Google+ Estórias Do Mundo: Mesopotâmia: Os Servos de Ishtar

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Mesopotâmia: Os Servos de Ishtar

, em Belo Horizonte - MG, Brasil



A prostituição sagrada era comum em quase todo o mundo antigo, com raras exceções, mas é importante lembrar que esta é um tipo de sacerdócio, ou um tipo de rito durante o sacerdócio, e não necessariamente um elemento econômico, voltado ao sustento do templo ou do/a prostituto/a. O sacerdote, homem ou mulher, também neste caso, vive dentro do templo, os lugares consagrados a um deus ou uma deusa, onde realizam o rito. Nos templos de Ishtar, por exemplo, deusa lunar da vida e do amor mesopotâmica, chamada na Bíblia de "grande prostituta da Babilônia", pois era na grande cidade de Babel em que os templos de Ishtar estavam colocados, a prostituição sagrada era um rito que permitia a ligação direta dos homens com a deusa, os prostitutos e prostitutas eram "os veículos de sua vida criativa em sua união sexual com os homens que vieram lá para realizar um ritual sagrado", nas palavras de A. T. Mann e Jane Lyle.
As prostitutas sagradas de Ishtar pertenciam a uma hierarquia organizada, meticulosamente gravados pelos babilônios em suas tábuas de argila. Seu alto escalão sacerdotisas eram chamadas de entu, e usavam roupas especiais para distingui-las dos demais. Seus chapéus, jóias e servos eram os mesmas que as do governante, e seu status iguais aos de qualquer outro sacerdote do templo. As naditu, eram as próximas no ranking de importância. Saíam das maiores famílias (isto é, daquelas que possuíam mais terra) e dedicavam suas vidas à deusa, devendo permanecer solteiras e sem filhos. No entanto, as naditu alegremente ignoravam este limite, e levavam uma vida plena e ativa. Elas foram brilhantes e sagaz, com visão de negócios considerável: "Elas compravam, vendiam e alugavam; emprestavam dinheiro e trigo; investiam, importavam, exportavam, tratavam com escravos, conseguiam terras e do povo, seus claustros eram uma parte essencial na economia do país". Abaixo à elas, estavam as qadishtu e os qadesh (expressão idêntica usada na Bíblia significando "separado", "consagrado"). Estes últimos eram os homens que se prostituíam em homenagem a deusa. Além destes haviam os ishtaritu, homens e mulheres que eram especializados nas artes da dança, música e canto. Uma curiosidade é que a partir de fragmentos de informações na literatura clássica, e certos artefatos, é possível supor que estas dançarinas que teriam criado uma versão da dança do ventre, ondulante, como a que ainda é extremamente popular em todo o Oriente Médio. 
Os dois grupos finais (qadishtu-qadesh e ishtaritu), normalmente, eram formados por escravos e, não obstante a renda obtida com seus serviços servir para manter financeiramente o templo, seja por causa da prostituição, seja alugando os serviços artísticos, seu trabalho ainda era basicamente ritual. Os dois primeiros grupos (entu e naditu) eram mais voltadas para os casamentos cerimoniais entre o rei e a deusa que garantiam a fertilidade dos campos, a riqueza do país, entre outras. Os qadishtu e qadesh já se voltavam para os ritos pessoais, e fazer sexo com o sacerdote ou sacerdotisa significava uma ligação direta com a própria deusa e, portanto, garantia que esta atendesse qualquer que fosse o pedido que o fiel fazia ali. Em termos cristãos, é o pagamento antecipado de uma promessa.

14 comentários:

  1. eu adoro a antiguidade, principalmente a grega, modernidade não é o que vivemos hoje, mas sim as organizações sociais e as permissões em relação ao sexo da antiguidade.

    ResponderExcluir
  2. acho q eu fui um qasishtu e qadesh ... rs

    ResponderExcluir
  3. Do texto, gostei bastante da menção das naditu, pela forma como levavam a sua vida, que não eram conforme o que estava estabelecido, mas que por ser importante era permitido.

    ResponderExcluir
  4. Alguém aê andou vendo Calígula?

    :*

    ResponderExcluir
  5. Eu vi Calígula! Acho perigosíssimo!

    ResponderExcluir
  6. Acho que to precisando pagar promessa!

    ResponderExcluir
  7. querido eu nunca te critico, apenas debato nossos pontos de vista q são um pouquinho diferentes ... rs

    ResponderExcluir
  8. Quem topa entrar numa máquina do tempo pra ajudar a sustentar um templo na mesopotânia???? Vem gentchy!!

    Abraços, meu querido Foxx!!

    ResponderExcluir
  9. E viva o bacanal!!! Hahahaha!

    ResponderExcluir
  10. Eu gostei muito do filme, alias eu adoro filme alemão, principalmente por que fogem do convencional americanismo

    ResponderExcluir
  11. Vai me bater se eu falar que só conhecia Ishtar das historinhas de Conan, o bárbaro?

    :P

    Adoro esses seus posts de História, Foxx.

    ResponderExcluir
  12. Gente, prostituição no mundo antigo era glamouroso. E não sobrou nadica de nada desse glamour nos dias atuais.
    Bjaum.

    ResponderExcluir
  13. Safadeza nada oculta,ne?

    Adoro esses posts.Sempre leio 2,3 vezes.Maravilhosos!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Se descobrir onde eles estão - os heteros - me avisa, tzá? Hahahaha!

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway