Google+ Estórias Do Mundo: Diga "Trinta-e-três".

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Diga "Trinta-e-três".

, em Natal - RN, Brasil
Gente, 33. Cheguei. E acho que a crise dos 30 chegou atrasada para mim. Tudo bem que na minha família as coisas são assim mesmo. Desreguladas. Minha voz só mudou aos 21 anos (até lá eu tinha voz de garotinha), meu cabelo começou a cair aos 17, os primeiros fios brancos da barba começaram aos 25, eu ainda tenho dentes de leite. Essa genética maluca. E também agora, três anos atrasada, que a crise dos trinta se instalou. Acordei, dia 11 de agosto, com ela, quando acordei aos 33 anos. Um ano de Touro começou para mim, de realizações, de concentração de energias com objetivos práticos, de enraizamento de valores e de observar as próprias e mais sólidas qualidades; segundo a astrologia, este ano é um ano de germinação daquilo que foi plantado, meus projetos, ideias e impulsos criarão raízes e se firmarão, tudo lentamente, porque meu ascendente é preguiçoso, mas fecundo, tudo vai brotar. Parece que será um bom ano, não é?
Mas eu estou preocupado. Muito preocupado! Agora eu tenho 33 anos e a primeira coisa que penso é o que eu fiz com a minha vida até aqui? Eu me considero um fracassado, apesar dos meus inúmeros talentos e qualidades, eu não construí nada. Comparo-me (e talvez este seja meu erro) aos meus irmãos e colegas de escola. Todos estão casados, pais de família, e contam-me sobre suas vidas e sobre aquilo que conquistaram. Ou aos meus amigos, eles têm seus namorados, conheceram a Europa e tem bons salários que lhes permitem uma vida confortável. Materialmente e emocionalmente, o que foi que eu construí?
Tenho óbvio, também, algumas conquistas. Intelectualmente, de fato, aos 30 eu já era professor doutor, não que isto seja muita coisa, não é, acreditem, é apenas um título, mas este título significa uma vida dedicada à academia com uma paixão que dava gosto de ver. Espiritualmente, também, eu tenho motivos para me orgulhar. Ser agora aspirante ao sacerdócio da minha igreja, meu trabalho como terapeuta reikiano e meus dons mediúnicos (e o bem que posso fazer a outras pessoas com eles) são motivos de orgulho. Mas notem que todas estas coisas são internas. Quando eu olho para fora de mim, que eu procuro algo para me dar segurança, algo que eu possa literalmente me apoiar como uma espécie de lastro, é esta minha necessidade de amor, tal qual é minha necessidade de tranquilidade financeira, preciso de algo para me manter acima da superfície quando o universo tenta nos afogar. Usando a mesma metáfora, meus ganhos intelectuais e espirituais são como a habilidade de alguém de nadar, evita que eu morra afogado; mas o amor e o dinheiro que me faltam seria o barco que me protegeria da violência do mar. 
É deste barco, desta proteção, que eu me vejo privado ainda com 33 anos e isso me assusta. Meu medo é que eu nunca consiga sentir-me seguro na vida que eu tenho, que tudo sempre seja um risco, que eu não possa caminhar tranquilo pela vida que eu decidi seguir, meu medo é de não ter onde me enraizar, a verdade é esta. Quero crescer, quero ver meus frutos, quero poder gerar sombra para os outros também (tô todo trabalhado na metáfora hoje) e para isso eu preciso de solo firme sobre meus pés. Mas cadê? É por isto o meu medo agora que chego a iniciação crística. Só me resta torcer para merecer aquilo que o meu mapa astral está mostrando agora para o meu ano seja verdade. Espero que seja possível. 




31 comentários:

  1. Parabéns queridão ... sua vida só está começando ... a minha só começou aos 31, etão não acho q vc esteja tão atrasado assim não ... tudo no seu tempo e no seu tom ... bora encarar os 33, marco inicial e uma nova etapa, talvez a mais rica e a mais produtiva, depois dela vem a q estou nela ... 63 ... só colher ...

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, dizer que minha vida só começou agora (coisa que vc faz todo ano) é, além de pura condescendência sua, uma falta de respeito com qualquer um mais jovem. E, se minha vida só começou agora, minhas experiências anteriores (doutorado, aula de canto, de desenho, seminário, o namoro com Tato, os amigos que tive) não significam nada? Não repita essas coisas, homem, da altura de seus 63 anos vc poderia nos dar conselhos muito melhores se parasse de repetir estas frases feitas.

      Excluir
    2. Viu, você mesmo defende sua experiência anterior ((doutorado, aula de canto, de desenho, seminário, o namoro com Tato, os amigos que tive)). E não seja grosso com o Bratz, ele só está querendo ajudar. A cada aniversário, dá pra começar tudo de novo. Eu sei que ele fala umas coisas meio tortas.

      Além de quê, ou você trabalha e guarda dinheiro na vida, ou você estuda na faculdade — se for federal, aí pega mesmo —, faz mestrado, doutorado, e você sabe que isso só da dinheiro se você passar em algum concurso. Eu estou nesse mesmo dilema, só guardado as devidas proporções. Enquanto alguns amigos começar em seus empregos, eu fui "perder tempo" na facul. Agora, com o curso trancado, preciso juntar o meu dinheiro.

      E quanto à família, se você se dedica ao estudo, obviamente não vai ter tanta liberdade para filhos e maridos, o que não sei se é teu caso. Pra uma simples foda já fica complicado, embora no meio universitário abre-se um imenso leque de oportunidades.

      Relaxa, nao tenho outra coisa pra te dizer.

      Excluir
    3. Olá, primeiro, eu não fui grosso com o Bratz, eu falei a verdade. Ele costuma repetir frases feitas e acreditar que acrescentou algo a discussão, eu apenas o informei que ele é melhor que isso e pode fazer comentários mais construtivos do que o tipo que ele costuma fazer. Isso não é ser grosso, chama-se sinceridade.

      Atualmente eu apenas trabalho, querido, e ganho pouco, só dá para me manter mesmo, pagar as contas do mês (aluguel, luz, água) e passagem de ônibus, o que sobra eu compro revistas e livros pra ler. Somente. Não é uma vida ruim, que fique claro, mas não é nada tranquilo. Eu não sei, por exemplo, se terei dinheiro mês que vêm para pagar as contas novamente já que trabalho por conta própria.

      Quanto a família, desculpe-me perguntar: mas você já leu meu blog? Não é falta de tempo, é falta de ter alguém que queira estar comigo. É fácil, inclusive muito fácil, conseguir sexo, mas eu não encontro ninguém que queira ficar do meu lado por mais de uma noite.

      E tentarei relaxar, tentarei.

      Excluir
  2. Parabéns, Foquinho. E se o mapa tá dizendo, tá dito! Muito "lastro" pra você, de agora em diante! Porque é verdade sim: a tranquilidade material e/ou emocional ajuda muito em todas as outras áreas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou com os dedos cruzados aqui, Edu, daqui um ano eu conto o que aconteceu.

      Excluir
  3. Parabéns Foxx, muitas felicidade e muitos anos de vida. Muitos acham seu blog depressivo, isso pq nunca foram neste http://gaysozinho.blogspot.com.br/
    Dá uma olhada e tenta ajudar o cara que escreve este blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Anônimo,
      E eu vi o blog lá, o moço precisa de muita ajuda mesmo.
      Vai lá e pede pra ele confiar em mim.

      Excluir
  4. Vc sabe que paciência tb é uma virtude que terá ue desenvolver...calma...logo as coisas que espera darão frutos e terá o sossego tão desejado...

    No mais, se estivesse ai daria umas cintadas nas suas pernas do lado da fivela para vc deixar de achar que está velho...

    abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Fael, eu só acho que está na hora de ter sucesso sabe? Tô velho para ainda estar no meio da guerra.

      Excluir
  5. Parabens FOXX, espero que estes sonhos, estes projetos que tem, se realizem o quanto antes! abraços paulistanos!

    ResponderExcluir
  6. Genética maluca foi hilário e cômico.... Aliás, li o texto de uma forma cômica e não como algo depressivo. Desculpe, pela minha interpretação...
    Celebre a vida e o momento presente, o resto é consequência.
    Embora nestes casos sou idem a ti. Niver me deixa na depre, é o momento de reflexão.
    Feliz aniversário.
    Abraços garotão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E não foi um texto depressivo, querido, eu apenas estou assumindo um medo. Somente isso. E com todo o bom humor possível, não vejo nada depressivo nisto, ou será que estou errado?

      Excluir
  7. Foxx, tudo bem?
    Menino, parabéns novamente, eu pra variar sempre te parabenizo antes ou depois kkkk Mas os desejos são os mais sinceros.
    Um bjo menino

    ResponderExcluir
  8. Bom... na minha opinião essa falta de segurança referente ao trabalho, você ao contrário de boa parte das pessoas escolheu fazer o que ama, ao invés de uma coisa que dê dinheiro mais rápido. Em relação ao amor também se deu na maioria das vezes por conta de algumas escolhas suas. Quando você tinha a chance de escolha, escolhia errado, ou melhor, o que a princípio pra você era bom ou que sabia que era ruim e foi mesmo assim. E sendo sincero tem coisas que você continua "plantando" a 32 anos que dão e vão continuar dando frutos podres, ruins. Algumas que só aumentam seu tão pesado carma. Mas cabe a você tentar sair desse círculo vicioso que você viveu até seus 32 anos, decidir de fato o que você quer fazer em relação a determinados pontos da sua vida.

    ResponderExcluir
  9. E lá vamos nós voltar nisso... Vou dar mais murro em ponta de faca, daqui praí e vc daí pra cá e não concordaremos e recomeçaremos novamente como se nenhum argumento tivesse dito antes.


    Acho que sob a perspectiva de segurança que vc coloca ai, um amor é tão fulgás quanto um título, se não for mais... Suas construções são internas, te formam dentro da sua subjetividade e sinceramente??? Nada me parece mais seguro de fato... Dinheiro e amor são os dois troféus ocidentais, as chancelas da felicidade... Mas se a gente for olhar os consultórios dos terapeutas Leblon e os casamentos do Oiapoque ao Chuí, percebemos que de perto percebe que o buraco é bem mais em baixo!

    Seu texto me fez recordar de uma situação. Em 2009 eu estava doente, com a perna inchando todo mês a ponto de andar de muleta, desempregado, recém tomado pé na bunda. Na outra ponta meu ex comemorava a vida badalada de um disputado acadêmico da USP. Me sentindo uma grande bosta, um amigo que era em comum de nós dois (muito mais meu que dele) falava do quão fútil ele vinha se tornando cada vez mais e me disse: "De todo meu coração, não falo por pena, mas por mais fudido que vc esteja e por mais confortável que ele esteja agora ele nunca vai ser melhor que vc..."

    E hj eu entendo, sabe?? Não que eu seja foda, mas pq ele é um bobão mesmo, futil, ligado em mesquinharias...

    Um quase-sacerdote, historiador, intelectual, artista nas mais diversas expressões da arte... Sinceramente eu gosto muito do produto final ai desses 33 anos, devo achar nele um produto melhor do que vc acha mesmo... Mas tmb entendo que se vc olha tudo isso como uma reunião de títulos inúteis eles acabam tendo o mesmo valor de ter muito dinheiro e não ser feliz... Acho que o que precisa pra sua vida é redefinir critérios... Aliás acho que a maior contradição sua é ser essa pessoa com tanta clareza a cerca do ser humano e da vida e ao mesmo tempo acreditar que a felicidade se mede por critérios da TFP... De repente a vida sacerdotal te traga outros ares...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até voltei ao texto para ver se eu estava falando sobre felicidade mesmo, porque eu não lembrava em momento algum disto ter passado pela minha cabeça. Meu questionamento era sobre necessidade de segurança, eu gostaria de ter dinheiro para poder viajar, pagar minhas contas (água, luz, net, etc) e ir ao cinema sem ficar contando as moedas para saber se dá, e normalmente não dá e o cinema é sacrificado, viajar é completamente impossível. Se eu seria feliz tendo isso? Não sei, mas eu não teria medo do mês que vem não dar para pagar. E também teria dinheiro guardado para uma emergência médica, que não tenho. Sobre amor, quando eu vivia sozinho em BH e adoecia, eu não tinha quem buscasse um remédio pra mim, e experimentei um tipo de solidão desesperador que não desejo viver de novo e neste caso talvez eu falasse de felicidade mesmo porque se eu tiver a garantia (e portanto tb a segurança) de que eu tenho uma única pessoa que não me deixará sozinho eu serei feliz sim.

      Excluir
    2. Bem.. Se teu desespero da vida é o fato de não ter dinheiro sobrando pra viajar ou pra contar moeda pra ir no cinema.. Ok.. Tá com a maioria do Brasil, nada de diferente, bola pra frente!!!

      Excluir
    3. Eu sempre disse que não tenho nada de especial, Gato, você quem afirma que tem algo interessante em mim, meus problemas são comuns e tem inúmeras outras pessoas no mundo passando exatamente a mesma coisa que eu. Não tem absolutamente nada de especial em mim.

      Excluir
    4. Olha, para ser bem sincero eu concordo com o Hu... com o Gato. Acho que seu strike aos 33 anos está bem elevado, chegou a um patamar muito acima do que eu receio não alcançar aos 33 anos. Sem contar que isso é bem relativo, passar dos 30. Tenho amigos que são categóricos em dizer que se tornaram justamente mais seguros por estar nas casas dos 30. Outros eu conheço, nem gostaria de chegar aos 30, mas se perguntados se querem voltar aos 25, minha idade por exemplo, eles não querem. Olha, com relação ao dinheiro, só acho ruim mesmo isso de viver a conta gotas. E sabe Le... eu te conheço de outros verões, não sei o que você faz atualmente da vida, mas é bem certo que você é capaz de passar um concurso público que lhe confira pelo menos uma vida que lhe permite um imóvel modesto, mas confortável, suas necessidades básicas e o seu lazer, e isso é mais que suficiente. Não sejamos escravos do consumismo.

      Excluir
    5. primeiro: OMG, quem é você que sabe tanto sobre a gente?!?
      Espero poder conseguir passar em algum concurso algum dia, espero!!! Mas não é simplesmente decidir passar que a gente passa né? Não é tão simples assim!!! Tem que esperar o concurso acontecer, tem que ser aprovado, é algo que necessita tempo, eu tentarei isso com certeza, mas não pode ser um objetivo a curto prazo, não é?

      Excluir
  10. Hey ! parabéns !
    Bom, foque nesse ano em que as coisas germinarão, acredite !
    Não se preocupe tanto com o que vc não fez até hoje, mesmo porque, o que vc pode mudar é daqui pra frente !
    Um bom ano mesmo pra vc !

    Abraço !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado Marcos.
      E é o que eu pretendo fazer, me focar no que pode germinar este ano.

      Excluir
  11. Vive a tua vida, goza o teu dia a dia, não compares a tua vida com a de outros. Ela é diferente porque é tua e tens que a gozar, ser feliz, porque ela é curta. Quem te diz isto é alguém que já passou o dobro da tua idade e que ainda quer tirar proveito do tempo que lhe resta...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, João, "ser feliz" não é meu objetivo de vida, faz muito tempo que eu percebi que isto não faz parte do que eu posso fazer, meu objetivo é somente aceitar aquilo que tenho, PORÉM, de fato, eu gostaria de ter mais segurança, de ter uma folga para respirar, ter tranquilidade, acho que a palavra correta é essa... eu não procuro felicidade, somente uma vida tranquila. Felicidade está com certeza além do que eu posso conseguir.

      Excluir
  12. Eu escreveria um texto diferente, apesar de viver as mesmas situações... Dinheiro falta sempre e esse tal amor não é algo seguro nem de longe.

    Contudo, não é isso que me causa alguma crise. Meu problema é outro...

    Mas um dia a gente aprende, né? Parabéns atrasado, querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ora, claro que vc escreveria um texto diferente, vc é uma pessoa diferente, vive uma vida completamente diferente da minha, inclusive tem coisas que eu nunca tive ou poderei ter, é ÓBVIO que vc escreveria um texto diferente e você não vive as mesmas situações. Por mais que seu dinheiro falte, você é um funcionário público; por mais que amor não seja algo seguro, você é um homem casado. Você DEFINITIVAMENTE não vive as mesmas situações que eu nem de longe!
      E, portanto, se vc não vive as mesmas situações que eu, logo seu problema é outro, não é?

      E obrigado pelos parabéns.

      Excluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway