha, uma fase, mandam procurar um psicólogo, uma igreja, Deus, tomar vergonha na cara.Só falta mandarem arranjar uma mulher...

      Descobri que existe uma autora que afirma que a pederastia era proibida em Esparta diferentemente de outros lugares na Grécia e que os espartanos tratavam o sexo como algo privado e a ser praticado dentro do casamento,e que também não havia indícios de que existissem bordéis em Esparta.A autora diz que nunca foi encontrada arte espartana homoerótica e nenhum conto sobre amantes homens.Achei que você pudesse se interessar.Em "AUTHOR WEBSITE" existem mais informações sobre a autora, que inclusive morou no Brasil e suas obras.

      http://elysiumgates.com/~helena/Sexuality.html



      Excluir
    3. interessante mesmo! vou ler, mas de antemão ela está completamente enganada. existem inúmeros artefatos do que poderíamos chamar de arte homoerótica espartana, porém... acho q entendi o raciocínio dela, pq se vc pensar na PEDERASTIA em si é uma instituição eminentemente ateniense, em Esparta ela realmente não existia, só em Atenas, nem em Tebas tb existia, agora relacionamentos homoeróticos é outra coisa, o que ela chama de arte homoerótica pode se tratar exatamente dos presentes que faziam parte do ritual da pederastia... preciso ler agora pra ver se é isso que ela está afirmando.

      Excluir
  9. oi! sobre o liebster award, é para ti sim! ^^ Se clicares naquele link, pelo menos a mim vem dar aqui ao teu blog! ^^

    ResponderExcluir
  10. Uma perguntinha básica: hoje, você não está um pouco mais feliz que há um mês atrás, digamos assim? Eu penso que a felicidade vem sempre por pequenas coisas. Como eu não acredito em milagres, não penso que exista uma coisa acabada que, acontecendo, traga consigo a felicidade. É mais como a respiração... um movimento que, sem a gente perceber, sustenta a vida. Não sei... você me parece estar mais feliz que há um tempo atrás...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, Cesinha, eu não estou mais feliz que há um mês, mas eu estou melhor sim. De fato eu estou melhor. Não porque estou feliz, continuo tão infeliz quanto quando conversávamos pelo MSN, mas agora eu tenho aprendido a aceitar a vida q eu tenho sem desejar muito mais dela. Isso tem me deixado melhor, repito, não MAIS FELIZ, mas BEM MELHOR.

      Excluir
  11. A minha não felicidade consiste em não ter um amor correspondido... acho que do resto está tudo bem. :/

    ResponderExcluir
  12. Eu concordo com o Cesinha quando diz que "a felicidade vem sempre por pequenas coisas". Ninguém é plenamente feliz, assim como acredito que ninguém também é plenamente infeliz. Quem garante que o homem mais rico do mundo seja feliz? Ele tem dinheiro, mas tem amor? Tem amigos? E aquele morador de rua? Será que é de todo infeliz?

    Outra coisa: "meus amigos viraram pra mim e disseram que não gostavam mais de sair comigo pq eu só reclamava da vida.", olha quem disse isso não merece título de amigo...

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é, Peter, muitos disseram, muitos mesmo!

      Excluir
  13. Acho engraçado vc escrever que n tem amigo próximo e que ng te convida pra nada.. Dia desses vc tava indo ao show de Tulipa Ruiz com n sei quem, no outro foi num bota fora de um amigo que foi pra Europa, um amigo te chamou pra esse trabalho que vc está atualmente, outro te convidou pra faze rum mochiilão por 500 reais.. Eu realmente n entendo e sinceramente já desisti mesmo....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então é bem simples, esse amigos costumam sempre desaparecer: o amigo do Tulipa Ruiz deixou de sair comigo, desde q voltei para Natal esse show foi a segunda vez q nos vimos em 1 ano, eu sempre o convido para sair mas ele sempre dá evasivas; o que foi para a Europa, foi para a Europa; o meu atual chefe tem a vida atarefada dele, com filha, ex-esposa, apesar de nos vermos todos os dias no trabalho, sentamos para conversar umas duas ou três vezes; o que me convidou para o mochilão trabalha a noite o que quer dizer q só nos encontramos nas raras folgas dele...
      e eu não nego que eu tenho amigos, posso citar por exemplo o Cara Comum que é alguém que você conhece... ou mesmo vc que eu considero um amigo, eu de fato tenho amigos, mas o que eu reclamo é que eu não tenho amigos próximos a mim, tenho pessoas que posso contar se por exemplo algo como uma morte acontecer, q me apoiariam em algo imenso assim, mas por causa da distância causada pelas nossas vidas de adulto eu acabo me sentindo sozinho... será q me fiz entender?

      Excluir
    2. Se fez... Mas a sua insatisfação, como vc mesmo observou, tah em um colateral da vida adulta e não em um dos itens da sua infinda lista de motivos pra se considerar mais cagado que todo mundo...

      Excluir
    3. primeiro, eu não me considero o mais cagado do mundo. ao contrário do que vc imagina, eu não tenho essa pretensão de acreditar q meu sofrimento é único e a maior cruz que qualquer ser humano é capaz de suportar. fico surpreso, inclusive, por vc me conhecer tão mais intimamente e simplesmente questionar algo deste tipo. meu sofrimento, tenho consciência, é ínfimo comparado a de outras pessoas que vejo por aí, mas também acredito que é completamente descabido comparar sofrimentos como se todas as pessoas fossem iguais. em resumo, o fato do meu sofrimento ser pequeno não imputa a ninguém o direito de dizer que eu devo ignorá-lo.
      E sim, eu concordo que o grande problema é este efeito colateral da vida adulta, contudo, quando se tem amigos, as pessoas fazem questão de construir meios e formas de driblar este efeito colateral. por exemplo: você encontra um antigo amigo por acaso na rua, vcs dois percebem que não se veem há algum tempo então decidem marcar de tomar uma cerveja, digamos, pra conversar e colocar o papo em dia. o amigo (este que sinto falta) não vai deixar de ligar pra vc e vc pra ele para marcar este reencontro. afinal todos nós sabemos que a vida adulta tende a nos afastar dos amigos por causa de trabalho e tb por causa dos maridos/namorados/esposas, no entanto, se não houver um movimento consciente de aproximação esses laços se quebram. por isso que eu digo que os amigos q eu tenho, os que reforçam esses laços, são sempre os que estão longe, os mais próximos desistiram de mim quando fui morar em BH.

      Excluir
  14. Post que revela a idade é sempre um perigo... preciso tomar cuidado... hehehe! Hugz!

    ResponderExcluir
  15. Olha, é uma surpresa para mim que vc fale isso na frente dos teus pais, que apesar da forma que vc fala deles, vc nao cansa de contar suas coisas para eles.. Nunca imaginei que vc falaria sobre estes temas, sobre sua infelicidade assim.

    ResponderExcluir
  16. Interessante esse post!
    Eu acho a felicidade ainda mais subjetiva que o amor. Há quem se sinta plenamente feliz por ter pouca coisa, uma família imperfeita e um trabalho mediano. E há quem tenha tudo, e não se sente feliz.

    Eu acho que nada no mundo é capaz de proporcionar uma felicidade permanente. Sempre vai ter um evento que vai levar embora as sensações de felicidade que tinhamos antes dele.

    Eu, particularmente, gosto mais das fases em que estou triste. Minhas criações são muito melhores, e eu pareço ter uma visão "mais lúcida" das coisas. Por isso, desconfio de gente que vive com uma pseudo-felicidade no mode on 24 horas por dia... rss

    Um abraço, Foxx.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, tb desconfio de pseudo-felicidade... acho que a euforia é uma doença bem mais preocupante que a depressão.

      Excluir
  17. você precisa colocar na balança o que tem de bom também e que pesa. saúde, emprego, mora numa cidade bonita, acesso a cultura... então não é feliz por quê? (pra refletir...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ok, então vamos colocar na balança:
      saúde: doente com bruxismo e hipertireoidismo; emprego: ganhando menos do que qndo era somente graduado; moro numa cidade bonita: ok, moro; acesso a cultura: não tenho, não tenho porque a minha cidade não oferece isso e pq não tenho dinheiro para viajar e explorar isso em outros lugares. então, dos 4 pontos que vc citou, 3 estão ruins. por isso eu não estou feliz.

      Excluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway