Google+ Estórias Do Mundo: Israel: O Amor entre Davi e Jônatas

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Israel: O Amor entre Davi e Jônatas

, em Natal - RN, Brasil


As referências entre Davi e Jônatas são as mais reclamadas pela militância gay entre as fileiras cristãs e muito se escreveu sobre este assunto. Davi é o segundo rei de Israel, o primeiro é Saul, de acordo com o texto hebraico da Bíblia, e segundo os evangelistas Lucas e Mateus seria ancestral de Jesus Cristo. Ele teria reinado entre 1003 e 970 a.C., porém a única prova da existência de Davi são os livros de Samuel, Reis e Crônicas da própria Bíblia, além dos Salmos que são atribuídos ao talento musical do rei dos judeus. 
Segundo o texto bíblico, Davi toma o trono de Israel de Saul porque Deus retirou-lhe seus favores. "O Senhor disse a Samuel: Arrependo-me de ter feito rei a Saul: ele se desviou de mim e não executou as minhas ordens" (1Samuel 15:10-11). O profeta Samuel então procurou um novo rei entre os filhos de Jessé em Belém. Sete dos filhos de Jessé são levados diante do profeta, mas nenhum deles o agradou, porém ainda faltava o menor, que havia levado as ovelhas para o pasto. Davi então foi trazido para a presença do profeta. "Ele era louro, de belos olhos e mui formosa aparência. O Senhor disse: Vamos, unge-o. É ele!" (1Samuel 16:12). Belo e habilidoso com a harpa, Davi foi introduzido na corte de Saul pelo profeta como músico real, "Davi chegou a casa do rei e apresentou-se a ele. Saul afeiçoou-se ( אהבה - ahab) a Davi e o fez seu escudeiro" (1Samuel 16:21). Esta, falam os pesquisadores queer que seria a primeira referência homoerótica envolvendo Davi. O relacionamento entre o rei e o músico, em que o último passa a frequentar o quarto do primeiro, torna-se extremamente íntimo e aproxima Davi do príncipe, filho de Saul, Jônatas. 
É após Davi demonstrar sua bravura após derrotar o gigante Golias, ao trazer a cabeça ao filisteu ao rei, que ocorre o primeiro encontro entre o músico e o príncipe: "Tendo Davi acabado de falar com Saul, a alma de Jônatas apegou-se à alma de Davi e Jônatas começou a amá-lo (אהבה - ahab) como a si mesmo. Naquele mesmo dia, Saul o reteve em sua casa e não o deixou voltar para a casa do seu pai. E Jônatas fez um pacto com Davi, pois o amava (אהבה - ahab) como a si mesmo. Tirou seu manto, deu-o a Davi, bem como a sua armadura, sua espada, seu arco e seu cinto" (1Samuel 18:1-4). 
Tanto na primeira referência envolvendo Saul, quanto com Jônatas, a presença da palavra hebraica אהבה (ahab) vai de encontro a interpretação comum de que se refere a apenas uma amizade. Não obstante, uma interpretação platônica para o relacionamento entre Davi e Jônatas tem sido a visão predominante encontrada na exegese bíblica, tanto por autores judeus e cristãos. Estes argumentam que a relação entre os dois, embora forte e estreita, é em última análise, uma amizade platônica. A aliança que se faz é política, e não erótica, enquanto qualquer intimidade é um caso de união masculina e homossocialidade, isto é, uma camaradagem íntima entre dois jovens soldados sem envolvimento sexual. 
Os livros de Samuel não documentam nenhuma intimidade física entre os dois personagens, além do beijo. "Logo que Davi deixou seu esconderijo e curvou-se até a terra, prostrando-se três vezes; beijaram-se mutuamente, chorando, e Davi ainda mais comovido que seu amigo" (1Samuel 20:41). Os tradicionalistas afirmam que o texto bíblico não se escusa em narrar claramente as abundantes relações sexuais entre Davi e suas esposas e concubinas, e também as de Jônatas que casou e teve um filho, porque então ele não se dá ao trabalho de ser claro no relacionamento homoerótico do músico e do príncipe? Martti Nissinen afirma que "o amor recíproco, com certeza, foi considerado pelos editores [da Bíblia] como fiel e apaixonado, mas sem alusões indecorosas para práticas proibidas pelo Levítico. Sua proximidade emocional e até física não parecem preocupar os editores da história". A Homossociabilidade não é vista como sendo parte do tabu sexual no mundo bíblico.
Nada no texto bíblico, porém, possibilita ou impossibilita uma leitura homoerótica desses versículos. Porém se a opção for por uma leitura homoerótica possibilitaria um melhor sentido para trechos como a reação de Saul ao saber da relação do filho com o músico faz pensar que existe mais do que uma amizade entre guerreiros. "Então Saul encolerizou-se contra Jônatas: Filho de prostituta - disse-lhe -, não sei eu porventura que és amigo do filho de Jessé, o que é uma vergonha para ti e para tua mãe? Enquanto viver esse homem na terra, não estarás seguro, nem tu nem teu trono. Vamos! Vai buscá-lo e traze-mo; ele merece a morte! Jônatas respondeu ao seu pai: Por que deverá ele morrer? Que ele fez? Saul brandiu sua lança para feri-lo e Jônatas viu que a morte de Davi era coisa decidida pelo seu pai. Furioso, deixou a mesa sem comer naquele segundo dia de lua. As injúrias que seu pai tinha proferido contra Davi tinham-no afligido profundamente" (1Samuel 20:30-34). Apesar da acusação de regicida feita por Saul, as palavras proferidas ao filho e a aflição de Jônatas demonstra não corroboram a tese de simples amizade. Segundo David Jobling, inclusive, o apartamento feito por Saul do próprio filho no qual a vergonha cairia somente entre ele e a própria mãe é uma chave que transforma Jônatas em uma efeminado, isto é, o filho apenas de uma mulher, sem semente viril. "Então Jônatas, filho de Saul, foi ter com ele em Horesa. E confortou-o, dizendo: Não temas, porque não te atingirá a mão de meu pai. Tu reinarás sobre Israel e eu serei o teu favorito; meu pai bem o sabe. Fizeram ambos uma aliança diante do Senhor. Davi ficou em Horesa e Jônatas voltou a casa do seu pai" (1Samuel 23:17-18). Gordon Hugenberger tem procurado desde 1944 relações entre o casamento heterossexual e a aliança entre Davi e Jônatas, relação esta citada três vezes no livro de Samuel. No entanto, apesar das pesquisas de John Boswell reafirmarem que os ritos de casamento homoafetivos serem muito anteriores aos ritual de casamento eclesiástico cristão, obviamente, a relação política entre o príncipe e o músico aspirante a rei é quem subordina a relação de amor entre eles.
A referência mais famosa, contudo, é a primeira poesia de Davi apresentada por Samuel em seu segundo livro. "Jônatas, meu irmão, por tua causa meu coração me comprime! Tu me eras tão querido! Tua amizade me era mais preciosa que o amor das mulheres" (2Samuel 1:26). David Jobling escreve: "A história de Davi e Jônatas, e estas palavras em particular, vem a ter grande importância para ativistas que defendem os direitos dos gays, porque eles são a única apresentação positiva da homossexualidade masculina na Bíblia judaica. Neste trecho, um homem revela seu amor por outro homem, em comparação com o amor heterossexual e conclui que é superior. Uma leitura de Samuel que pretenda abordar as questões de ética e libertação humana não pode continuar a ignorar a importância desta perspectiva para uma questão tão importante de nosso tempo".

35 comentários:

  1. Esse babado é forte, hein? Hehehe! E fio... não pense que esqueci dos teus X-men... é que encomenda do Foxx tem que ser algo com pompa e circunstância... mas eles ainda virão! Hugz!

    ResponderExcluir
  2. o texto é bem claro, sempre acreditei nisto. na verdade como disse bem o Fred, o babado é forte (e sempre foi bem forte)!

    ResponderExcluir
  3. Não sei não.Mas vejo esse trecho "Tua amizade era mais preciosa que o amor das mulheres" como um indicativo claro de uma relação homossexual entre eles, afinal muitos já disseram que uma amizade vale mais do que o amor erótico.Tal trecho pode ter sido uma versão mais bonita de "Bros before hoes", hahaha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehehe, eu concordo, Anônimo, principalmente pq a critica deles é sempre do tipo "homossexualidade é pecado, então Davi que é divino não podia ser homossexual", não entendo porque o raciocínio não pode ser o contrário, algo assim: homossexualidade NÃO é pecado porque Davi que é divino TAMBÉM ERA homossexual.

      Excluir
    2. Na verdade eu queria dizer que "não" vejo esse trecho como indicativo claro.Apenas esse trecho, teria que ler toda a história de Davi e Jonatas para opinar melhor.Mas intuo que seja uma daquelas histórias que permanecerão para sempre ambíguas.

      Excluir
    3. ah, entendi. bem, realmente o texto ficará sempre ambíguo porque o autor não pretendia deixar claro mesmo, porém se você leu o texto vc vai ver que este trecho que vc citou não é a única referência...
      mas, voltando ao seu "não", a amizade na época de Davi e Jônatas era considerada completamente distinta do amor erótico, e com isso a amizade só poderia ser entre dois homens enquanto a mulheres só se poderia destinar o amor erótico. sendo assim, é reduntante o poeta afirmar que a amizade é superior ao amor erótico, isso já era um fato, mas afirmar queo o amor erótico compartilhado com Jônatas é superior aquele que ele dava as mulheres, isso sim é digno de um poema.

      Excluir
  4. Bem claro, mesmo, através de suas análises Foxx até consigo entender um pouco sobre a bíblia ao qual não compreendia quando a lia.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que bom, Luiz, fico muito feliz em contribuir com algo.

      Excluir
  5. que analise bem feita. lindo! imagine o quão livre seríamos se os textos fossem liberados fielmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ou se aprendessemos a ler todos os textos criticamente.

      Excluir
  6. Oi Foxx! Seu blog realmente abriu minha cabeça para muitas coisas!! Nossa... sua presença foi muito importante durante um ano muito difícil. Obrigado realmente por toda a ajuda! Espero que tudo esteja bem! bjoss

    ResponderExcluir
  7. Caro amigo, se me permite - com toda força do poder do duplo sentido - preciso dizer que adoraria provar da sua tapioca. Sem mais. Hahahahahahahahahaha! ;)

    ResponderExcluir
  8. Sem querer ser simplista, mas essa amizade entre os dois era no mínimo curiosa:

    Jônatas constantemente traía a confiança de seu pai e revelava os planos secretos dele a Davi para salvá-lo (I Samuel 20.9); costumavam marcar encontros secretos (I Samuel 20.35-41); se beijavam em momentos de grande emoção (I Samuel 20.41). Saul chegou a dizer que o relacionamento de Jônatas e Davi era vergonhoso para a família e que enquanto Davi não fosse morto Jônatas não teria direito ao trono (I Samuel 20.30,31). Jônatas chegava a perder o apetite por estar preocupado com Davi! (I Samuel 20.34). Eles juraram um ao outro, pelo amor que tinham, manter lealdade e amizade eternas (I Samuel 20.14-17,23,42). Grande amizade essa, né! (kkkkk)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tá super entendido de Samuel hein?

      mas, verdade, se isso não era mais que amizade, pohánn...

      Excluir
    2. César, fiquei a imaginar como seria uma ópera escrita por Mozart acerca de Davi e Jônatas bem ao estilo de As Bodas de Fígaro.

      Aliás, vou anotar a ideia no meu bloco de anotações. E tive outra ideia enquanto recarregava a página: escrever uma novela moderna acerca d'ambos. Essa também vai.

      Foxx, obrigado pelos momentos de inspiração.

      Excluir
    3. de nada, meu caro, fico feliz que tenha ajudado, se precisar de informações para contextualizar a história historicamente, não se acanhe, estou aqui para ajudar.

      Excluir
    4. Que amizade linda, se todos os caras agissem assim. Uma amizade no Senhor!

      Excluir
  9. se a homossociabilidade (nunca tinha ouvido esse termo) fosse considerada como um tabu, jesus não teria existido, não teria contato mais íntimo, "msm que não erótico e apenas político", com seus apóstolos...

    eu acho que falta um fator: o do erotismo do interdito. isso não foi analisado nos textos, em todo caso. uma amizade pode ser erótica sem ser explícita. erotismo não é só o ato em si e, pelo o que eu li, a amizade deles era erótica.
    havia troca implícita no não-delatar dos 'editores históricos'

    ResponderExcluir
  10. Gosto dos teus post pq sempre são informativos :)

    ResponderExcluir
  11. querido amigo, hoje só quero agradecer o seu carinho para com a dupla Bratz&Elian ... thanks

    bjão

    ResponderExcluir
  12. Sempre legal ler por aqui !! Vou repetir vc:
    " Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."
    Abraço !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que bom que vc gosta, Marcos, fico feliz.

      Excluir
  13. Oi Foxx.

    O texto do Livro de Samuel é um dos mais mal conservados do AT. Sua datação é incerta, mas o material – extratos , diversas tradições ou mesmo recensões em hebraico - podem muito bem remontar aos inícios do período monárquico, embora a redação final seja mais tardia e reelaborada. A história de Davi e Jônatas está situada nesse contexto. Mas as várias tradições deixam transparecer a forte ligação que unem os dois personagens.
    A história da ascensão de Davi ao trono é colocada – propositalmente? – em paralelo com o ciclo patriarcal ( Abraão em Siquém, Betel e Hebron; Esaú e Jacó – que refletem as mesmas preocupações políticas e que são um ‘decalque’ da história das conquistas de Davi; a história de José – que tem traços que correspondem ao acesso de Davi ao poder de Israel do Norte); para dar legitimidade e suporte ideológico para a monarquia davídica. Davi era o Super-Homem da época!
    Mas com traços bastante humanos: capaz de grandes atrocidades e matanças para assegurar os seus domínios, mas também de gestos de bondade para com os seus. E capaz de amar- várias mulheres( o que não era novidade), mas também de amar um outro homem, Jônatas, e de demonstrá-lo publicamente. E, em se tratando de Davi, adquire um peso muito maior, não é um mero detalhe.
    O texto não é explicito, mas deixa margem para diversas abordagens, desde uma sólida amizade, até mesmo uma relação homoerótica.
    De qualquer maneira, como bem disse o Fred : O babado era forte!
    Mais uma vez um ótimo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e agora eu só posso fazer reverência ao conhecimento do Renato.

      Excluir
  14. Tu sabe que aniversário do TPM sempre rende, nzé? Vamos aguardar as surpresas que tenho na manga... hahahaha! Hugz!

    ResponderExcluir
  15. Adoro suas estórias biblicas. Admiração total!

    ResponderExcluir
  16. Eu acredito que mesmo que houvesse uma história bíblica que CLARAMENTE narrasse uma relação homoerótica, ainda haveria cegos que defenderiam com unhas e dentes uma interpretação "figurativa"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. isso é pura verdade, mas, acho, essa estoria teria sido cortada da Bíblia séculos atrás.

      Excluir
  17. Na antiguidade tudo era normal meu povo, homossexualismo vem desde os primórdios do mundo, a putaria não é de hoje, o chato é que o mundo inteiro segue uma lei deixada por um cara homofóbico chamado Móises e esquece a lei de Deus. eu não vi em nenhum dos dez mandamentos que ser gay e pecado e que vai pro inferno, aquela lei de que dois homens juntos é abominação foi banida quando Deus lhe deu os dez mandamentos e confirmada pela vinda de cristo. se queres seguir a Moíses condene os gays, se queres seguir a Deus e seus mandamentos sejam mais tolerantes com os gays. não sou gay mas tenho parentes gays e me orgulho da pessoa que eles são e em nenhum momento vejo eles indo pro inferno que esses crentes criam pra enviar pra lá seus irmanos. acho que essas pessoas que criticam é que são frustradas por viverem numa espécie de matrix mas que gostaria de viver o mesmo que os de espiritos livres dessas convenções mundanas vivem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que bom q vc é hétero e pensa assim, Edilson, que bom!

      Excluir
  18. Não ceder ao pecado é o que importa, mesmo que em uma suposição os dois se amassem dessa forma, não cederam. Todos tÊm suas fraquezas, o cair é do homem e o levantar é de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Logo que Davi deixou seu esconderijo e curvou-se até a terra, prostrando-se três vezes; beijaram-se mutuamente, chorando, e Davi ainda mais comovido que seu amigo" (1Samuel 20:41).
      olha, eu não acho que é pecado, mas se for, eles cederam sim, várias e várias vezes.

      Excluir
  19. A Psicologia explica que:
    A- O “homem” ser incapaz de ser feliz, ainda que se trate de alguma mulher muito especial.
    B- O “homem” preferir outro homem, ainda que podendo possuir as melhores mulheres do seu mundo.
    C- O “homem” nunca se dedicar a alguma mulher expecial, mas sim, ENJOAR das parceiras...
    D- E o “homem” ter necessidade de está sempre MUDANDO de mulher...
    São sintomas típicos de algum bissexualismo EGODISTÔNICO.

    Na antiguidade, devido os militares passarem meses sem ver as suas companheiras; era comum se ter amantes do sexo masculino.
    E quando um sacerdote indagou se Davi estava se abstendo de mulheres, ele disse QUE SIM...

    Porem os religiosos em vez de admitir que Davi e a moçoila Jônatas eram amantes fingi que o BISSEXUAL Davi apenas tinha uma grande “AMIZADE”, e uma forte identificação com Jônatas...

    O fato do Belo e habilidoso com a harpa, poeta Davi (1 Samuel 16, 12), PREFERIR Jônatas (filho do Rei Saul), com quem tem uma “AMIZADE COLORIDA”; e a quem ele ama BEM MAIS, do que a todas as belíssimas escravas, mulheres, ou ninfetas que lhe estariam disponíveis...

    O amor intenso entre dois homens, que fizeram uma aliança de compromisso, pois Jônatas amou David até sua velhice, e mesmo depois da morte de seu COMPANHEIRO.

    A estela de pedra datada de 3000 anos atrás, encontrada pelos Arqueólogos da Universidade de Hebron, no Vale de Baa'ar Salen, onde se observa o desenho de um coração atravessado no meio com uma flecha, e os dizeres em aramaico “DAVI E JÔNATAS PARA SEMPRE”

    Alem do termo “AHAB” ser usado para AMOR CARNAL, em Samuel 2 cap. 1:26, quando Jonatas morreu, Davi filho de Jessé lamentou e disse:

    Angustiado estou por ti, meu Jônatas; quão amabilíssimo me eras! Mais maravilhoso me era o teu amor do que o amor das mulheres.

    Ao entender que Jônatas é um efeminado, isto é, o filho apenas de uma mulher, sem semente viril, o Rei Saul ter fica envergonhado, e decide matar Davi, de que o seu filho Jônatas é amante.

    Tomado de violenta cólera, o Rei Saul diz na frente do filho Jônatas, e de seus servos, que já sabe do envolvimento de Jônatas com o filho de Jessé, e que isso representa uma vergonha para toda a família.

    Lisandro Hubris

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lisandro, que bom que vc gostou do texto o bastante para fazer um comentário tão grande, fico muito feliz, mas eu preciso discutir alguns pontos do seu comentário:

      1) na Antiguidade, os guerreiros não se deitavam com homens porque passavam muito tempo longe das mulheres na guerra. Este comentário ignora dois elementos importantes, primeiro que em torno de qualquer acampamento de soldados circulavam prostitutas e camponesas que poderiam facilmente ceder as investidas de um belo soldado, então, eles poderiam não ter mulheres para se casar, mas para matar a vontade de sexo, se eles não gostassem de homens, havia inúmeras mulheres para cumprir esse papel. O segundo elemento é que esta é um comentário preconceituoso, extremamente explorado por historiadores durante muito tempo, que reduz o amor entre pessoas do mesmo gênero a um amor de segundo nível, inferior ao amor entre homens e mulheres, um amor que só acontece na ausência do amor correto e natural, entende? É um discurso que foi muito comum até a década de 1990, mas que não podemos mais repetir porque é um discurso de preconceito.

      2) E falando sobre preconceito por que você chama Jônatas de moçoila? Jônatas era tão homem quanto Davi, não entendo porque você define Davi como "bissexual", enquanto retrata Jônatas como uma moçoila, não entendo porque a diferença. Na minha opinião, se Davi é bissexual, Jônatas também o é. Se Jônatas é moçoila, Davi também o é.

      Excluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway