Google+ Estórias Do Mundo: Long Story Short

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Long Story Short

, em Natal - RN, Brasil


Ele havia me encontrado na porta do condomínio do seu tio com aquele ar de príncipe austríaco que só se reforçou quando ele sorriu com aqueles dentes de esmalte reluzente. "Pois é, meu tio viajou e eu nem sabia", disse. Ele havia me ligado há pouco, eu estava no ensaio do meu coral, e contou-me que uma oportunidade havia surgido, o tio, com quem ele morava, havia viajado e, se eu quisesse, ele poderia ser o puto que havia me prometido através do Whatsapp. Deixem-me descrevê-lo: loiros, de olhos cor-de-mel e cabelo cortado a la Bieber. Dezoito anos apenas, gastos entre a faculdade de ecologia e o tempo gasto na academia. O corpo, imberbe, tem os músculos cultivados e uma bunda que poderia estrelar filmes pornôs tchecos. Na verdade, todo o corpo, o cabelo, o sorriso, me cheiravam a um filme adulto da Belami, talvez somente eu destoasse daquilo tudo com minha barba com fios brancos e a barriga, quer dizer, eu e as sandálias havaianas dele.
Eu entrei e ele me ofereceu água. Foi com a boca gelada que nosso primeiro beijo aconteceu, enquanto eu apertava-lhe a bunda através do tecido fino de seu calção. "Vamos até o quarto do meu tio?", tomei um susto, "Vem!", e puxou-me pela mão até uma cama grande ladeada por uma tv ligada na novela da Globo. Conversamos pouco, ele logo estava sentado no meu colo, rebolando, e sugando minha língua. Eu tirei-lhe a camisa e lambi aquele peitoral definido. Ele gemeu, puxando minha camisa até arrancá-la e cravar os dedos nos pêlos do meu peito. "Macho!", gritou com sua voz um tanto efeminada, um tanto de menino. Eu arranhei-lhe as costas e apertei-lhe a bunda com força. "Deixa eu chupar essa bunda linda?", falei entre beijos e ele pulou. De pé, de costas, tirou os únicos tecidos que ainda cobriam-lhe o corpo. Era uma visão linda, de fato, os músculos perfeitos no auge de sua juventude, ele com certeza nunca mais seria tão bonito quanto diante daquela luz oriunda da tv do quarto do seu tio. Foi ele que se deitou, então, de bruços, e pediu: "Vem!".
Eu aproveitei o momento. Sorvi cada segundo daquela imagem perfeita enquanto eu me aproximava. A bunda empinada sendo oferecida, a penugem dourada que cobria a pele dele, a sensação suave e quente de sua excitação. Também o fiz sofrer um pouco, but in a good way. Comecei mordiscando-lhe o lóbulo e passando minha barba em sua nuca. Ele gemeu e senti-lhe se arrepiar. Minha língua então deslizou pelas suas costas até encontrar-lhe as nádegas, foi quando com as duas mãos, apertando-lhe aqueles músculos rijos, as abri e exercitei as técnicas que os gregos desenvolveram tão bem. Ele rebolava na minha cara, em resposta, se agarrando ao lençol da cama, até explodir: "Me fode, macho tesudo do caralho!". Eu saquei a camisinha imediatamente e, sem pressa, o preenchi. Ele se empinava, forçando a bunda para trás, mas seu rosto se retorcia em dor e eu esperei ele se acostumar com a dor de me ter dentro daquele cu apertado, mas assim que ele relaxou e novamente sorriu eu soquei com força e rápido, como ele avisara que gostava. Ele gritava: "Me fode, meu macho! Me fode!". O uso do possessivo somente me acendeu mais ainda e eu respondi a altura. Com força e incessantemente, mas também com carinho, deitado sobre aquele corpo adolescente perfeito, beijei-o com sofreguidão. Ele gemia alto.
Quando decidi mudar de posição, ele me olhou decepcionado quando retirei o pau de dentro de suas carnes, mas sorriu novamente quando perguntei se poderia chupá-lo. Ele tinha um pênis grande e grosso, que estava extremamente duro. Eu o engoli todo, com dificuldade, mas fui recompensado com gemidos e xingamentos que ele não conseguia conter, porém foi quando alcancei sua próstata com um dedo, enquanto o chupava, que ele revirava-se na cama. Ele sussurrava agora palavras desconexas, até que respirou fundo e pediu: "Por favor, me fode!". Eu me levantei agora entre suas pernas e enfiei tudo vendo-o sorrir para mim. "Me come, meu dono, vai, Foxx, você é dono da porra do meu rabo. Fode ele com esse caralho!". Eu soquei com força, como ele pedia e não demorou muito para ele, masturbando-se, anunciar que ia gozar. "Goza, puto!". Ele gozou sobre os músculos definidos do próprio abdômen, eu soquei mais um pouco dentro dele, até tirar, jogando a camisinha longe, e explodi também sobre aquela bela barriga que ele tinha. Ele sorria me vendo gozar e eu sorri para ele de volta.
Não me demorei muito após ele voltar do banheiro, já eram quase 23:30h e eu tinha que voltar de ônibus para casa, nos despedimos comigo apertando-lhe a bunda e já de pau duro de novo. Ele prometeu que eu o comeria muitas vezes ainda quando sentiu-me novamente excitado. No entanto, quando o convidei alguns finais de semana seguintes para repetirmos ele sempre estava ocupado, não por coincidência o número de mensagens que trocávamos, simplesmente, caiu vertiginosamente. Long story short, não nos vimos nunca mais

18 comentários:

  1. tenho preguiça de tudo que tenha menos que 25 anos. pra falar a verdade, a coisa só começa a ficar interessante a partir de perto dos 30...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, eu também achava isso... mas, de fato, esses meninos se interessam mais por mim do que homens mais velhos, talvez ai esteja o problema, não é?

      Excluir
  2. Que triste uma transa de verão :/ apenas isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, anônimo, é bem triste mesmo! eu concordo com vc.

      Excluir
  3. As vezes eu tenho a sensação de que tudo que é muito superficial é que acaba durando pouco...

    Um abraço, cara!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é tudo que é superficial, Júlio César, mas fazer sexo com alguém semi-conhecido é sempre superficial mesmo... o máximo que eu tenho, não é?

      Excluir
  4. Fico me perguntando em que ponto fica a linha entre o real e ficção. AMEI, sem dúvidas fiquei excitado. ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Léo, eu só escrevo estórias reais, ora, só arrumo as coisas, a forma de contar que é um pouco literária.

      Excluir
  5. Normal. Surpreendente , em se tratando de um Deus grego de dezoito anos, se houvesse uma segunda. Eles ainda estão buscando algo que não sabem e, muito menos, que dificilmente encontrarão. Por isso, por melhor que tenha sido a refeição, partem logo para a próxima esporrada.

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. Eu sei, Alex, não me surpreendeu também. Eu já sabia que o resultado seria esse. Não fico achando que foi por minha causa, porém, me pergunto, porque essas pessoas são os únicos tipos que eu atraio. Isso me deixa com a pulga atrás da orelha.

      Excluir
  7. Dr tem estado ocupado por aí nos últimos tempos hein?! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi bem divertido, Edu, isso eu admito. =)

      Excluir
  8. o conteúdo aqui anda bem quente, hein, foxx! ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma semana animada, Railer. kkkkk

      Excluir
  9. Mr. Foxx, kids just wanna have fun.

    É impressão minha ou esses arranhões são uma marca sua, para identificar suas "vítimas" (risos) Mr. Foxx? hehe

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway