Google+ Estórias Do Mundo: Moçoró

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Moçoró

, em Mossoró - RN, Brasil



Mossoró, com dois S, não com Ç, é a única exceção entre as palavras de origem indígena que não usam o ç, caiçara, paçoca, Paraguaçu, maniçoba, caçula, Iguaçu, Pajuçara, também é o nome da capital do Sertão, pelo menos é como eles dizem, a segunda maior cidade potiguar, no meio da caatinga, sobre o sol mais quente que você pode experimentar na vida. Quando, por decreto de lei, coisas do Brasil, a grafia das palavras indígenas foi modificada definindo que não se usaria o SS e sim o Ç, um abaixo-assinado impediu que a cidade tivesse seu nome mudado. Eu já havia visitado Mossoró uma vez, a trabalho, fui fazer uma palestra lá sobre a presença portuguesa no território norte-riograndense, lembro que um menino me perguntou sobre a origem das piadas sobre portugueses durante a palestra, mas agora resolvi ir desanuviar a cabeça.
Eu fui demitido. Na verdade, a empresa fechou, e todos foram demitidos. Também levei o chute na bunda homérico do Menino Bonito que, realmente, me deixou abalado. Eu precisava sair de Natal um pouco, ver outras coisas, andar em novo ambiente e respirar novos ares. Um amigo então, numa conversa no Facebook, me convidou para passar o fim de semana por lá. Ofereceu-me sua casa e seu colo. Aceitei e num sábado de manhã, as 6h, eu estava em um ônibus no Terminal Rodoviário Lavoisier Maia em direção a capital sertaneja. São 4 horas de viagem e eu desci no centro da cidade, numa praça de árvores jovens com poucas pessoas, afinal era sábado, sob um sol escaldante. A temperatura, segundo os termômetros, não passava de 32º, porém o sol na sua pele queimava como 55º, e a ausência de vento, em lugares fechados ou mesmo na rua, com certeza nos fazia acreditar que já passava dos 40º.
Fiquei hospedado no conjugado que meu amigo mora ali no centro. Um quarto/sala com um banheiro dividindo os dois espaços. Ele explicou que no vizinho havia uma família com três crianças. E pediu desculpas pelo prédio sujo xingando o dono todas as vezes que saímos pelo corredor a fora. Eu não liguei em segundo algum. Diferente do atendimento em todos os lugares que saímos na cidade, almoçamos em uma churrascaria que o garçom se recusou a limpar a mesa que decidimos sentar, nós precisamos insistir; no jantar, num restaurante baiano, o garçom insistia em arrumar as cadeiras enquanto havia pessoas sentadas nas mesas; no bar que fomos a noite de nome pretensiosamente francês a conta veio errada, cobrando, obviamente, a mais do que consumimos; no café da manhã, em uma lanchonete, eu terminei todo meu prato antes do suco de abacaxi que eu pedi chegar, elas haviam simplesmente esquecido; no clube de águas termais (Mossoró é famosa pelas suas fontes de água quente no meio do semi-árido brasileiro) que fomos no domingo para conseguir uma cerveja era necessário levantar-se e buscar no bar porque nenhum garçom via que estávamos chamando; no jantar, a noite, a conta demorou, simplesmente, 25 minutos para chegar. Porém, notamos, a questão é sem dúvida o treinamento destas pessoas. Sugiro que o SENAC monte seus cursos por lá, porque, obviamente, os mossoroenses precisam urgentemente descobrir que é preciso mais do que ficar parado para ser garçom.
Contudo, eu me diverti bastante. É interessante notar que, por exemplo, eu não vi ninguém fumando em nenhuma balada que frequentei na cidade, pelo menos não com menos de 40 anos. Também foi surpreendente ver uma escola de artes bancada pela prefeitura na cidade, teatro de rua rolando no sábado à noite no Memorial da Resistência e apresentações de corais acontecendo na rua com pessoas sentadas pela calçada para assistir. Soube que um evento de anime ainda estava ocorrendo simultaneamente em outro lugar da cidade, Na Estação da Cultura, mesmo com a Caminhada para Jesus acontecendo ali ao lado. Um ambiente de arte e cultura envolvia todos. Quase me deu vontade de morar por ali. Quase.
Também era divertido ver o quanto eu chamava atenção. Os mossoroenses, os sertanejos potiguares, tal como os seridoenses, de outra região do Estado, tem um padrão físico muito particular. Os sertanejos potiguares têm corpos atarracados, largos nos ombros e baixos, de cabeça achatada e larga, morenos e olhos negros e curiosos; os seridoenses, a região do Seridó fica mais ao sul, têm ombros menos largos, são mais altos, de olhos claros e cabelos de loiros a castanho-claro, são galegos ou holandeses em sua maioria, contudo sua cabeça é grande e redonda, um tanto quanto desproporcional normalmente. Estas são as características dos índios que moravam naquelas regiões, os Moçoró e os Caicó, respectivamente. Eu não tenho nenhuma dessas características, apesar dos ombros largos e do tórax um tanto quanto massudo, eu sou bem mais alto, meus traços de índio potiguara ficam nos olhos, nos cabelos e na pele que facilmente fica bronzeada, mas meu corpo é de luso-holandês, daqueles do Mar do Norte que nascem loiros e ganham seus cabelos castanhos quando amadurecem. Em resumo, eu chamava atenção, e ou era por isso ou porque eu era o único na cidade usando barba.
Meu amigo ria dos olhares que eu ganhava. Os amigos dele também. Falavam que eu estava fazendo muito sucesso. Uma amiga comentou no domingo quando voltou da piscina à mesa que estávamos. "Nossa! Como você faz sucesso!", e riu, eu perguntei porque ela falava aquilo. "Quando você saiu da piscina pelo menos dois caras te acompanharam com os olhos de uma ponta a outra". Eu corei e olhei para a piscina. "Só falta algum deles vir conversar comigo agora, não é?". Ela sorriu, meu amigo comentou: "Eu acho que eles pensam que nós dois temos algo...". E gargalhou. "Pelo menos é o que aquele de óculos branco ali, naquela mesa, deve estar pensando, porque ele não tira os olhos de você, mas não faz nada...". E todos riram, eu também. E ele piscou o olho e lembramos da noite que tivemos na cama dele, em que nossas peles se tocaram pela primeira vez. "Você é meu homem!", ele me disse num gemido.

18 comentários:

  1. Parece que o balanço final da viagem foi positivo. Qto ao trabalho, boa sorte na busca de outro. Espero que vc encontre logo.
    Abraços lindo.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, nem amigos escapam de você Foxx, você tem que levar todo homem que passa por você, pra cama né? Me deu até receio de aceitar seu convite pra visitar você aí em Natal, principalmente se eu ficasse na sua casa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que coisa horrível de se falar, mas tenho três coisas para te dizer: primeiro, eu só fico com amigos, somente com pessoas que eu gosto e que gostam de mim; eu evito ficar com pessoas desconhecidas porque eu não costumo dar em cima de ninguém. Segundo, se vc fez um comentário deste tipo e não teve coragem de assinar seu nome, meu caro, vc não está convidado a minha casa, minhas portas não estão abertas para alguém que não tem a coragem de assumir a própria opinião. E, por fim, lembre-se: ele também quis, eu não o ataquei, ele desejou também. Se vc não ia querer nada comigo, não precisa se preoupar não é?
      PS: eu encontrei pessoas como o Leco, o Bratz e Elian, Railer, hospedei Rafael Morello em minha casa, e vários outros blogayroz que eu nunca dei em cima porque eu sei respeitar um amigo, mas ser amigo não quer dizer também ser intocável, se vc acha isso, respeito sua posição, mas vamos aprender também a respeitar que nem todo mundo pensa como você

      Excluir
  3. Das garras do Foxx é compRicado de escapar, NZÉ? Hahahaha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendi, Fred, o que isso quer dizer?

      Excluir
    2. Quer dizer que os homens que contam "estórias do mundo" são atraentes, envolventes e tornam - com sua boa lábia - as presas fáceis de serem abatidas... hehehe!

      Excluir
    3. kkkkkkkkkkk
      Fred, vc é uma figura!
      kkkkkk

      Excluir
  4. Que belo passeio, apesar dos garçons na cidade, pelos vistos todo o resto compensa isso :)

    Abraço :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, João, os garçons são péssimos... mas no mais foi tudo tranquilo e foi ótimo para se distrair

      Excluir
  5. Respostas
    1. Foi ótimo durante toda a viagem...

      Excluir
  6. O Brasil em geral é muito ruim de serviços. Algumas capitais são a exceção, mas se comparados à média norte-americana, estamos muito atrás. Aqui em SP, recentemente um dos mais conceituados shopping-centers contratou uma empresa de coaching para treinar todo staff - absolutamente todo mundo que llá trabalhava. Mas raros são os empresários que investem nisso...
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né? Um gerente ou o dono não vê? Ou os donos tb acham que o cliente deve ser mal atendido? Ou, me pergunto, o que eles estão ensinando nesses cursos de garçom que tem por aí? Ou não precisa fazer curso pra ser contratado? São tantas dúvidas...

      Excluir
  7. tenho muitas boas lembranças de Mossoró, inclusive, o melhor sanduíche que comi na vida, foi lá (e olha que sou viajado). Adorei a leitura de corpos que você fez e fiquei na curiosidade de saber a origem do meu. hehehe

    ô amigo, fiquei triste ao saber do emprego, ainda mais pq sei que final de ano é foda pra conseguir algo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é triste, amigo, bem ruim ficar desempregado agora. Mas kd que o senhor vem me visitar hein?

      Excluir
  8. Se eu tivesse jogado na loteria eu teria acertado. Ou será que você que é bastante previsível? Pelo menos você teve seu príncipe Guilherme, não é mesmo?

    Sorte ao casal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelos votos, meu querido, é sempre um prazer receber boas energias de gente tão boa como vc. =)

      Excluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway