Google+ Estórias Do Mundo: Meu Pecado É A Vaidade

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Meu Pecado É A Vaidade

Todos sabem por aqui do meu desejo de encontrar um namorado. Não é novidade, não tenho vergonha! Contudo, mais importante do que saber qual é o motivo para que ninguém se interesse por mim, é crucial saber porque eu desejo tanto encontrar alguém (talvez, inclusive, eu possa ser chamado de obsessivo por causa disso, porque penso demais sobre este assunto, e penso mesmo, mas porque quero resolver este problema, porque já é um!, e a melhor maneira de resolver algo que te incomoda é meditar sobre o tema). São dois motivos, de fato. O primeiro, a relação com meus pais, e segundo, minha auto-imagem. Meus pais sempre definiram-me como o filho que os decepcionava, desde muito jovem, por ser gay. Eu não era digno de seu amor por causa da minha sexualidade desde a tenra infância, ou era?  Um amor torto é verdade. Tenho certeza que havia amor nas surras que meus pais me davam tentando me tornar heterossexual, como nas mesmas surras que eu recebi por tirar notas baixas em matemática na 6ª série, mesmo meus pais sendo pedagogos, eles preferiram resolver o problema através de castigos físicos e não tentar descobrir porque eu não conseguia aprender matemática. Coisas da criação dos meus pais, com certeza. Eu os perdoei há muito tempo atrás, contudo, isto me causou um problema que eu tento resolver com amigos e com namoro, tento suprir com estes relacionamentos a carência que meus pais me impuseram durante minha formação como ser humano. Eu tento me convencer, todos os dias, que meus pais estavam errados, que eu sou digno de amor, que eu mereço amor. Tento desconstruir a programação que meus pais me impuseram.  Mas eu já falei sobre isto aqui no blog.
Já, o segundo ponto, minha auto-imagem. É algo que eu tenho reparado com mais intensidade nos últimos tempos. Sempre me acusaram de ter problemas de baixa auto-estima aqui no blog, coisa que eu sempre rebati com veemência, porque, acreditem, este problema não existe. Eu, na verdade, sofro mais de megalomania ou de exagero de auto-estima do que do contrário. Meu grande sofrimento, inclusive, sobre o fato de eu estar sozinho tem relação com isso: como alguém maravilhoso como eu, tão bonito, inteligente e interessante, pode estar sozinho? Como as outras pessoas que são tão inferiores a mim podem ter namorados normalmente e para mim é esta luta sem fim da qual eu sempre saio derrotado? Como todo homem que eu me envolvo escolhe qualquer outro cara a mim em questão de dias? Como eu, tão maravilhoso quanto penso que sou, posso ser preterido? Todo meu sofrimento, minha ofensa, vem desta vaidade ferida, este orgulho tão leonino. Por que eu, tão bom, tão vitorioso, tão sortudo como sempre fui na minha vida toda (afinal inteligente e talentoso eu sou), não consigo vencer na área mais simples da vida de todo mundo, em que crianças de 15 anos têm mais experiência que eu com o dobro de suas idade?
São estas perguntas que tornam minha solidão uma experiência tão amarga. O Gato é quem afirma que eu deveria observar esta minha vida sobre outro prisma e ele tem razão, e o prisma diferente é exatamente este: eu não sou tão especial, tão bonito, tão inteligente, tão interessante quanto penso ser. Sou sem graça, sem sex appeal, feio mesmo, além de efeminado, para a maioria das pessoas; sou de fato um homem interessante e inteligente, mas não existe nada que faça alguém se aproximar tempo o suficiente de mim para descobrir que estas qualidades existem, e se o fazem já me colocaram na prateleira de amigo há muito tempo atrás para que eu me torne elegível como namorado novamente. Sabendo qual é minha verdadeira imagem, e sabendo que as pessoas me veem ainda pior por causa do seu preconceito com homens gordos, efeminados e carecas, fica muito claro porque estou sozinho e, também, fica muito claro que não existe motivo algum para sofrimento. Não posso sofrer porque meu orgulho está ferido! Não posso lançar-me nas garras desta dor somente porque minha vaidade não é alimentada por alguém que me ache bonito, sexy e interessante. 
Em resumo, meu problema todo é porque eu desejo alguém que alimente meu ego. Um homem que eu considere bonito que me considere bonito, um homem que eu considero inteligente que me considere inteligente, um homem que eu considere interessante que me considere interessante são minha necessidade apenas de alguém que reforce a minha auto-imagem para que eu acredite nela. E, neste momento, os dois pontos que falei antes se relacionam: eu preciso de um namorado para corroborar a auto-imagem que eu criei para sobreviver aos meus pais, e meus sofrimento acontece porque ninguém é capaz de enxergar o super-homem que eu criei dentro de mim para vencer esta família. E eles não enxergam porque ele não está lá. O sofrimento que passei com meus pais foi terrível para mim, mas na minha mente infantil ele sempre parecia muito maior do que realmente era. Eu, com certeza, desenvolvi talentos para superar aquela vida a qual eu estava encerrado (consegui sair do gueto afinal de contas),  mas nada mais do que qualquer um. Não sou especial em nada. Nenhum homem deveria me idolatrar como "quase cósmico, semi-fenomenal". Não que eu não tenha nenhum valor, eu tenho, mas nada melhor, maior ou simplesmente mais importante do que qualquer um, essa ilusão de acreditar que eu mereço um amor especial é quem me mantém em perpétuo sofrimento. É hora de abandoná-lo reconhecendo quem eu sou, nem mais, nem menos. Somente uma pessoa comum. 


25 comentários:

  1. Ai, Foxx, que texto! Eu me vejo mais ou menos assim, só que a nossa diferença é que eu não almejo ninguém e não criei uma autoimagem como escudo, até porque não precisei. Meu pai (minha mãe nem tanto) sempre teve uma mente aberta a isso, até hoje na verdade, e as reprovações vieram de tios e colegas, coisas que pouco me marcaram.

    Se o amor aparecer, tudo bem, eu o aceito, mas não será nada convencional. No entanto, a falta do mesmo não me paralisará de forma alguma, assim creio que seja com você.

    Você é quase um personagem de um diretor de cinema que eu amo. Lembrei-me muito dele ao ler esta sua autoanálise, deliciosa na verdade, para os entendidos nas agruras humanas.

    B.H.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. B.H., eu não entendi. Você também se acha muito bom para ficar sozinho? E você não criou essa autoimagem por causa dos seus pais, então porque você a criou? É que você disse "eu me vejo mais ou menos assim", vc estava dizendo que também se vê como eu me vejo?
      A falta do amor já me paralisou, B.H. Eu estou paralisado e não consigo mais tentar nada novo na minha vida, não vejo mais graça em absolutamente nada, falta-me ânimo, disposição, entusiasmo.
      Sou um personagem? De quem?

      Excluir
  2. Me vejo, como você, digamos, após a autoanálise, sem se achar tão bom, nem tão ruim, só comum. Mas não é por isso que me veja indigno do amor, mas, simplesmente, não é uma prioridade, diferente de você, para o qual a falta causa essa "paralisia". Temos idades e experiências diferentes e consequentemente necessidades diferentes e algumas delas pesam mais para você. E, sim, és um personagem de Eric Rohmer.

    Abraços.

    B.H.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que bom que vc respondeu. Eu realmente fiquei sem entender, mas obrigado, agora tá claro. Mas, não é mais uma prioridade para mim o amor, eu já desisti dele, o amor para mim é um imensa decepção ou eu poderia chamar também de uma/um imensa/o falta/vazio que nunca será preenchida/o.
      Não conheço Eric Rohmer... vou pesquisar.

      Excluir
    2. Ah, Foxx... Compreendo tudo isso, que não tens ideia, apesar das aparentes divergências, se é que elas existem. E sobre Rohmer, O Raio Verde e Conto de Verão tratam dessas temáticas. A única advertência é sobre o estilo do diretor poder se tornar enfadonho se não aproveitares a inesgotável fonte de diálogos, preciosos, em sua maioria. Eu amo, mas é gosto, né?

      "Ah! Que le temps vienne / Où les cœurs s'éprennent!"
      (Arthur Rimbaud)

      B.H.

      Excluir
    3. gente, a pessoa me compara com personagens de um cineata francês e cita Rimbaud? *m*

      Excluir
  3. 1 - Pensar obsessivamente sobre algo sem flexibilizar os pontos de vista deste tema não me parece meditar sobre o tema.
    2 - Não distorce o que eu falo, vc pega uma fala minha pra uma outra coisa totalmente diferente e aplica na sua visão monocromática do problema.
    3 - EM nome de Jesus vc não é gordo como fala, nem afeminado, mas essa coisa de negar o lance do afeminado eu prefiro nem fazer por toda uma questão política que vc conhece bem.. É.. Vc é careca!
    4 - Quanto a não ter nada de excepcional.. Eu gosto deste pensamento.. Com vinte e poucos anos eu achava que era tanta gente na comunidade "Deus me disse: Desce e Ahaza" no finado orkut, que comecei a dar valor pra quem não fazia questão de ser nada além de um cara comum... Vc é um homem normal, com uma série de talentos, habilidades, e deficiências, que gostaria de ter segurança financeira e uma relação saudável.. Ora bolas.. Me parece natural (até aqui pelo menos)... As pessoas quando se falam em se valorizar em geral estão falando indiretamente em desvalorizar o outro... Daí vão pros aplicativos de pegação da vida e se põe na posição de jurado de programa de calouros, fazendo exigências mil sem ser autocritico, sem observar se o que tem a oferecer compensa o mar de exigências.. Vc é um cara bacana, que merece ser amado como todos nós deveríamos e queremos.. Não precisa "ser especial" para merecer o amor, basta "ser"..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos lá, em partes:

      1) Vc sempre fala sobre flexibilizar pontos de vista, mas eu nunca vou conseguir entender o que diabos você quer dizer com isso. "Eu estou sozinho, porquê?" é a pergunta. As respostas já foram as mais variadas, e eu de fato oscilei entre todas as elas, mas o que de fato te incomoda é o fato de eu ter desistido e não acreditar mais que seja possível encontrar alguém não é? É este ponto de vista que vc acredita que eu deveria flexibilizar não é isso? Desculpe, Gato, mas isto está fora de cogitação.

      2) Eu não distorci o que vc falou. Eu repeti exatamente o que vc falou. E eu estou seguindo o exato conselho que vc falou. Exatamente. Mas não estou usando ele para o que vc queria que eu olhasse. Seu conselho era para que eu observasse outros prismas sobre aprender a ficar sozinho, não é? Curtir ser solteiro e aproveitar a vida de sexo com estranhos, não é? É este prisma que você quer que eu observe. Sua fala sobre prisma, sobre flexibilização, é só um subterfúgio para me colocar em um caminho/me fazer adotar uma postura sobre a vida ao qual eu já abandonei anos atrás quando começou a me fazer mal. Ou eu estou errado?

      3) Quem tem 1,70 e pesa 82kg é gordo, Gato, principalmente se mora em uma cidade com praia, ai vc é obeso mórbido e você sabe muito bem disso. No entanto, você deve saber (e se não sabe, fique sabendo) isto não é um problema pra mim, como também não é um problema ser efeminado (e eu sou sim para os padrões do Nordeste, isto é um fato, minha voz é efeminada, porque sou tenor e adoro ser tenor e eu não sou um "macho que ninguém nota que é gay", coisa que eu não quero ser de jeito nenhum também). Portanto, sim, eu não tenho nenhum problema com auto-imagem como você sugere.

      4) Obrigado por me considerar um cara bacana, mas eu acredito que sou exatamente isso que vc descreveu, um homem normal, com talentos, habilidades e deficiências que gostaria de ter algumas coisas que não tem (segurança financeira e um relacionamento estável, não gosto de saudável), mas sobre merecer amor falamos de outra coisa muito diferente, não tem a ver com minha auto-imagem, não tem a ver com aquilo que eu penso sobre mim, tem a ver com sua vontade de me ver acreditando novamente, e isso só aconteceria se a minha realidade fosse outra. Então, a não ser que o MEU mundo mude, não espere que eu comece a acreditar novamente nisto. É impossível.

      Excluir
    2. 1 - Ver as coisas sobre outro ponto de vista funciona assim.. Eu to com fome e quero pão, mas não tem pão.. Daí eu como uma broa, ou um pudim.. Ou ainda resolvo não comer nada pq to precisando perder uns kilos mesmo, Ou então faço uma poesia sobre o meu desejo de comer pão, eu tento sublimar meud esejo pelo pão pra qq outra coisa, eu problematizo a dificuldade das pessoas de comerem pão no mundo e escrevo um livro sobre isso... Eu busco entender pq as pessoas querem o pão, eu busco vivenciar formas alternativas de ter o pão, com outros ingredientes, outras farinhas.. Eu resolvo andar de bicicleta!.

      2 - Distorceu sim, vc colocou como se tivesse dito que ver as coisas sobre outro prisma é que vc não é interessante e nunca na vida eu nem falei, nem insinuei, nem se quer pensei isso. Só acho que vc deveria dar mais luz para outras coisas além do eixo relacionamento - dinheiro.. Sei que são importantes, mas existem outras fontes de satisfação na vida e outros objetivos.. Vc está estudando pra ser sacerdote, há de saber disso muito melhor que eu!

      3 - Eu n sugiro nada, aliás eu não sou de sugerir eu falo.. E nãos eis e vc tem problema de autoimagem, mas pra mim vc não é gordo, desculpa se isso doi.. Mas é careca, querido.. Vejo vc careca, não fica mal!!

      4 - Eu não acho que vc merece amor.. Acho que merecemos... Todos... Sou um humanista, respeito sue ponto de vista, mas não concordo com ele!

      Excluir
    3. *2 - Distorceu sim, vc colocou como se tivesse dito que ver as coisas sobre outro prisma fosse uma proposta de que vc se visse num lugar de menos interessante e nunca na vida eu nem falei, nem insinuei, nem se quer pensei isso

      Excluir
    4. 1) Gente do céu, e não é isso que eu faço? Eu já fiz sexo sem dizer meu nome, já paguei por sexo, já fiz celibato, já fiquei com um menino que estava interessado em outro, escrevo um blog, fiz mestrado, doutorado, estou estudando para ser sacerdote e sempre estou disposto para ajudar alguém com problemas, isso não é olhar minha solidão por outro prisma pelo amor do Cristo? E fiz tudo que vc citou ali (falando do pão): eu comi outra coisa, eu não comi ninguém, eu escrevi sobre o assunto, eu sublimei, eu problematizei, eu tentei entender porque as pessoas querem, eu vivenciei formas alternativas, e também resolvi andar de bicicleta. Tudo isso eu fiz. Então, continuo perguntando: o que você quer dizer com isso EXATAMENTE?

      2) Não, no texto eu disse que vc disse para eu observar sobre outro prisma, somente isso, quem falou sobre eu me colocar como menos interessante fui somente eu, se ficou parecendo que a ideia era sua, não foi minha intenção de forma alguma.

      3) Então minha definição de gordo é absolutamente diferente da sua. Um dos dois está errado.

      4) Ah, eu não acho. Não acho que TODOS merecem amor. Tem gente que não merece, e eu acho que sou um destes. E se vc não concorda, eu respeito sua opinião também.

      Excluir
    5. Ai, gato... Vc gosta de mim, que souum "Cara comum"??? rsrsrsrsrs

      Excluir
    6. todos nós gostamos de vc, Cara Comum. =)

      Excluir
  4. concordo e discordo de alguns pontos do seu post.

    - primeiro acredito que o que passou na infância ainda não foi embora. essa história de ter perdoado os pais é um subterfúgio que criou para deixar os traumas de lado. Fica nítido no seu texto que seja lá o sofrimento que tenham causado ainda é latente. E quer saber, não vejo mal algum em carregar isso pra vida adulta. o que não pode é viver desse passado assombroso. Creio que se tivesse realmente superado, ele não estaria aqui entre linha hoje sendo mencionado...pense nisso!

    segundo que no meu entendimento "fisico" é o ultimo dos atributos que se busca num relacionamento serio. Quem liga muito para aprarencia, para musculos e sorrisos de comercial de pasta de dentes não está seriamente interessado num companheiro, quer um esteriótipo gay para mostrar o quanto é fodão por estar com um cara bonito. Claro que isso não é regra, e nem os bonitos tem culpa por se-lo, mas o culto a beleza me estranha um pouco e me faz ter receio do qto a pessoa é realmente profunda.

    terceiro que vc é um cara inteligente sim, antenado, com capacidades alem de muitos por aí. Não sei oq te falta porque não convivo contigo pessoalmente, apenas através de um teclado, e diagnosticar o mal dos outros só olhando nos olhos pra saber. mesmo assim eu percebo que da muito valor ao que outros dizem...até pq percebi no texto algo que eu disse a vc, e acabou por reproduzi-lo aqui. Preste menos atenção na opinião alheia. A gente é assim qdo tem 18, 19 anos...depois dos 30 o que pensam ou deixam de pensar é problema dos outros, inclusive sobre essa questão do efeminado. Não acho que seja um impeditivo para que tenha um relacionamento. Acho sim que talvez vc procure um tipo que não seja o mais adequado, mas como disse, isso só convivendo pessoalmente pra saber.

    e por ultimo, não existe coisa mais chata do que ser endeusado por alguém. imagine aquelas expectativas que seus pais tinham a seu respeito qdo criança...pense uma outra pessoa te achando um Deus, e vc tendo que corroborar para que isso seja verdade. Não expor defeitos, fraquezas por que o outro se espelha em ti...não tem nada mais frustrante que isso, e o relacionamento vida unilateral, pq não da pra gostar de alguém que te diz amem o tempo todo.

    é isso...deve estar cheio de erros de português e concordância pq to escrevendo e não lendo...rs rs rs...

    abração meu amigo...e pense em vc com mais carinho...ok!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fael, tudo bom?
      1º, Olha, meu passado não foi jogado para debaixo do tapete. Meus pais foram perdoados, sim, acredite, foram! Mas eu não esqueci e nem pretendo esquecer o que eu passei. Eu lembro das coisas que passei vivamente (maldita memória) e por isso não dá, simplesmente, para fingir que nada aconteceu. Meu passado sempre será mencionado porque ao contrário dos outros eu tenho consciência que é ele, e não o presente ou o futuro, o grande constitutor da minha vida e da minha personalidade. Então, meu passado sempre aparecerá, querido, porque só existe passado dentro de cada um de nós.

      2º, eu também concordo que o atributo físico é a ultima coisa a se levar em consideração quando alguém quer um relacionamento sério, concordo plenamente, mas o mundo não é assim e, principalmente, a cidade em que eu vivo não é assim. E por isso eu sou julgado e preterido over and over again. Minha escolha (política) de me recusar a participar desta sociedade natalense, aceitando e me sujeitando a eles, cobra seu custo, e sem sombra de dúvida isto pesa na resposta de porque eu estou sozinho.

      3º, prestar menos atenção na opinião alheia? por favor, não sejamos hipócritas, Rafael. Eu estou falando sobre porque eu quero um namorado, isto é, porque eu quero que OUTRA PESSOA goste de mim. Isto é sobre a opinião alheia. Somente se nós fossemos ilhas isoladas que opinião alheia não seria importante em nossas vidas. A opinião do seu marido sobre você foi decisiva para ele aceitar te namorar e depois casar-se com você. Seu relacionamento com amigos depende da imagem que eles têm de você. Seu relacionamentos com seus clientes depende da imagem que eles têm de você, portanto, não seja hipócrita. Todos nós temos que prestar atenção em na opinião dos outros sobre nós, porém não podemos viver nossa vida em prol de atender os desejos dos outros e como toda minha vida aqui em Natal demonstra eu não vivo, de forma alguma, em função da opinião dos outros porque se fizesse isso teria vergonha de ser careca, pesaria 50 kg, depilaria todo meu corpo, não usaria barba, eu só sou quem eu sou porque eu não me importo com o que a grande maioria das pessoas pensa sobre mim.

      4º, Agora, é bem triste, triste mesmo, depois disso tudo, ver que acha que eu não tenho carinho por mim mesmo. Terminar com você dizendo que meu problema é auto-estima é dar um imenso passo para trás. É bem triste ver que meus textos são inúteis, que apesar de lê-los você não larga suas certezas de jeito nenhum. É bem triste.

      Excluir
  5. Penso q pela primeira vez vc consegue tomar consciência de algo muito forte em vc mesmo ... já q agora vc se percebe assim é ir à luta para reconstruir o Foxx livre, manso, simples como qualquer outro ser humano ... Parabéns por este momento importante de sua vida ... sucesso daqui para frente ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E tenho certeza que pela primeira vez você fez um comentário sincero por aqui. Obrigado, agradeço de verdade por sua opinião. Muito obrigado!!

      Excluir
  6. Olá! Muito bacana o seu texto.Interessante sua maneira de analisar sua situação. Achei este trecho muito pertinente: "Eu preciso de um namorado para corroborar a auto-imagem que eu criei para sobreviver aos meus pais, e meus sofrimento acontece porque ninguém é capaz de enxergar o super-homem que eu criei dentro de mim para vencer esta família. E eles não enxergam porque ele não está lá.". Me vejo em alguns dos seus questionamentos. Não estou procurando um namorado, mas admito que talvez não esteja justamente por achar que tenho padrões 'elevados' demais, ao mesmo tempo em que acredito não "atender a esse mesmo padrão de qualidade" que pareço buscar. Enfim, parabéns pelo texto. Enquanto lia, lembrei de um texto que li um tempo atrás. Não é diretamente relacionado, mas acho que nos ajuda a nos situar de maneira mais razoável diante do 'mundo'. http://justwrapped.me/2013/01/29/por-uma-breve-teoria-narrativa-dos-tremendos-vacilos/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Henry, uma pergunta: se você tem padrões elevados demais, isto não quer dizer que vc está procurando sim, mas não encontra por causa dos seus padrões? Não é isso?
      leirei sua indicação sim, obrigado.

      Excluir
  7. Oi Fox,conselho de uma hetero com muuuuita experiência de vida e que passou mais da metade dela rodeada de gays: desencana, relaxa, que as coisas acontecem naturalmente,qdo.a gente menos espera, e vc precisa estar PRONTO E INTEIRO pra isso acontecer.
    Carpe diem, guri!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Madi, se você conhecesse mais a minha história, você não teria tanta certeza que algo pode acontecer. Acredite em mim. Não pode.

      Excluir
  8. Todos precisamos de alguém. E devemos estar atentos a sinais de gente que repara em nós, porque há sempre alguém que repara em nós...
    Mas ficar obcecado com a ideia de encontrar deseperadamente alguém, é muito mau e tem quase sempre resultados negativos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hauahuahauahaua
      infelizmente, mesmo que ninguém acredite ser verdade, ninguém repara em mim, quer dizer, reparam para sexo, mas somente para isso.

      Excluir
  9. Mas, gente! Como vc consegue piorar o problema, ao invés de resolvê-lo!!

    Vai detonar a sua auto-imagem agora? Tá confundindo auto-imagem com auto-estima de novo? Tá se esquecendo das nossas discussões a respeito desses temas e começando tudo a partir do zero?

    Olha... Assim vc vai cavar um poço ainda mais fundo... Faz isso não, amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou piorando o problema?
      Eu, de fato, tenho uma auto-imagem que não tem nada a ver com o real, Cara Comum, eu me vejo de uma forma muito... como direi?... melhor do que sou. Eu me vejo como um príncipe, e definitivamente não passo do mais simples plebeu. Eu acho, no fundo, que mereço todos os homens se jogando aos meus pés, e a verdade é que eu não mereço nem um. É apenas como me vejo, nada mais que isso, e também é por causa disso que eu sofro. Se eu conseguir apagar essa imagem falsa que construí sobre mim, acho, que metade do meu sofrimento irá embora...
      Estou errado?

      Excluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway