Google+ Estórias Do Mundo: PRESENTE: Se Não Pode Vencê-los, Junte-se a Eles?

quarta-feira, 30 de julho de 2008

PRESENTE: Se Não Pode Vencê-los, Junte-se a Eles?

Eu não gosto de homem que gosta de homem. Pronto! Falei! Agora explico: eu gosto de V-I-A-D-O. Porque homem gosta de mulher, 'tá? Encubados, enrustidos, hétero-que-come-bichas, não, não estou falando disso. Eles não estão incluídos nem na lista de possibilidades porque de problemático já basta eu. Estou falando é daqueles bem resolvidos, alguns até assumidos, todos com seu objeto de desejo bem acertado, sem problemas de perversão. Falo dos que se comportam como héteros, mas que gostam de homem. Estou falando que se é para manter o lugar social que se mantenha todo ele.
Comecei a falar difícil? Lugar social? Calma, eu explico! Lugar social é aquilo que a sociedade espera de um sujeito quando este ocupa um determinado lugar dentro dela mesma. É o comportamento que a sociedade exige quando você se propõe a ocupar um determinado papel. Existe o papel de pai, existe o papel de mãe, de homem casado, de mulher casada, de padre, de bombeiro, de policial, de bandido. Imagine-se num grande teatro, e cada um tem que interpretar o papel que escolheu, e o diretor é carrasco, ele não permite que você altere em nada o personagem que escolheu vivenciar.
Entre estes papeis, entre estes personagens, entre estes lugares sociais, um dos mais claros em todas as sociedades históricas e pré-históricas é definido pelo gênero, existe o papel masculino e o papel feminino, e fazendo uma rápida generalizada, observamos o primeiro associado ao papel de proteção e liderança, e o segundo de fragilidade e manutenção. E, caso alguém pense em contra-argumentar dizendo que existiram sociedades matriarcais durante, sobretudo, a pré-história européia, aviso: não existem provas históricas de que tal regime de fato existiu. Estatuetas de idolatria de deusas não configura um matriarcado, no máximo, uma posição de igualdade entre homens e mulheres cujo ciclo celta do Rei Arthur é um bom exemplo.
Não obstante, como a História e a Antropologia estão ai para provar, estes papeis masculinos e femininos não se confundem com os tipos sexuais até o século XIX (Ah, não confundir: gênero, masculino e feminino; sexo, heterossexual e homossexual). A partir dos oitocentos, graças aos escritos de homens com obras tão diversas tal qual Freud e o Marquês de Sade, o heterossexual masculino - o homem - e o homossexual feminino - a lésbica - foram aproximados, também o heterossexual feminino - a mulher - e o homossexual masculino - o pederasta. Hoje, no entanto, quando os gays assumiram orgulhosamente sua própria existência, eles passaram a exigir o mesmo lugar do heterossexual masculino, o mesmo papel que era reservado ao homem, isto é, o mesmo comportamento, a mesma imagem, a mesma vida. É um movimento perceptível a necessidade de voltar a ser homem, mas sem negar seus próprios desejos. Isto, por um motivo óbvio: o homossexual masculino não quer ser apontado, ridicularizado, humilhado, o que algumas gerações atrás usavam o "armário" para se proteger, hoje assumir o comportamento/ lugar social hetero masculino é o escudo. Quando antes ninguém queria ser descoberto, hoje quer se ouvir durante o outting que você nem parece ser gay. Não se nega o desejo - este quase foi perdoado pelo discurso politicamente correto que vivemos hoje - mas se nega o lugar social, aquilo que a sociedade espera da bichinha, o famoso estereotipo.
Vocês acham que é pura coincidência que personagens gays em séries de tv, novelas e filmes possam todos ser confundidos com heteros? Isto não é a mídia tentando destruir um preconceito. É a mídia encontrando um preconceito que ela pode usar. E por que isso me irrita? Porque eu não consigo aceitar que o papel do heterossexual masculino seja o tipo padrão. Em outras palavras, por que para um homem ser homem ele tem que ser um homem hetero? Por que os homens heteros são os modelos que nós devemos imitar? Por que eles são como nós deveríamos ser? Por que o jeito deles viverem é o jeito correto? É isso? Então, se for meus amigos, não é nos comportando como eles que vamos acertar, a gente tem é que pegar mulher. E aí, lanço o desafio, quem vai ser o primeiro a tentar?

30 comentários:

  1. Raposinho, você arrasou! Eu poderia até dizer que você resumiu seriamente o conteúdo brincadeira dos meus dois escritos (ontem e hoje). Mas estaria me valorizando muito, porque o que eu escrevi não foi com embasamento!

    Não sei onde me enquadro, mas não me considero muito "hétero" em comportamento não. Sei lá se isso importa, também. O importante é que as pessoas que me são importantes sabem. Pro resto eu não dou muita bola. Certo ou errado? Um dia eu descubro.

    Ou não!

    ResponderExcluir
  2. Nossa ,vc arrasou no pensamento agora. Mas a gente tem que entender que existem pessoas e pessoas. Não existe um padrão fixo e certo. Eu,por exemplo,não faço o "tipo" hetero. Simplesmente sou assim mesmo e não preciso me esforçar pra ter tal comportamento. Mas sei que muita gente disfarça e se esforça mesmo.

    Abração!!

    ResponderExcluir
  3. Fala, Foxx! Gostei do post! Confesso para vc, não faço força para esconder nada, você bem viu na balada. Mas fora dela tenho o meu comportamento natural, nada forçado, nada tentando parecer hetero na sociedade, mas é a imagem que passo algumas vezes. Claro que entre os amigos a gente se solta mais, etc.

    Bom, nada que uma camiseta colada no corpo não fale por você, hahaha!

    Também confesso que é esse tipo que me atrai, homem com cara e jeito de homem... Fora desse padrão, o tesão começa a diminuir, fazer o que!


    abração!

    ResponderExcluir
  4. Realmente dessa vez vc foi único; foi um texto de manifesto sobre o assunto do esteriótipo mais bem escrito que li. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Calma querido, minha proxima postagem vem o premio CELEBRIDADJHY ai vai entrar as DIVAS dos blogs..

    Devinha quem tá entre os ganhadores????????????

    aahuahuahuhuhuahua


    Beijão!

    ResponderExcluir
  6. Foquisinhu?
    (adoro te chamar assim uhauauhhau)

    Mas há as pessoas que tem esse comportamento naturalmente, não seria generalizar dizer que todos teriam que ser de um jeito ou de outro?

    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Ah, isso vai de cada um, Foxx. Tem gente que não consegue/se sente bem em/precisa mostrar que é gay e, portanto, é confundido com hétero.

    Agora entre ser confundido com um hétero e querer ser metido a um, é uó! Mas são desses que eu mais gosto! KKKKKKKKKKKKKK

    TO PAGAAANDO! HDAUHSFDHUAHSUDHUASDHUASUHD

    ResponderExcluir
  8. Madonna falou sobre isso em what fells like for a girl
    lindo post
    e adoro pessoas nao me importo como sejam e sim que eu me apaixone por elas
    o resto pouco importa mas os gays criaram convencões para viver e se fuderam nelas
    bem feito
    sou feliz e mto feliz vivendo a minha diversidade em gostar das pessoas justamente por serem diferentes


    beijão moço

    ResponderExcluir
  9. foxxx, vc fallou mt bonito
    um discurso embasado em fatos historicos e o caramba

    mas naum mudou minha opinião, q eh diferente da sua

    tb naum concordo cm o estereótipo
    nem cm o armário, apesar d estar nele agora e naum ter previsão d saída

    apóio q as pessoas vivam cm queiram
    c querem viver cm vc disse bichinhas... bem

    s querem viver cm heteros e serem despefrcebidos, bem tambem

    o negocio eh a satisfação pessoal e a paz d espirito

    xx

    ResponderExcluir
  10. Não sei pq, mas esse post serve bem em mim..
    Mas nunca agi como hetero: soh uma vez.... duas... foram duas soh, mas no resto ajo do jeito q gosto
    E num existem sociedades matriarcais em outros continentes q num seja Europa? Acredito q exista na àfrica ou lá pelo deserto de gobi [minha tia q disse]

    Enfim
    Bjs lenin!

    ResponderExcluir
  11. Assunto polêmico, mas vamos lá.

    A maioria dos gays que conheço se passam por héteros. Os que estão na linha, são pessoas educadas, polidas, do tipo que toda mãe quer empurrar para a filha.

    Mas tem os que vão ao estádio, na geral, torcer pelo seu time do coração, sem receber a desconfiança de ninguém.

    Entretanto, todos se portam do mesmo jeito no trabalho e na balada, simplesmente porque são assim.

    Não tenho nenhum amigo que se faz de ht e na balada dá horrores de pinta. Nesses casos até concordo cm você, porque a pessoa não será feliz, uma vez que tem de se forçar a ser alguém que não é.

    Agora, as vezes a profissão da pessoa acaba obrigando a dar uma enganada.

    Ou você acha que se os clientes do Real soubessem que o seu gerente se joga horrores com o namorado pela noite GLS de SP iriam manter as suas aplicações com ele?

    E em um advogado criminalista que desse pinta pelas DPs de São Paulo? Logo viraria motivo de chacota, podendo até causar prejuízos aos seus clientes, afinal, um homofóbico poderia "atrapalhar legalmente" o andamento de um Inquérito.

    É um assunto muito complexo.

    Mas o foda é que se existe preconceito entre os gays (barbies, pintosas, emos, alternativas, cacuras, polo boys) imagina então os héteros.

    ResponderExcluir
  12. eu penso assim também, odeio gente mal resolvida!





    "linkei" você também!

    ResponderExcluir
  13. Assunto complexo. Mas, partindo do princípio da vida, o homem foi feito à mulher e vice-versa.
    Contudo, não aprovo esse termo "gay", "viado", "bicha", etc. A justificativa é que esse grupo fica excluso da sociedade, como se fosse um indivíduo diferente, de outro 'planeta'.
    Há homens e mulheres, independente à opção sexual. Essas nomenclaturas deveriam ser abolidas. Abs e bom fds ;-)

    ResponderExcluir
  14. gosteeei do post *--*
    e concordo plenamente, mas realmente por mais que lutem homossexuais nunca são bem vindos na sociedade, sempre tem aquele preconceito, não concordo também com nomenclaturas do genero "bichas", ofensivos é claro.
    Olha eu posso dizer isso por experiência própria.
    Tá na minha lista!

    ResponderExcluir
  15. Valeu pelo comentário. Linkei vc também.

    Abração

    Rhenan
    www.sexpride.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Tenho um amigo que gay que demorou pra parar de se mostrar hetero, quando não era. Hoje ele se sente muito melhor sendo do jeito que é, e que gosta de ser.

    O importante é a pessoa se sentir bem com aquilo que gosta ;)

    ResponderExcluir
  17. A evolução dos últimos post estão fazendo eu entrar parafuso....hauhauhau

    Abs:-)

    ResponderExcluir
  18. Meu amigo, Foxx! Falou difícil, mas falou tudo! rs Mas, eu não sei... Concordo com Fala, Garoto!
    Eu só sei que eu queria que fóssemos aceitos sem diferenças!

    Emfim, tá podendo em amigo! hehehe Quatro na noite?! rsrs

    Bom, quanto ao comentário que vc deixou lá no blog: Vc não sabe como eu queria estar por perto de ti pra tê-lo como amigo!!

    Beijo

    ResponderExcluir
  19. Seguir regras, esteripotipos é uma grande cruz que carregamos aqui nesta terra..... mas ser livre deles exige antes de qualquer coisa o desejo de ser livre e de pagar esse preço.

    abs

    ResponderExcluir
  20. Por isso sou seu fã. Mas não acredito nessa teoria dos papeis sociais, ainda não sei se na atual configuração pós-moderna existe um espaço para um papel. Mas tenho que concordar com você, nosso ser quer ser encaixado, encontrar seus pares, e ali "fuder" com as peças que nao cabem no mesmo buraco. Sou um pseudo-hetero, assumo isso, mas ser um gay solitário assusta. Tenho medo da segregação nego, mas aos poucos começo a me mostrar. Vale apena sair do "armario" e ser alvo das pedradas dos cães que nos rodeam? Aos poucos tenho visto que sim, que na verdade existe uma cortina de fumaça que nos paralisa frente a possibilitade de ser o gay que gosta de gay, afetado, sarado, gordo, negro, careca ou qualquer outra coisa.

    Te adoro muito...
    te amo demais...
    venha me ver estou carente por demais...

    ResponderExcluir
  21. Foxx....não sei se concordo contigo.
    Só sei que, gosto de homem que tb gosta de homem, mas não curto esse lance de ser afeminado e ter trejeitos, não sou assim e tb não coseguiria me relacionar com alguém assim.
    Mas, cada um tem sei jeito de ser e temos que respeitar isso...
    Valeu pelos coments.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  22. FOXX !!!
    viado antropologico e filosofo em plena segunda feira nao phody!

    uhahuahua

    eu acho q sou o que vc nao gosta... mas lembre-se que eu tenho q mudar... quem sabe vc nao é minha alma gemea

    ResponderExcluir
  23. Acho que todos desempenhamos nossos papéis no dia a dia, isso é inevitável.
    Mas eu tenho uma certa tendência a gostar de heteros, rs... Ou nem tão heteros assim, hahaha
    Gosto de homem, com jeito de homem. E, desculpe-me, é dificil achar os assim no meio gay.
    Bjo e boa semana.

    ResponderExcluir
  24. ADOREIIIIIII

    O POST





    HAIRYBEARS
    http://hairybears.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. Adorei o que você escreveu. Realmente, noa leva a pensar, e por muitas vezes eu questionei o porque dos caras ditos "gays" se comportarem de tal forma. E este comportamento soa irreal, falso, hipócrita. Uma vez que o papel é no social. Vamos para dentro das 4 paredes. Esses que se dizem machões viram verdadeiras Ladies, quando não uma meretriz! Ando cheio de gente assim.
    Ah, vlw pelo comentário no meui blog. Estou em dúvida onde devo acessar o seu: neste ou no Espartanos?~

    Abração

    ResponderExcluir
  26. Ah, já entendi. Vou postar mais comentários aqui. Ah, e estou adicionando você a minha lista de blogs preferidos e lidos por mim. Abração.

    ResponderExcluir
  27. Concorde-se ou não com o teor do texto, não dá pra negar que é uma posição um tanto corajosa. Como sempre digo, indispensável é o respeito. Fora isso, pra utilizar uma espressào do momento, "cada um no seu quadrado"... hehehe. Abs.

    ResponderExcluir
  28. Muito bom o texto. Porém, tenho um pensamento um pouco diverso do seu quanto ao preconceito e lugar social.
    Óbvio que temos que buscar nosso lugar na sociedade do jeitinho que somos. Porém sou um pouco avesso a essa relação de outting como primordial para o gay alcançar sua liberdade, como se declarar sua orientação fosse o ato último de um ser desesperado. Ao contrário, sou da opinião de que o que faço na cama é problema meu, com quem vivo e me relaciono é problema meu e as pessoas que se aceitem isso.
    Sempre digo que, antes de me descobrir, não disse para o meu pai "olha pai, eu gosto de trepar com mulher, queria que você me aceitasse do jeito que sou". Por que raios preciso dizer isso agora?
    E hoje em dia os reflexos midiáticos (como a podre televisão e afins) mostram um gay sem afetações não apenas por que os gays estão se encaixando num padrão "heterelizado", mas por que muitos gays que tem uma atitude mais máscula estão saindo do armário, assumindo namoros e casando. Não vejo isso com desconfiança, mas como uma ponte para uma integração real entre os seres humanos, cada qual como é.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  29. Foxx, interessante o post, mas não concordo com você.
    Eu me enquadro neste perfil de gay que não parece gay. Não busco isso (pelo menos não mais) e um dos meus maiores problemas é justamente o fato de eu gostar de HOMENS e não gays.
    Entendo a sua revolta contra a mídia, e acho os seus argumentos pertinentes. Ao mesmo tempo, quando colocam um gay mais... digamos "autêntico", esteriotipam e caricaturam.
    Acho que existem várias "nuances" homossexuais, e quando você esteriotipa todos os gays em um modelo, tá apenas criando mais um lugar social.
    abs

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway