Google+ Estórias Do Mundo: Egito: A Contenda de Hórus e Seth

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Egito: A Contenda de Hórus e Seth

, em Belo Horizonte - MG, Brasil




Começamos a falar do Egito a parti deste conto originário da XX Dinastia, da época entre 1190 e 1077 antes de Cristo. Esta é a dinastia após a dinastia do faraó Ramsés II, chamado de o Grande, cujo qual é o mesmo que participa da estória bíblica de Moisés. A XX Dinastia é formada por dez outros faraós, nove deles chamados também de Ramsés (do III ao IX), além do primeiro faraó, filho de Ramsés II, Setnakht. Estes governaram a partir da cidade de Uaset (ou Tebas, em grego, como ficou conhecida), no centro do Egito, e construíram a grande necrópole tebaida. Ramsés III foi o maior faraó da dinastia, o segundo a reinar no Egito, e foi responsável por manter o território protegido de invasões dos Líbios, que viviam no deserto a oeste, e dos chamados "Povos do Mar", oriundos dos Balcãs, e uma nova migração dos Filisteus. 
Aqui está o conto:




Seth disse a Hórus: “Venha a minha casa passar algumas horas de prazer”. E Hórus respondeu: “Com prazer, com prazer, querido de meu coração”.  Ao anoitecer, a cama foi arrumada para eles, e os dois se deitaram. No meio da noite, Set fez seu membro endurecer e penetrar entre as nádegas de Hórus. Porém Hórus colocou sua mão entre as próprias nádegas e impediu que a semente do deus entrasse em seu corpo.
Hórus, então, foi ver sua mãe, Ísis, e disse: "Ajuda-me! Venha e veja o que Seth me fez". E abriu sua mão e deixou-a ver o esperma de Seth. Com um grito, ela pegou sua arma e cortou fora a mão do filho, jogando-a na água e conjurando uma nova mão para ele.
Quando a Eneada voltou a se reunir, Seth disse que tinha feito o trabalho do macho com Hórus e exigiu que o cargo de governante continuasse com ele, alegando que ele estava desqualificado. Quer fosse filho de Osíris, quer não, agora tinha sua semente dentro dele, o que podia lhe dar o direito de sucedê-lo, mas jamais de precedê-lo!
Os deuses então gritaram muito, humilharam e cuspiram na face de Hórus.
Hórus, no entanto, falou que Ísis o mandara endurecer o membro e derramar o próprio sêmen numa vasilha; em seguida, indo para a horta de Seth, depositara-o numa alface, a verdura que o deus mais gostava, e que este a havia comido logo depois. "Portanto", anunciou Hórus, "a semente de Seth não está dentro de mim, mas a minha está dentro dele. Logo, o desqualificado é ele!”.
Atônitos, os deuses pediram a Thot para resolver a questão. Ele verificou o sêmen que Hórus levara a Ísis e que ela guardara num pote, constatando que era mesmo de Seth.  Em seguida examinou o corpo de Seth e confirmou que ele continha o sêmen de Hórus. Furioso, Seth não esperou o fim das deliberações. Saiu gritando que só uma luta até o amargo fim poderia decidir aquela questão.


Esta outra versão já é anterior ao conto acima, isto é, mais antiga que o conto acima. Da XII Dinastia, isto é, de entre 1991 e 1803 antes de Cristo, cuja qual é o ápice do Império Médio, que se inicia com a mudança da capital de Uaset para a capital, até hoje perdida, de Itj-Tawy.



O divino Seth disse ao divino Hórus: "Como são bonitas suas nádegas. Que lindo! Deixa-me entrar em suas pernas." E a pessoa de Hórus disse: "Cuidado, devo dizer-te isso". E correu para sua mãe, Ísis, e contou que Seth desejava possuí-lo. E ela disse para ele: "Toma cuidado! Não te aproximes dele. Mas quando ele mencinoar isto novamente, dirás o seguinte para ele: 'É demasiado doloroso para mim, porque pesas mais do que eu. Minha força não suportará sua força'. Quando ele te der a força dele, então, coloca teus dedos entre tuas nádegas, ele apreciará demasiadamente. Mantém a semente dele contigo, então, e não deixa que o Sol a veja".
Tudo aconteceu e Hórus agiu como sua mãe havia aconselhado. Trouxe então, em sua mão, a semente do divino Seth. Depois disso, Ísis jogou a semente de Seth em um córrego próximo. Voltou então ao seu filho e pediu que ele despejasse sua semente em um pote e espalhou o sêmen de Hórus na alface e deu-o a Seth para comer. 
Quando então Seth se vangloriou para os deuses que tinha tomado Hórus, e o jovem negou. Para resolver a contenda, os deuses chamaram a semente de ambos. A semente de Seth respondeu da água, onde Ísis a havia jogado, enquanto a semente de Hórus surgiu na testa de Seth, na forma de um disco dourado que Thot transformou no símbolo da lua. 


A questão aqui é bem óbvia, na verdade: a desqualificação do passivo, daquele que participa da relação sexual, usando a expressão do próprio conto, no papel de fêmea. Ele não pode ser colocado numa posição de primazia diante daquele outro que faria o papel de macho. Como diz, no primeiro conto: "agora tinha sua semente dentro dele, o que podia lhe dar o direito de sucedê-lo, mas jamais de precedê-lo!". É, na verdade, uma definição sobre o estatuto social deste membro da sociedade egípcia e não uma negativa sobre o comportamento homoerótico. Em outras palavras, que o homem-macho, digamos assim, estava no topo da pirâmide social, seguido dos homens-fêmeas e depois as mulheres. Essa divisão em três sexos era comum no Egito Antigo e falaremos mais dela adiante.

25 comentários:

  1. muito me lembra meu primeiro ano na faculdade, adoro história antiga, principalmente a história egípcia

    ResponderExcluir
  2. Desse texto, gostei bastante.

    Parece que desde sempre houve essa valorização do papel do macho penetrador, subjugando o macho que é penetrado.

    Pessoalmente, história à parte, humanidade à parte, convenções à parte, acho que não tem nada a ver. Penetrar ou ser penetrado não muda a natureza de ninguém. Antes, reforça o que cada um é, a maneira de ver e se posicionar no mundo. Mas acho que até nisso estou em minoria...

    Viva a diversidade!

    ResponderExcluir
  3. Gostei mais da segunda versão apresentada no post, mesmo que ela seja menor e, portanto, contenha menos detalhes. O que me chamou a atenção foi a linguagem, muito mais erotizada, do que a vista na primeira versão. O que indicaria, quem sabe, uma modificação na visão da história.

    ResponderExcluir
  4. Banho cultural histórico by Foxx... hehehehe! E Margarita Mix é uma misturinha que compra-se pronta pra incrementar a Margarita... mas pode fazer sem ele, certo? Heheheh! Hugz!

    ResponderExcluir
  5. Interessante essa imagem pintada no conto, mostrando desde sempre que houve isso de dominador e dominado. Como sempre o falo o símbolo do poder masculino.

    ResponderExcluir
  6. ola. tudo blz? estive por aqui dando uma espiada. interessante. apareça por la. abraços.

    ResponderExcluir
  7. Gosto dessa leitura histórica com pitada erótica.

    ResponderExcluir
  8. Gostei da participação do segundo conto: "Vai lá, meu filho!! Faz o serviço, mas não faz sujeira hein??"... E há quem diria ser essa uma mãe moderna... Hahaha

    Piadas a parte, essa sua série histórica é realmente muito boa.

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  9. Não achei meu texto confuso, eu acho...
    o que eu quis dizer é que as mentiras fazem parte de um relacionamento e que elas são necessárias, eu não acho que devemos ser sinceros, eu pergunto se devemos ser verdadeiros em um relacionamento, mas isso eu não respondo deixo para o leitor.
    esse é o problema de escrever textos curtos, a gente sempre corta alguma coisa e não consegue por tudo que pensamos, mas se escrevemos textos grandes quase ninguém lê :)

    ResponderExcluir
  10. Gostei e conheço vários machos alfas. é sim uma grande besteira estar no top da pirâmide.
    Bjus

    ResponderExcluir
  11. Enquanto isso, Lolitas do mundo inteiro continuam fazendo seus machos de tontos... :-)

    ResponderExcluir
  12. Pera que preciso refletir depois de tanta informação e cultura...

    A relação de ser o homem-fêmea ou não indifere já que aquele julgado teve o papel inverso, então que diferença faz se de ambas as formas vc é julgado?

    ResponderExcluir
  13. Protesto registrado! Hehehe!

    Foxxito, me diz algo... posso te enviar o logo na versão que escolheu e com aquela alteração no nome da cidade, conforme solicitou?
    É que estou com todos os arquivos ainda no meu pc e se não vais mais precisar de alterações eu gostaria de liberar espaço... me avisa, okay!
    Hugz!

    ResponderExcluir
  14. Ai, ai... por essas e outras que tu é esse homem com H maiúsculo. AdoGo! Hehehehe!

    ResponderExcluir
  15. adoro este pedaço de história.

    ResponderExcluir
  16. Oi,amiguinho(achei legal seu blog),visite/siga o Blog do XANDRO
    (meu blog para retribuir o carinho)vc vai gostar!;)

    http://blogdoxandro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. E nego em 2011 continua funcionando sob a mesma ótica e o pior.. Se achando MUITO FODA por isso...

    Olha, eu amei o conto, sabe?? parece um folhetim mexicano erótico..

    E que mãe moderna é essa, né??? Sabia, eu tb ia adorar assistir oc arinha fazendo curirica, dar um super-prazer mesmo...

    Mas enfim, como n me ligo nessas bobagens, podem deixar todas as sementinhas em mim mesmo que acho ótimo...

    Beijos...

    ResponderExcluir
  18. História egípcia é muito boa. Casa bem com seu blog. Beijo.

    ResponderExcluir
  19. Pois é, guri!

    Sabe que parecer moleque alienado de 18 anos é um luxo que - vez que outra - minha crônica veia individualista e politicamente INcorreta me permite! Hehehe!

    Recebeste o material?

    Hugz, man!

    ResponderExcluir
  20. Adorei,FOXX!Interessantíssimo!!

    Abração!

    ResponderExcluir
  21. como já era de se esperar um excelênte conto. Como já foi dito aqui é notória e triste supremacia do "Macho Alfa" desqualificando o "Homem Mulher". adoro a cultura egípicia.

    ResponderExcluir
  22. Que saudade de seus textos "históricos"... ontem vi um livro cujo título tem a ver com "o gay na história" ou "a história do gay" e lembrei de vc ;)

    ResponderExcluir
  23. Ísis sempre foi a verdadeira inimiga de Seth atrapalhando os planos dele

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway