Google+ Estórias Do Mundo: PASSADO: No vácuo

quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

PASSADO: No vácuo

Este texto é antigo, foi escrito em 2005. Num outro blog que não tinha metade do público que este aqui tem. Na verdade, quero até esquecer daquele Oráculum, agora apenas as Estórias do Mundo que existem. Mas, continuando, este texto falava de medos diferentes, agora tenho outros medos, mas ele serve, ainda serve. A foto abaixo, como podem ver, tem o dedo do Trintinha, ele fez em minha homenagem. E aí, pela primeira vez, vocês vêem meu rosto.
Meu coração está em suspenso. Ele parou no nada. Parou de bater e de apanhar. Está esperando alguma tragédia negra. Ele tem certeza que o mal se avizinha. Que está espreitando na proxima esquina, e vai saltar sobre mim.
Estou sentindo isso atualmente. O Medo tem sido um companheiro constante. Por incrível que parece, ele tem sido a mão que estende a toalha quando lavo meu rosto pela manhã. É aí, que todos os dias, minhas sublimações caem diante de meus olhos, e os monstros novamente cercam-me, mas meus olhos rapidamente apagam.
Fobos tem sido o arauto de minha realidade. E Lethe, a proteção de minha alma. Monstros prtedendem devorar-me todos os dias, mas Lethe tem erguido seu escudo e me mimado em seu colo. Mas o que fazer? Segurar a mão de Fobos e enfrentar meus monstros?
Pobre Fobos. Se eu fizer isso, ele será o primeiro sacrificado no altar das aberrações. Agarrar-me ao meu medo o sufocará. Mas meu medo na verdade não é dos monstros que me cercam. É de não conseguir vencê-los. Sei que eles não me devorarão, todavia o medo de falhar é grandemente superior.
Então, por enquanto, meu coração continua no vácuo. Continua sem fazer nada conversando com meu medo. Está tudo paralisado na minha vida e isso não é nada bom para o Feng Shui.

10 comentários:

  1. Gostei do seu texto...

    muito massa, queria saber mais sobre essas coisas do passados
    hauahuaahuhuahauhauaahu

    sim respondendo seu comentário...

    as pessoas vão pensar que você é um otimo amigo e me tirou a minha secura...qual problema ?

    você me dar um cigarro ?

    hauhuahauahuahauahuahau

    ResponderExcluir
  2. que bom que gostou da foto, cherry! Beijão, viu?

    ResponderExcluir
  3. Eu me sinto assim, perdido em medos de não vencer os medos.

    Esses dias escutei uma música antiga do Kid Abelha, educação sentimental II, que ela canta: "Eu sei a hora do mundo inteiro
    Mas não sei quando parar. É tanto medo de sofrimento. Que eu sofro só de pensar"

    É mais ou menos por aí.

    ResponderExcluir
  4. Faaaaaaaaaala mulek, texto mtooo maneiro cara. Mas ae, ainda estou pensando se vou aceitar o desafio, hehe, estou quase casado, hehe.
    Mas ae, é claro que não vou perder nenhuma foto de vcs dois, hehe.

    bçao e se cuida...

    ResponderExcluir
  5. ROLÁ Lenin!
    Eu já tinah visto sua cara antes! Que luxo heiM! aiuhaiuahiuhaih

    Otemo texto, expressa bem o medo.
    Enfim, sem muito oq escrever hj.
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho meu blog acho que desde meus 15 anos, ele já foi hospedado em outros sites, mas Virgem é a minha cara hehe
    Ninguém entende nossos medos, né?

    ResponderExcluir
  7. E ai Foxx show de bola a foto e massa o texto osculos e amplexos hehehehehehe abração kra e se cuida

    ResponderExcluir
  8. E aí, estamos há dois dias sem nos comunicar, o que é MUUUUUUUUITA COISA! Rs...
    Olha no meu blog quem comentou! Aff, rs.

    ResponderExcluir
  9. Nossa, o texto é lindo. O pior mesmo é o medo do medo, ele é o monstro que nos devora.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Olá Foxx.
    Obrigado por ter comentado no meu blog e não posso esquecer que sou viciado em Espartanos, hein?
    Pois é, embora seja de 2005, às vezes não dá impressão de que posts antigos se tornam atuais novamente? A vida é cheia de vitórias e derrotas, mas é com muita luta que a gente supera os medos, e se prepara para vencer a batalha, e é com muito amor a nós mesmos que sobrevivemos a corações partidos.
    Forte abraço.
    Vilser.

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway