Google+ Estórias Do Mundo: Um Deus Travesso

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Um Deus Travesso

, em Natal - RN, Brasil
Recebo um convite no Facebook que diz para eu encontrar meus amigos, Andarilho e Peter Pan, no Giramundo naquela sexta-feira. O Giramundo é um bar que fica em Parnamirim, uma cidade dormitório da Grande Natal, onde praticamente todos os meus amigos moram e onde normalmente os encontro para sentar em bares e conversar noite a dentro. Eles nunca vão a Natal, onde trabalham, e eu moro, sempre sou eu que me desloco até eles. É um bar que toca forró e é possível ouvir Suzana Vieira fazendo participação especial no DVD de Desejo de Menina, em que os garçons usam camisas verde-limão apertadas que mostram os braços e peitorais trabalhados em academias ou as barrigas exercitadas em copos de cerveja, que também é frequentado por uma espécie distinta de homens da região de Natal: os vaqueiros. 
Um esporte tradicional no Rio Grande do Norte é a vaquejada que consiste, em um corredor determinado, cavalgar com seu cavalo, pegar o rabo de um boi ou vaca, enrolá-lo no braço e, com um único puxão, derrubar o animal dentro de uma faixa pintada na areia com cal braco. Quem acerta três tentativas dentro da faixa vence a disputa. Os vaqueiros contudo não se vestem como agroboys, vestem-se com a mais fina camisa polo Lacoste e calças jeans Ellus, que combinam com indefectíveis botas de couro, de bico fino e ponta de metal, e apelam para perfumes franceses fortes, sobretudo fragrâncias clássicas como o Azzaro e o Lapidus. 
Foi cercado deste ambiente que cheguei meia hora atrasado. Cheguei e já haviam todos chegado. A reunião havia sido marcada para o Peter Pan apresentar finalmente o seu namorado a todos os outros amigos. Peter não mora mais em Natal. Ele passou em um concurso e está morando no interior do Estado e lá conheceu o novo namorado, o qual, por motivos de trabalho, só pode vir a Natal neste fim de semana para conhecer as pessoas com o qual já tinha falado no telefone várias vezes, por insistência do Peter que o fazia conversar com todos os amigos quando ele ligava e algum deles estava presente. Eu cheguei e ao puxar uma cadeira para saber onde eu sentaria, notei aonde eu estava me metendo. Eram quatro casais, o Andarilho e o namorado, o Peter e o novo namorado, e dois casais de lésbicas, nossas amigas. Eles estavam sempre sentado em pares e eu acabei sentando entre o Andarilho e o namorado e um casal de lésbicas. Obviamente, não chamei atenção para o fato de eu ser o único solteiro na roda. Como sempre. Mas pelo jeito não era meu destino escapar daquilo.
Não demorou muito para que a Fabi, que estava do meu lado, ao olhar para todos na mesa e terminar sorrindo para mim notasse que havia um padrão que eu quebrava ali e não deixou de comentar. "Pois é, Foxx, só falta o senhor arranjar um namorado agora". Eu respirei fundo e sorri amarelo, mas respondi: "Bem que eu queria, Fabi". Ela então lançou aquele discurso preparado de que "quem muito escolhe acaba sozinho", mesclado com "todo mundo tem uma alma gêmea" mais "um dia você vai encontrar seu príncipe encantado". Eu sorri condescendente, mas ela ia continuar o discurso que fatalmente ia terminar dizendo que a culpa era minha de eu estar sozinho, eu então encerrei o assunto: "Bem, infelizmente, ninguém é capaz de se interessar por mim...". Ela ouviu prendendo o ar, surpreendida. "Infelizmente as únicas pessoas capazes de se interessar por mim são garotos de programa!". Ela ia contra-argumentar, o máximo que conseguiu foi: "Isso não pode ser possível!", eu então dei o assunto por encerrado e perguntei mais sobre a vida do novo namorado do meu amigo.
No entanto, chegando em casa, de madrugada, após postar no Twitter: "kd o amor?", um contato, no Facebook, me chamou para conversar e disse-me, muito claramente: "Olha, Foxx, sinceramente, se eu morasse mais perto de você, na mesma cidade, eu com certeza te namoraria. O único motivo que me impede de investir em você é, sem dúvida, a distância". Eu agradeci as palavras. E pensei logo que algum deus travesso resolveu brincar comigo naquele fim de semana. Primeiro ele mostra como, em Natal, eu estou sozinho, sendo o único no grupo de amigos solteiro; depois ele me exibe como outras pessoas, fora de Natal, se interessam por mim. Este deus travesso deve divertir-se em ver o meu sofrimento como um sádico que se diverte torturando um faminto comendo o mais belo manjar diante dele. Ele mostra que lá longe, onde não posso alcançar, o meu sonho seria possível; mas se eu me aproximasse, como quando fui para Belo Horizonte, tudo se desfaria no ar como uma miragem. Este deus travesso gosta de me mostrar o impossível lá longe só para que eu corra atrás e ele mostre novamente mais longe e mais longe, porque ele diverte-se apenas comigo correndo atrás, ele não pretende nunca conceder-me o prêmio, só para que eu continue em seu encalço e ele mantenha seu brinquedinho. É a melhor explicação para minha vida amorosa mesmo: uma maldição de algum deus travesso.

26 comentários:

  1. Tá difícil amigo, mas certamente haverá outros nas mesmas situações.
    Será que andam distraídos ou que alguns se escondem em capas transparentes...?? Vêem sem serem vistos.

    ResponderExcluir
  2. Foxx, você tem o hábito de comer cebola ou alho todo dia? Será que vc tem mau hálito e não percebe e/ou nenhum amigo próximo te diz?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. juro que eu já me perguntei isso, Junior.

      Excluir
  3. Respostas
    1. não? e eles se divertem com o quê?

      Excluir
  4. Vai seguindo Foxx... uma hora dá certo.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ô, Margot, sério que vc acha isso? pq? me explica isso, o q te faz acreditar que ainda tem alguma chance de dar certo?

      Excluir
  5. Ah, mas todos nós temos nossa porção "Deus-travesso"... hehehe! E como diz a Margot aqui acima: Vai seguindo... uma hora (tu) dá certo... hehehehe! E dá-lhe Vanish!

    ResponderExcluir
  6. Eu não me deixo enganar com esses cantos de sereias longínquas! Os problemas (ou a sina, se quiser chamar assim) nos acompanha... pra onde for!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu tenho certeza que é assim tb, Max, que não adianta, se eu fosse morar em outro lugar o resultado sempre seria o mesmo.

      Excluir
  7. Nunca desista. Nunca mesmo! Uma hora vai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk
      tarde demais, Fernando, já desisti.

      Excluir
    2. Desistiu? Desistiu do quê??

      Excluir
    3. De encontrar alguém, Peter, alguém q esteja disposto a ficar do meu lado.

      Excluir
    4. Bom... desistiu de encontrar mas não de ser encontrado, né? Isso é bom, mas tem que ter paciência... Aí você dirá "mais?" e eu já adianto dizendo apenas "sim"...

      Abração!

      Excluir
  8. Foxx, querido! Depressão, transtorno de pânico e TOC, são doenças distintas e com tratamentos específicos, mas infelizmente na maioria das pessoas, uma coisa puxa a outra. Fui diagnosticado com depressão depois dos diagnósticos de pânico e TOC. No título do meu texto está explicado, vou repetir pra você entender: "Cronologia de uma depressão: como aconteceu comigo." Pensamentos ruins são comuns, todo mundo tem. Eles se tornam um problema quando limitam a sua vida. O TOC puxa o pânico e vice-versa. Essas duas doenças fora de controle, deprimem. Entendeu? Sabe, essa parceria de blog nossa me cansou já. Melhor cada um cuidar do seu mundo. Você comigo é só críticas, não tem uma palavra de carinho e de amizade, nem em situações difíceis. Não sei se eu sou inferior a sua inteligência ou se você não gosta mesmo de mim por algum motivo. Acho melhor pararmos por aqui. Você deve saber que as palavras ferem mais do que um tapa na cara, e você anda me ferindo muito. Já me tachou de preconceituoso por não aceitar meu ponto de vista, pensamos diferente, ótimo vamos discutir sem apontar dedos. Mas fica difícil. Olha cara, de coração, nossa parceria acaba por aqui, pra você não fará falta mesmo e muito menos pra mim. E mais uma coisa, quando você reclamar de nunca conseguir ninguém, de ser sozinho, talvez seja a sua arrogância que repele as pessoas. Um abraço e fica com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ô Fernando, Fernando... então, eu fiz uma pergunta apenas... foi uma simples pergunta exatamente porque o título era CRONOLOGIA DE UMA DEPRESSÃO e eu, muito interessado no assunto, fiquei aguardando você falar de depressão e vc não tocou no assunto em momento algum. Eu, como não sou especialista no assunto, fiquei realmente sem entender absolutamente nada do seu problema. Obviamente vc interpretou como um ataque porque este assunto ainda é muito delicado para você e eu realmente peço desculpas, eu poderia ter sido mais "suave" na forma que perguntei a você, admito. Este é o problema da linguagem somente escrita, ela comumente perde inflexões que fazem com que o leitor entenda de outra forma o que quisemos dizer.
      Sobre eu parar de ler o seu blog, se assim vc deseja, não será problema, sobretudo porque enquanto eu te fiz uma pergunta inocente, vc me atacar no ponto que saberia que me magoaria mais. Esta é a diferença entre nós dois: eu posso não ter tido o cuidado para não te ofender, pequei pela negligência, vc teve a intenção declarada de me ferir.
      Adeus.

      Excluir
  9. Eu ainda continuo achando que é tudo uma questão estatística. Não vejo predestinação ou maldição, nada disso. Apenas um palpite, sem muita fundamentação, mas, você nunca notou se a sua conversa assusta as pessoas que porventura se aproximam de você? Eu já te falei várias vezes, como você é inteligente, pode ser que seu “discurso” afugente os possíveis bolos de cenoura... não seria por aí?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... esqueci de perguntar: aquela terapia "manual" deu certo? (kkkkkk)

      Excluir
    2. Ah, Cesinha, se o problema fosse esse eu juro que me faria de burro. Mas sabe porque não é isso? Pra alguém se sentir inferiorizado por causa da minha inteligência ele teria que me conhecer, as pessoas que me dão fora, que já tentaram me usar, mal sabiam meu nome, quanto mais sabia que eu era inteligente, elas nunca se deram ao trabalho de me conhecer.

      a terapia funcionou sim. obrigado pela dica.

      Excluir
  10. Olha as vezes penso assim como vc, minha vida amorosa foi amaldiçoada só pode eheheehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. num é? dá errado demais pra não ter um fundo mítico/místico/mágico.

      Excluir
  11. Também disse na msg que vc poderia vir pra Berlin. O marido já disse um milhão de vezes que vc faria o maior sucesso aqui ;)

    ResponderExcluir
  12. os deuses devem se divertir fazendo pirraça ou eles não existem... sei lá
    rs

    ResponderExcluir
  13. espero que este deus travesso fique cansado logo e deixe vc ser muito feliz e encontrar o homem da sua vida..

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway