Google+ Estórias Do Mundo: Orgulhem-se, Meus Amigos!

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Orgulhem-se, Meus Amigos!

, em Natal - RN, Brasil
Muito se critica das paradas gays do mundo todo, estamos até cansados de ouvir que se tornaram um carnaval promíscuo, onde alguém de boa família não pode estar. Mas estes críticos esquecem o que elas representam. Nem vou entrar na história da parada, que ela remete ao levante ocorrido em 28 de junho de 1969 no bar gay Stonewall Inn, em que os gays de Nova Iorque marcharam contra a polícia e exigiram ali o fim da criminalização de sua condição sexual. Sim, até 1969 era crime punido com prisão nos Estados Unidos da América realizar algum ato "contra a natureza", isto é, ser gay. Segundo o The New York Times, 30 pessoas foram presas no primeiro dia do conflito, contudo o levante continuou e apesar de ter começado apenas com 200 pessoas somente em 3 de julho (durante 6 dias) ele foi dissipado, e é em homenagem a estes heróis que o Dia do Orgulho Gay foi instituído. Porém a parada não é um momento de luto, ela também não é uma oportunidade para um novo levante (apesar que eu, pessoalmente, acho que muitos dos nossos problemas se resolveriam se quebrássemos a Paulista toda!), mas a Parada, tanto aqui, quanto em Telavive, quanto em São Francisco, quanto em Sidney é uma festa para comemorar o orgulho. O orgulho de ser gay.
Porém eu já ouvi, inclusive, alguém dizer que ninguém deve ter orgulho de aquilo com o qual se nasce, só devemos ter orgulho daquilo que conquistamos. Lembro de outra argumentação que falaciosamente afirma que ser gay diz respeito apenas a intimidade sexual de uma pessoa, como se não interferisse em nada nas relações sociais (trabalho, escola, etc) do indivíduo e que por isso não nos cabe em momento algum fazer disto bandeira. Estes argumentos são simples elipses que omitem todo o meio homofóbico no qual nascemos, o que faz todo menino gay, toda menina lésbica, todo/a menino/a transexual sentir-se, em algum momento de sua vida, inferior ao outro dito normal. Se nós só podemos ter orgulho daquilo que conquistamos, eu quero que todos lembrem que nós somos educados todos os dias de nossa infância a considerar ser gay/lésbica pecado, imoral e doença, construir um sentimento de orgulho de nós mesmos sobre esta imagem depreciativa que nos é imposta, que nos denigre como seres humanos é, sim, uma conquista. 
Neste caso, o simples fato de levantar-se todo dia de manhã da sua cama com orgulho, sem nenhuma tristeza, desânimo ou pensamento do tipo: "eu seria mais feliz se fosse hétero", será sempre o levantar de uma imensa bandeira do arco-íris, um posicionamento político claro de que você não é, não faz parte e não apóia uma sociedade que repete que você deve envergonhar-se de ser quem é. O dia do Orgulho então, e a parada que acontece em sua homenagem, é um dia para comemorar. Para comemorar que cada um de nós venceu a imagem negativa que o mundo heteronormativo quis impôr sobre nós, que cada um de nós sobreviveu aos inúmeros obstáculos que foram colocados em nosso caminho. Somos cada um de nós que chegou até aqui vencedores, e isso é um motivo de orgulho.

43 comentários:

  1. (Vou comentar por gostei do texto e para ñ ser chamado de enrolão no twitter. hehehe)

    Gostei do texto e concordo com vc, devemos nos orgulhar de quem somos! Acredito que se aceitar e se orgulhar de ser como é; É o primeiro passo para os outros nos respeitar também.
    (minha opinião pessoal)

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto, cara... Como sempre, desde que comecei a ler seu blog, você escreve de forma organizada todos os argumentos que muitos de nós temos e não conseguimos sistematizar... Gostei muito do texto, disse tudo...
    Essa questão do nascer GAY, pra mim, é algo realmente falacioso... Ninguém nasce gay, nasce-se homossexual. Escolher se identificar com um movimento de pessoas que se recusam a pesar na sua sexualidade como algo errado, isso sim é ser gay. E isso é uma escolha, e é das conquistas originadas deste posicionamento é que devemos sim ter orgulho, e devemos sim mostrar nosso orgulho ao resto do mundo!

    Um beijo, Rénard... Até

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. parabéns, Júlio, seu comentário ficou muito melhor que o meu texto, isso sim.

      Excluir
  3. Lindo texto e gostei do comentário do Júlio.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pra todos nós então! Adorei texto e comments - até aqui! Querido... quem ganhou o concurso não sei... que me mandei antes da "coroação"... hehehe... em quem votei? No mais bem-dotado, claro. #soudesses! Bjs!

    ResponderExcluir
  5. A dificuldade é sempre no começo. Pastamos e comemos o pão que o diabo amassou, mas quando assumimos e nos aceitamos é a melhor sensação do mundo. È fazer parte de algo e ser honesto consigo mesmo. E eu sou e tenho orgulho de ser quem sou. O texto é lindo, gato. Dissestes muito bem!

    bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é exatamente isso que eu acho, Wans.

      Excluir
  6. Aplausos ao Foxx e ao Júlio! [2]
    Adorei o texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Bacana o texto... de verdade! E além do orgulho eu acrescentaria: sentir-se bem sendo normativo. Afinal, só é normal quem produz suas normas, de acordo com todas as suas circunstâncias.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, verdade, e para criar suas próprias normas é preciso ter orgulho do próprio jeito de viver né?

      Excluir
  8. MARAVILHOSO texto mesmo!!
    Sinto muito orgulho de quem eu sou e da liberdade qe conquistei depois da minha própria aceitação!
    Abraçooo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu tb, Vander, minha vida mudou radicalmente quando me aceitei e passei a orgulhar-se de mim.

      Excluir
  9. Sei que vou ser duramente criticado e talvez não seja a pessoa certa para defender a ideia deste texto. Mas eu concordo em partes com o que foi escrito e respeito o ponto de vista de todos, inclusive do autor.

    Mas essa questão argumentada da parada gay é completamente ilusória e fetichista! Quem já foi à uma, sabe muito bem que é sim um carnaval fora de época disfarçado por um tema social que não é de longe, o foco do evento. Não sou contra a manifestação e respeito quem gosta. Só acho um circo mal organizado e nunca faria parte.

    Ter orgulho em ser homossexual PRA MIM, é tão inútil quanto se orgulhar em hétero, preto, ruivo, branco, albino, lilás, verde ou fluorescente. Alguém aqui se orgulha de ter cabelos lisos ou cacheados? Pra mim é uma comparação razoável e idêntica, visto que se todos nós argumentamos que nascemos gays, por que então nutrir orgulho da nossa natureza se não seremos diferentes disso?

    Acho que devemos dar menos importância à opinião alheia, extinguir essa ideia de supervalorização da nossa condição sexual, e tirar do primeiro plano o sexo que fazemos e com quem fazemos. Somos tão normais quanto os héteros, porque somos "gente". E enquanto nos acharmos diferentes disso, seremos as "aberrações" que vocês tanto se orgulham e manifestam como "jeito de ser".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, Marcelo, começo agradecendo por sua participação, de verdade! E quero dizer que também respeito sua opinião, completamente, mas preciso fazer uma correção em relação a parada:

      a) O tema social que vc fala da parada gay NÃO EXISTE. concordo com vc que é um carnaval fora de época. MAS ESSE É O OBJETIVO DA PARADA. é uma festa! serve apenas para comemorar! serve para as pessoas beijarem, desfilarem, dançarem, serem felizes. É um circo sim, e é pra ser um circo, se vc não quer participar da festa, é uma opção sua, PORÉM é pra ser uma festa, ESTE É O ÚNICO OBJETIVO DA PARADA GAY.


      sobre seus outros comentários: bem, eu tenho orgulho do meu cabelo liso sim, acho lindo! conheço pessoas que tem seus olhos azuis e acham lindo! isso é ter orgulho! porém a comparação melhor é que muitos negros não se acham bonitos e não tem orgulho nenhum do seu tom de pele e do seu cabelo, eles nasceram assim e não podem ter uma boa relação de auto-estima e amor próprio pq não possuem orgulho de quem são, e pq eles não tem orgulho de si? pq são educados por uma sociedade que prega um padrao de beleza branco, é o mesmo caso com os gays, eles precisam desenvolver orgulho de quem são para não sucumbir na falta de amor próprio e da baixa auto-estima.

      concordo quando vc diz que devemos retirar o sexo do primeiro plano e que somos tão normais quanto héteros, mas me preocupo quando você fala em "aberrações", fico com medo de que pessoas vc está considerando aberrações, me corrija se eu estiver errado, mas a aberração é a drag queen ou o menino efeminado que se afasta do modelo de homem heterossexual?

      Excluir
    2. Quando escrevi aberrações, me referi à ótica do homofóbico e o modo como tratamos nossa diferença ao contradizer nosso real objetivo: que é buscar a IGUALDADE e o respeito. Ou seja, estamos fortalecendo a opinião do preconceituoso, trantando o "ser gay" como uma exceção, uma aberração fora de qualquer natureza, quando na verdade somos normais.

      Não quis discriminar as mais variadas pessoas gays.

      Excluir
    3. Que bom q vc esclareceu, Marcelo, eu realmente havia ficado com duvida. Mas tem um problema na sua argumentação que é o que significa normal. Normal é alguém que segue a norma, e que norma é essa? em nosso mundo é ser heterossexual, então, por definição nós não somos normais MESMO. Porém, acredito, e esta é a minha opinião, não acho que devemos dizer aos heterossexuais que somos normais como eles, eu prefiro desconstruir a ideia de normal e mostrar o quanto somos diferentes e o quanto os próprios heterossexuais também são diferentes entre si, em resumo, que não existe ninguém normal e que todos somos diferentes, buscamos tratamento igual, mas não igualdade, porque nenhum ser humano é igual ao outro; e também respeito, mas precisamos ser respeitados é exatamente nas nossas diferenças.

      Excluir
    4. Permita um ligeiro pitaco: ser normal é ter a capacidade de produzir normas, só isso. Outros conceitos (quantitativos por excelência) estatísticos não passam disso... são estatísticas, nada mais.

      Excluir
    5. produzir ou reproduzir normas, Cesinha?

      Excluir
  10. Olha, olha, olha!!!
    to orgulhoso! :D

    ResponderExcluir
  11. Ainda assim há muito caminho a percorrer. O preconceito continua muito presente...infelizmente.

    ResponderExcluir
  12. Sempre achei que era por aí...

    ResponderExcluir
  13. Gostei da reflexão. Não sei se orgulho seria a palavra mais adequada, mas não vem ao caso.
    O que importa destacar é que ter, vá lá, orgulho do que se é signfica ter autoestima elevada, aceitar-se como é.
    E ninguém será capaz de se autorealizar-se sem, antes de mais nada, aceitar-se como é, e valorizar o que se é.
    Não se aceitar pode significar não viver, simplesmente.

    ResponderExcluir
  14. Só tenho que dizer que quando vc quer, vc escreve muito bem, menino.

    Texto perfeito.

    ResponderExcluir
  15. Orgulho daquilo que vem junto com a gente é das coisas mais naturais que têm. A diferença é que uns precisam mesmo dele, precisam acreditar nele, não viveriam bem sem acreditar nisso, enquanto outros, não, tanto faz, têm coisas mais importantes para se preocupar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. coisas mais importantes ou coisas diferentes para se preocupar, Guy?

      Excluir
  16. Foxx:

    Chegou a dar um nó no peito. Lindooooo texto.
    Lindo fim de semana querido. Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Foxx..meus parabéns. Nunca li um texto seu tão claro, conciso e certo. Sim, ser gay na nossa sociedade é "complicado" e sim... vocês devem sim, ter orgulho pela conquista de viver dia a dia, e bem, apesar da heteronormatividade imposta.
    Beijos querido

    ResponderExcluir
  18. muito bom seu texto, gostei da argumentação e de como conduziu as ideias. realmente é uma luta conquistada dia a dia, coisa pra se orgulhar mesmo.

    ResponderExcluir
  19. isso aí, acho que não tem essa de orgulho gay, orgulho hetero... uai, temos que ter orgulho de vencer dia a dia, e não falo de grandes vitórias, falo de simplesmente viver mesmo. orgulho isso, orgulho aquilo reforça diferenças, não é legal. somos todos iguais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rs.. eu tinha lido o texto rapidamente no celular, agora que reli com calma entendi que vc fala de aceitação. nesse sentido, sim, é motivo de orgulho! :) bjs

      Excluir
    2. agora vc me entendeu. hehe =)

      Excluir
  20. Texto lindo. Acho legal pensar em orgulho como contraponto de vergonha. Houve um tempo em que eu tinha vergonha de me enxergar gay. Mas esse tempo passou e hoje eu sou mais eu. O orgulho gay existe porque a vergonha-hétero não existe. (ou existe? oO)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é, Cris, eu sempre pensei o orgulho gay como o antônimo da vergonha e falta de aceitação, qndo vc se aceita, quando vc passa a gostar de quem é, automaticamente vc desenvolve este orgulho que eu falo aqui e que a parada comemora.

      Excluir
  21. Belo texto meu caro... E concordo quando diz que devemos sim orgulhar do que somos... pois é a partir do que somos que passaremos a conquistar as outras parte... O orgulho é sim muito importante... e envergonhar-se do que se é, é o mesmo que se apagar a sua história!

    ResponderExcluir
  22. Muito bom o texto.
    Claro que tenho orgulho de ser homossexual; é muito melhor ter orgulho do que ter medo de assumir essa condição.

    ResponderExcluir
  23. Oi ... Muito bom o texto. E o que o Flávio escreveu também. Agora ... O que é normal? E para quem? Abraços !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade, a questão é sempre do que é normal e pra quem é normal...

      Excluir
  24. Valeu, Foxxito! Que bom que curtiu a "entrevista"!! Boa semana pra tu!

    ResponderExcluir
  25. Oi Foxx, tudo bem?
    Menino, o texto ficou ótimo. Eu acredito que a parada ao menos aqui no Brasil, deixou de ser aquela coisa de lutar totalmente pelos direitos, ela se tornou algo muito comercial.
    Que bom q gostou dos poemas menino.
    Um bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olha, Dil, eu tentei mas não consegui arranjar um jeito que não parecesse arrogante pra dizer isso. desculpe-me de antemão. mas não é minha opinião de que a parada não serve para lutar por direitos, não é uma opinião pessoal. essa é a real função de uma parada com carros tocando musica alta e gente dançando, é uma comemoração, nunca foi o objetivo dela, nem aqui, nem em Telavive, nem em São Francisco transformar este momento em luta para direitos. a luta se faz é no dia a dia, não em um único momento marcado no calendário das cidades. não é assim que se luta por direitos.

      Excluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway