Google+ Estórias Do Mundo: Especial BH: Mal Entendido

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Especial BH: Mal Entendido

, em Belo Horizonte - MG, Brasil
Existe um problema recorrente em todos os meus relacionamentos virtuais (pelo blog, Twitter, MSN, Facebook), e também com algumas pessoas que me conhecem fora do ambiente virtual, nos quais todos fazem uma pequena confusão com o que quero dizer e, tudo, sempre termina com uma acusação de baixa ou total ausência de autoestima ou, simplesmente, pessimismo. Como a palavra impossível sempre faz parte nos meus argumentos de análises futurológicas do que vai me acontecer. Ela é costumeiramente usada muitas vezes. Muitas pessoas entendem que eu não me julgo capaz de conseguir as coisas que desejo (autoestima) ou que simplesmente reúno energias negativas e pensamentos derrotistas que me impedem de tentar realizar o que quero (pessimismo). Ambas as opções estão extremamente enganadas. 
Eu me acusaria de racionalista. Não que isso também não seja um defeito. Eu só enxergo o mundo de forma extremamente racional, onde não cabem acaso, sorte ou fé. Deixem-me exemplificar: o caso clássico da frase "Ninguém se interessa por mim". Essa frase sempre que é dita causa a mesma reação nas pessoas. Elas me elogiam. Dizem minhas qualidades, que sou bonito, inteligente e interessante, como seu eu não soubesse, como se eu não estivesse ciente delas. Eu estou! Nenhum dos meus interlocutores virtuais é capaz de imaginar, no entanto, que o problema não está em mim. Não sou eu que nem chego a me envolver com as pessoas porque me sinto um lixo e não demonstro interesse porque não serei correspondido. Isso nunca me aconteceu! Esta assertiva que utilizo, "Ninguém se interessa por mim", tem sua orgiem na minha experiência amorosa na qual envolve, por volta de 700 homens com os quais me envolvi, destes homens 10 eu tive mais de dois encontros e com apenas 1 eu tive um namoro a distância. Esse é o processo de racionalização de que falo:  do universo de homens que me envolvi, apenas 1,42% se interessou em me encontrar por uma segunda vez, destes eu namorei 0,14% deles. Estes 0,14% são a prova que os homens não se interessam por mim e isso não tem nada a ver com o fato de eu me considerar capaz ou não de conquistar alguém, os fatos demonstram que não importa o meu esforço (e foi bastante, convenhamos, 700 pessoas não batem a sua porta simplesmente) somente 1 delas correspondeu. Isso prova que na grande maioria dos casos os homens não se interessam por mim.
Outro exemplo é relacionado ao trabalho. Aqui me chamam de pessimista porque considero muito difícil melhorar minhas condições financeiras (em pouco tempo). Considero-me hoje um fracassado e que é bem é quase impossível me recuperar agora. E o por quê disso? Porque me formei em História e, ao me formar, passei em décimo lugar em um concurso que pagava de salário R$ 1005,00 quando pedi demissão para poder fazer o doutorado (eles não me liberaram para o doutoramento) que somando com outras escolas que eu ensinava dava um salário líquido de R$ 1605,00. Voltei do doutorado, no entanto, e consegui um emprego com mídias sociais, porque nenhuma escola se interessou pelo meu currículo, que paga (líquido) R$ 750,00 e vale transporte. Esta situação representa uma redução na minha renda de cerca de 53,27% e alguém ainda diz que eu não tenho motivos para reclamar? Que eu deveria enxergar o meu copo meio cheio? Daqui de onde vejo esse emprego é, no máximo, 1/4 do copo cheio.
Também tem aqueles que dizem que sou inteligente e posso tentar um concurso. Posso, de fato! Mas primeiro tem que haver uma vaga, uma vaga em um concurso que a minha formação sirva de alguma coisa. Fazer um concurso para um cargo administrativo agora é o mesmo que jogar fora tudo o que eu estudei até hoje no meu mestrado e doutorado. Ainda não estou preparado para simplesmente rasgar meus diplomas, porque eu não os conquistei para uma simples satisfação pessoal. O título de doutor, por exemplo, não me faz sentir mais inteligente. Eu fiz o curso para ter retorno financeiro. E, de fato, como mostrei anteriormente, eu só tive prejuízos deste investimento e o prognóstico continua nada bom.
E isso não é pessimismo! É fato! Vivemos em um país que não valoriza a educação e, por causa disso, sabemos de antemão que concursos para professor serão raros. Desde que pedi demissão da Prefeitura do Natal, eu tentei cinco concursos, porque em quatro anos somente abriram cinco concursos que eu estava apto a tentar. Estar apto significa que são na área que tenho experiência porque não basta você passar nas provas neste tipo de concurso, seu currículo e sua experiência na área também valem muito. Eu me inscrevi nestes cinco, mas obviamente não passei, e me inscreverei nos próximos até um dia conseguir passar, porém as oportunidades serão raras por causa desta conjuntura que vos apresento.
A avaliação que faço da minha vida não é um eterno rosário de reclamações infundadas como faz parecer quando alguém usa os argumentos de baixa autoestima e pessimismo. São problemas reais avaliados racionalmente, se eu deveria acrescentar um pouco de acaso e fé nessa avaliação?, com certeza deveria. Se eu acreditasse, por exemplo, que o acaso pode romper o padrão de homens que conheço e me apresentar pessoas capazes de se interessar por mim, eu talvez sentisse mais paz. Se eu tivesse fé que o governo brasileiro vai resolver cuidar seriamente da educação e abrir concursos regulares, eu ficaria tranquilo, pois seria apenas uma questão de tempo. Mas o cérebro não deixa, me sinto um tolo ingênuo se repito qualquer uma dessas hipóteses (eu ia escrever fantasias para vocês verem como é grave a situação). É como se todos me dissessem que a + b é igual a c, e eu somo aqui e o resultado sempre sai x


PS: Sim, estou em Belo Horizonte. Vim para a minha defesa da tese do doutorado. Desejem-me sorte.

48 comentários:

  1. Boa sorte na sua defesa e uma boa estadia na nossa Belos Horizonte.
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia amigo. Cá vai um abraço e votos de que tenhas paciência. Nem sempre tudo nos corre bem na vida.
    Não sei dar-te conselhos mas sei quanto custam estas situações. Já passei por aí.

    Estabelece as tuas prioridades e segue o teu caminho pois quando procuramos a nossa felicidade sempre a reencontramos.
    Penso que muitos dias andamos cegos e não vemos a nossa felicidade nas coisas que nos acontecem. Coisas simples e boas que desprezamos querendo sempre coisas muito mais importantes (nosso olhar)

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. obrigado pelos comentários, de verdade, não estou sendo irônico, é bom ter todo o tipo de resposta no texto, me sinto realmente feliz que você se considere livre para fazer um comentário negativo. Espero que volte sempre e continue se sentindo a vontade do mesmo jeito.

      Excluir
  4. Oi Lê, então, não é comentário negativo, você é mesmo #mimimimimimi, eu até queria que não fosse pq somos admiradores do @brunoetilico, mas porra acaba com essa ladainha caralho, chega de aidemim!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpa, Ildeu, mas comentar simplesmente "#mimimi sempre mimimi" é um comentário negativo, não é uma critica apresentando seus argumentos como o Gato Van de Kamp fez abaixo. É apenas um comentário negativo. Vou mudar a expressão pq realmente "comentário negativo acaba tendo um significado que não é o que eu quero dar. chamemos de uma repreensão, ok? É como se vc batesse na mão de uma criança que vai enfiar o dedo na tomada, vc não explica que ela pode se machucar, vc apenas bate. Entendeu? Mas obrigado de qualquer forma por aparecer aqui.

      Excluir
  5. Mas eu não sei por que alguém ainda discute essas coisas com vc.. Vc é o maior ativista da sua própria "derrota".. O discurso é pronto, fechado, amarrado e todos que tentarem romper com esse padrão serão bravamente contra-argumentos... Vc é o maior discípulo da sua dor.. Acompanha ela, analisa, conjectura.. Não para o fim, é claro.. Mas para para sua manutenção.

    Eu no máximo aponto contradições, como o fato de vc não acreditar em acasos e ser um homem extremamente racional, mas fazer uma aposta, a cerca dos homens, sem apresentar nenhuma causa de fato racional...

    Se agarra nos resultados anteriores e ai levanta números, gráficos, probabilidades... Mas opa... O porque desse movimento se torna obra pura e simplesmente de que??? Do a caso....

    Não é que vc não acredite no a caso... Vc n acredita que ele pode beneficiar vc, mas tem muita fé que ele vai te fuder a vida inteira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com tudo, mas ainda estou meditando sobre a parte: "Vc é o maior discípulo da sua dor.. Acompanha ela, analisa, conjectura.. Não para o fim, é claro.. Mas para para sua manutenção.". Ainda não sei o que pensar deste trecho.

      Excluir
    2. Qdo digo isso, não quero dizer que vc tenha prazer nisso.. Quero dizer que vc entrou numa vibe "se n posso vence-la junto-me a ela"... Nesse caso, na impossibilidade de superar, vc tenta racionalizar e compreender para ter uma sensação de manter sob controle...

      Excluir
    3. Mas esse é um movimento que não visa mudar o status quo.. Mantém dentro daquilo que, no seu entendimento, é a melhor maneira possivel

      Excluir
    4. A análise do "Gato" tá perfeita! Eu não acrescentaria coisa alguma. E você deve ter percebido isso.

      Excluir
    5. Realmente, Cesinha, principalmente com essa explicação posterior do Gato eu concordo plenamente com tudo que ele disse.

      Excluir
    6. Só não entendi pk Cesinha botou esse gato entre parenteses... Será que ele tah querendo deixar bem claro que NÃO É UM ADJETIVO??????

      Excluir
    7. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  6. Queria estar aí com você :(

    Cole uma foto minha numa cadeira da primeira fila na sua defesa. Meu pensamento vai estar lá :)

    ResponderExcluir
  7. Oi, Foxx, passei aqui, li a postagem, mas não tenho o que mais acrescentar.
    Bjaum.

    ResponderExcluir
  8. Sobre sua relação com empregos, eu entendo. Não está só complicado para professores, mas pra qualquer área do ensino superior. Neste caso, o que conta positivamente é ter uma (grande) rede de relacionamentos. O "QI" manda, isso não precisa nem discutir... Ou, como você disse, os concursos.

    Agora no lado amoroso não entendo... 700 pra 10, pra 1? Se na grande maioria dos casos os homens não se interessam por você, deve existir um porquê. Já sabe, pretende saber ou não importa?

    Abraços!
    PS: Quando será a defesa? Estaremos na torcida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu não sei, Peter, não sei qual o motivo das pessoas não se interessarem por mim. o que mais me faz sofrer sobre esse assunto é eu simplesmente não saber o porquê. se eu soubesse o motivo seria muito mais fácil de lidar com a questão. sabe?

      a defesa é nesta segunda-feira (15), as 14h.

      Excluir
  9. Vc por acaso estudou para algum desses cinco concursos?
    Passar sem estudar é bem difícil, principalmente na sua área, em que existem poucas área de atuação.
    Agora, fazer HISTÓRIA achando que vai ganhar bem é um pouco de ilusão, convenhamos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade, ser professor e esperar ganhar bem é muito difícil mesmo. de fato. não é uma ilusão, não é impossível, mas é bem difícil.

      Excluir
  10. lindão, boa sorte.

    toda vez que eu "brigo" contigo, não é pq eu lhe ache pessimsita, mas é meu dever lhe botar pra cima e fazer acreditar que vai melhorar, mesmo que não vá. o mundo gira, as coisas mudam, e as vezes permanecemos no mesmo lugar.

    bjao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e obrigado pelo carinho, meu querido amigo.

      Excluir
  11. Um pedido de "boa sorte" já é otimismo Foxx..rsrr, mas de qualquer maneira, sei que você vai conseguir defender sua tese lindamente. Você é capaz!!!
    E... boa sorte...rsrrs
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Boa sorte!!!
    depois que estiver publicado manda p gente ler.

    ResponderExcluir
  13. Olha, vc está em BH. Eu moro aqui :)

    Entendi o que vc quis dizer com o post. Vc está lidando com dados objetivos e, na minha opinião, está correto.

    Boa sorte na defesa da tese. Ah, e faça concurso público sim. Se eu não tivesse feito, talvez seria uma prostituta (sem preconceitos, gente, to falando de profissão na boa). Mas passei e hoje estou muito bem, merci Dieu!

    ResponderExcluir
  14. De fato, a argumentação acerca do seu infortúnio é boa (acompanho seu blog há alguns anos, a tese é basicamente a mesma de antes, mas tem ficado mais sofisticada, com a integração de dados adicionais; quase um ensaio sobre a sua auto-miséria), mas ser racional e não contar com o acaso não acaba por ser...irracional? Considero-me muito racional, e justamente em razão disso aprendi que não dá pra desprezar a famosa "sorte" (ou "azar"). O acaso é um dado da realidade, e é pretensioso demais acreditar que ele não atue, seja a favor ou contra. Isso ninguém controla.

    No mais, reitero quem disse que fazer faculdade de história e esperar ganhar muito dinheiro é meio utópico no Brasil. Quando terminei a faculdade, queria muito partir direto pro mestrado, todavia, minha prioridade era o retorno financeiro e sair de casa, daí deixei de lado, para quando a maré já estiver tranquila. Pretender fazer mestrado e doutorado para ter retorno financeiro na área do ensino não me parece ter sido uma boa escolha, melhor se o tivesse sido apenas pela questão pessoal e do aprendizado mesmo. Enfim.

    No mais, boa sorte na defesa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu concordo plenamente, Anônimo, não contar com o acaso é completamente irracional, vc tem toda a razão, mas é uma coisa que não consigo evitar. me entende?
      bem, a unica forma, sendo professor, de ganhar dinheiro é ser professor universitário, e eu imaginei que um caminho pra chegar a isso seria o mestrado e doutorado, foi um erro, infelizmente.

      Excluir
  15. Rs, o "Anônimo" é ótimo! Sério! Adoro.
    Então, depois de tudo isso só podemos constatar que vc tem uma imensa falta de sorte em alguns aspectos. Boa sorte com o Doutorado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, isso mesmo, uma imensa falta de sorte.

      Excluir
  16. Carissimo, não temmuito o que dizer sobre os infortúnios que tem passado, tanto com as tentativas amorosas quanto com relação a realização profissional, vou torcer para que se saia bemno doutorado e em breve os caminhos se abram! abs

    ResponderExcluir
  17. Difícil opinar realmente, gostei das análises do Gato e do Anônimo, mas daria um "copiar/colar" no comentário do Homossexual e Pai, mesmo.

    ResponderExcluir
  18. Esse doutorado tá no papo! Mandando as melhores vibes daqui! E foooooooorça na peruca. Sempre!

    ResponderExcluir
  19. boa sorte na sua defesa de tese mais uma vez, não comento o post porque você já sabe o que penso...

    beijos

    ResponderExcluir
  20. Oi ... Já lhe disse que me identifico com seus textos. Encaro a vida de forma bem realista, sem fantasias, máscaras mas me recuso a não sonhar e vou fazer o possível para que eu dê certo. Você parece que desistiu. Não faz isso. Continua tentando.
    E tenho certeza que se saiu bem na defesa de sua tese.
    Abraços !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não parece, querido, eu desisti.

      Excluir
  21. não desdigo que contra fatos não há argumentos e como você mesmo disse, encara tudo como realidade fria e conclusão de a+b=c nem sempre é c mas pode ser x y z dependendo de quem faz a soma.

    mas, se há algo que sou forçado a dizer é que se a realidade existe, pode ser moldada, não a creio imutável e que estejamos simplesmente presos a mecanismos e engrenagens tão maiores que não nos é permitido lhes alterar os sentidos que devoram nossas vidas.

    entendo a frustração pois partilho dela e, no melhor estilo 'leap of faith', do mesmo barco e assim acho que posso dizer que se você não fizer nada em prol de si, pouco muda seja qual for a esfera que estejamos falando.

    clichê porém não menos verdade, a mão amiga nunca será outra que não a sua mesmo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e eu concordo. mas (eu sempre tenho um mas, né?) não tem um momento na vida que vc deveria simplesmente aceitar aquilo que tem e parar de tentar mudar a vida? é uma dúvida real.

      Excluir
    2. o momento que vc morrer né foxx, daí nada mais tem mudança. Até lá as coisas tão aí pra gente fazer acontecer.

      Excluir
    3. bem, Otávio, eu não acredito que tudo possa ser mudado. Eu acho que existem coisas que não adianta a gente tentar, sobretudo aquilo q não depende exclusivamente da gente, por ex.

      Excluir
    4. uma coisa é aceitar o que se tem e valorizar isso, outra é não ter mais desejos, sonhos ou metas, isso seria triste...

      Excluir
  22. Foxx e eu sou obrigado a dizer que não entendi ou entendi errado mais uma vez.

    Você diz ser racionalista mas esquece de pontos importantes. Você diz dos 700 homens e que este número de caras não batem a sua porta, mas peraí, isto não significa que vc se esforçou, pode até ter se esforçado, mas pode também ter transado com estes e não ter pegado o número do telefone, ou ter trocado o número e não ter ligado, ter tentando uma vez só e por aí vai, caindo muito este número de supostos pretendentes e de fazer um esforço real.

    Lembrei da história do garoto que te mandou um recadinho no guardanapo... pois é, ele pode ter feito um esforço na visão dele e vc disse que não foi e que vc não iria se esforçar, ir para a mesa dele.. tentar puxar assunto. É isso, nem sempre nosso esforço é visto assim. E conhecer 700 caras é fácil, agora querer ver mais é diferente e com certeza vc tem potêncial, se quiser, para ver pelo menos mais algumas vezes mais do que estes 10.

    Sobre o atual emprego e tudo mais continuo não entendendo... alguém com um mestrado pode fazer concursos para faculdades particulares no país todo, conseguir bolsas de estudo que ganham mais que isso para se dedicar ao estudo, fazer concurso em várias áreas somente por ter curso superior. Ok, não seria a área que estudou, mas o maior problema que percebi foi o financeiro, e este você resolveria, daí qndo tivesse um na sua área vc prestaria, passaria e pronto.

    As coisas não são tão simples mesmo, isto todo mundo sabe. Agora tem outra coisa, se vc é lembrado e reconhecido por seus colegas e contatos como um chato, pessimista e coisas ruins vai ser mais difícil mesmo. Tente perder esta imagem, tente ser mais maleavel, pode dar certo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, vamos por pontos que eu te explico tudo: dos 700 homens eu me esforcei de verdade em pelo menos 600 deles, os últimos já foram em BH e eu comecei a mudar a forma como eu penso, mas nos 600 eu corria atrás, convidava para sair, na época desses 600 eu teria ido a mesa do garoto que me mandou o guardanapo sem perder tempo. Eu só parei de fazer isso exatamente porque quando eu tentava de um tudo, as pessoas nunca se esforçavam nem o mínimo para ficar do meu lado, então eu desisti.

      sobre o emprego: sim, com mestrado vc pode fazer concursos para universidades particulares, mas ai tem 2 problemas: o 1º, eu tenho doutorado, não mestrado, e ao contrário do que vc pensa isso não melhora a minha situação, as universidades particulares não querem professores doutores, porque eles teriam que pagar mais e o MEC exige q eles tenham um número X de professores doutores, e ai vem o 2º problema: poucas universidades particulares tem curso de história, o único no qual eu posso trabalhar mesmo, e quando tem eles preferem contratar um professor doutor para um curso como direito, engenharia, odontologia, administração, etc, do que para história.
      Realmente eu posso fazer concursos, e os tenho feito a medida que surgem e que meu conhecimento me permite fazer as provas, não adianta, por exemplo, eu fazer um concurso para auditor fiscal da Receita já que não sei absolutamente nada de matemática financeira.

      E sim, é verdade, eu tenho evitado falar com todos os meus amigos sobre meus problemas para que eu não soe como um chato pessimista. Eu minto atualmente mais do que digo a verdade, infelizmente é como tem que ser.

      Excluir
  23. amigo, ando sumido dos blogs por questões pessoais, viagens e trabalho, mas vou me atualizar, pode deixar.

    então, quanto a seu texto, meu caro, acho que dizer que 'o problema não tá comigo' não resolve as coisas e soa mais como uma maneira de se livrar do problema. a gente tem essa mania de achar que o problema sempre está no outro, mas é preciso se questionar sobre as coisas, sobre porque então o outro age de determinada maneira.

    em relação a reclamações, a coisa não tá boa pra todo mundo, mas a gente pode tentar dar um jeito ou reclamar. quem reclama muito passa uma ideia de ser chato, já que, como diz o ditado, 'quem quer, arruma um jeito. quem não quer, arruma uma desculpa'.

    assim, bola pra frente, siga seus sonhos e tenha foco e disciplina. a gente vai estar aqui te apoiando e ajudando no que for preciso.

    abraços!

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway