Google+ Estórias Do Mundo: Seguro Em Minhas Mãos

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Seguro Em Minhas Mãos

, em Natal - RN, Brasil




Esta campanha foi lançada esta semana pela empresa de seguros AllState, por causa do Dia Internacional do Orgulho Gay, próximo dia 28 de Junho, com o título Safe In My Hands (Seguro em minhas mãos) e fala sobre o direito dos homossexuais de demonstrarem afeto em público em segurança. A campanha, contudo, não se volta aos heterossexuais dizendo a eles que os gays tem o direito de não serem importunados, ao contrário, ela instiga os gays e lésbicas a, mesmo havendo preconceito, que eles continuem manifestando afeto em público, porque, afirma a campanha, o que torna a vida dos homossexuais mais perigosa é a invisibilidade. Quanto menos nós aparecemos, na TV, na rua, dentro dos shoppings que pipocam nas cidades brasileiras (apesar deste ser um modelo de negócio falido), mais nos tornamos vulneráveis a ataques homofóbicos. Precisamos sermos vistos em meio ao povo para sermos protegidos exatamente por estes olhares reprovadores. Quando nos escondemos em guetos, becos escuros e bairros marginais, nós damos a possibilidade para que nossos atacantes sintam-se seguros (olha que ironia) para nos atacarem.
A mim, fez muito sentido. Mas as pessoas que expus a ideia. Todas sem exceção não apoiaram. Logo surgiu a frase que me fez me arrepiar dos pés a cabeça: "Ser gay não é uma bandeira que eu devo levantar em todo lugar que eu chegar". Não é? Então é o que? Ser gay não é algo privado, ao contrário do que a militância yuppie da década de 1990 pregou. Gozar é algo privado, porque afinal de contas, você pode gozar inclusive sem a presença de nenhuma outra pessoa, às vezes, somente com sua imaginação (os sonhos eróticos estão ai para provar isso). Ser gay é uma identidade (repito isso), é algo que nós assumimos para os outros, não para nós mesmos! Ser gay é algo que fica do lado de fora do nosso corpo! E, com esta identidade, nós nos colocamos num certo posicionamento político. É como ser de esquerda, é como ser de direita, é como ser anarquista, é como ser comunista, é como ser liberal, ser gay não tem a ver com sua relação sexual, mas com o posicionamento político e cultural que você assume quando sai do armário. Por isso os g.0.y e os H.S.H renegam esta identidade, eles rejeitam o projeto político-cultural que nos envolve. 
Portanto, perceba, você, homem gay, toda vez que você beija um homem, o abraça e, principalmente, toda vez que você começa um namoro com um homem (não falo nada sobre sexo, este pouco me importa!), você assume um projeto político que precisa tornar-se consciente: estamos aqui para mudar o mundo. Ser gay significa que só vamos sair daqui quando formos aceitos. Não que eles nos deem nossos direitos (esse é o projeto yuppie), não que eles nos garantam liberdade para viver nossa sexualidade em paz (este é o projeto g.0.y e de inúmeros outros grupos), nós queremos mudar de verdade a porra desse mundo! Ser gay significa em cada beijo que você der no seu namorado, você estará mostrando as pessoas ao seu redor que a diversidade existe. Que o modelo de família heterossexual não basta, que o modelo de amor entre homem e mulher é ultrapassado, que a existência humana tem muito mais espectros do que a bipolarização homem-mulher consegue absorver. 
Desculpe te informar, mas todo gay e lésbica é um militante. Desculpem-me se vocês têm medo disto ou preguiça. Todo homem gay e mulher lésbica dedica sua vida, consciente ou não disso, de ser um exemplo para os outros que o mundo é muito maior. Ai está a diferença: se somos conscientes deste serviço, nós não agimos para atrasar o processo. Quando nós não nos beijamos na frente de alguém por "respeito", quando não seguramos na mão dos nossos namorados com medo, quando apresentamos nosso marido como amigo. Quando sabemos que nossa tarefa política é mostrar nosso estilo de vida gay é possível para qualquer um que assim o deseje, se esconder se torna uma bobagem. Então, junto com a AllState eu convoco vocês, todos, a andarem de mãos dadas com vossos namorados. Somente este gesto, vocês não sabem o quanto estarão mudando o mundo com este simples gesto.

34 comentários:

  1. Mandou bem Foxx ... um post altamente relevante e muito bem contextualizado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, temos que ter consciência de nosso papel nesta sociedade. Ter consciência e responsabilidade por atuar corretamente dentro deste papel. Afinal, para mudar o mundo, basta cada um de nós dar um passo na direção certa, não é Paulo?

      Excluir
  2. nunca tinha parado para pensar nesse assunto de militância.
    eu concordo com muita coisa que vocês escreveu aqui e outras eu só acho radical demais, mas essa é só a minha opinião.

    eu não posso dizer que não levanto bandeira porque eu assumo que sou gay em qualquer meio em que eu estiver, ainda que corra o risco de ferir os bons costumes de alguém, e sempre me posiciono quando estou de frente com alguma situação de preconceito que eu presencie.

    nunca tinha pensado nisso, da demonstração de afeto ser um tipo de militância. apesar de achar necessário, não sei se eu gosto dessa ideia.

    tenho medo de gente radical, mesmo que por um bom objetivo, confunda o afeto que sentem com a intenção de chamar atenção para o problema social.

    não sei se eu tô rasificando a discussão ou me estendendo, mas não quero chegar ao ponto de confundir a minha relação pessoal com os problemas de preconceito que a gente presencia diariamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antônio, você tem medo de gente "radical" que "quer chamar atenção" porque luta contra o preconceito? Porque? Você usou as palavras de pessoas que querem manter a identidade gay como algo privado, que dizem que efeminados só querem chamar atenção, que é radical nós exigirmos que a família mude para que nossos casamentos possam também ser considerados família. Desculpe te informar, mas você só está sendo yuppie. Vc nasceu e cresceu sob a influência deste pensamento (da década de 1990) e por isso você utiliza estas palavras e não enxerga que qualquer coisa que nós fazemos, só o fato por exemplo de eu sair de casa todos os dias e sem vergonha de ser gay, de cabeça erguida, já é lutar contra o preconceito (e não estou sendo radical). Ter um namorado, sair com ele para o cinema, ter uma vida normal, já é lutar contra o preconceito, Antônio, mesmo que você não queira. Se você não se esconde!

      Excluir
  3. Mas nós, como gays, podemos invalidar a identidade de g0ys e hsh? Porque em muitos sites os comentários são que eles são bichas enrustidas, gays no armário, etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Considerar que os g.0.y. e h.s.h. são bichas enrustidas, que são gays no armário, não é dizer que só o nosso jeito de viver é o certo, Nick? Não é agir exatamente igual aos heterossexuais dizendo que existe um caminho certo de expressar a sexualidade e que a forma deles é errada? Não é a mesma coisa?

      Excluir
  4. Concordo contigo! Militar pela visibilidade com certeza é beijar o namorado do mesmo sexo em praça pública. Sair de casa e mostrar sua identidade gay é militar por um mundo mais inclusivo e menos preconceituoso! Parabéns pelo post.

    dentrodabolh.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Bom texto, discurso muito bonito, mas não me convenceu.
    Pode me achar um filho da mãe egoísta, mas prefiro me manter mais discreto em locais públicos, onde não sei nada sobre as pessoas que estão ao meu redor, em um país com nível de rejeição a homossexuais tão grande. Não quer ser surpreendido com um golpe de lâmpada na cara um dia qualquer, por pessoas que simplesmente não entendem nada sobre isso e vão reagir da pior forma possível.
    É mais ou menos como dizer para alguém que mora no Sudão para demonstrar o amor em público e que assim os avanços acontecerão em prol da igualdade.
    Na cidade em que vivo houve um caso relativamente recente de crime causado por homofobia, e os responsáveis estão impunes.
    Então eu gostaria de saber, quantos de nós teremos que morrer e ser agredidos, seja verbalmente ou fisicamente, em prol de tal "ato político"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas Anônimo nós somos agredidos verbal e fisicamente fazendo ou não. Eu sou xingado por ter a cara de pau de sair de casa para comprar pão. Você pode levar a lâmpada na cara somente por ter dado o azar de cruzar com um imbecil. Ao contrário do que vc disse, evitar "dar bandeira" não nos protege, só causa está sensação de impunidade pq aonde não existe nem vítima, não pode existir crime.

      Excluir
  6. Emocionado com essa campanha muito legal.

    ResponderExcluir
  7. Vou pedir licença para discordar do seu comentário de que todo gay é militante. Eu não acredito que o fato de eu ter uma preferência por pessoas do mesmo sexo signifique, necessariamente, que eu tinha que ser militante disso. Contudo, concordo com você quando você afirma que a invisibilidade é o pior dos cenários no qual casais homossexuais possam viver. Pessoalmente, me sinto incomodado sempre que vejo algum casal, seja ele de qualquer tipo, se agarrando na rua como se não tivesse um quarto, motel, ou qualquer outro lugar mais íntimo para trocar carícias mais " fortes ". Não é esse tipo de imagem que vai fazer com que as pessoas passem a respeitar os casais homossexuais. Acredito, no meu mais profundo íntimo, que a naturalidade das coisas acabam ganhando mais espaço do que a simples escancaração. Um beijo de olá, um abraço de até logo, um beijo na mão, mostrando ternura, amor, cumplicidade, é muito mais poderoso do que um beijo de língua de novela no meio da avenida Paulista, por exemplo. Para mim, serão sempre os pequenos gestos os mais poderosos para ganhar mais espaço, ganhar mais respeito, ganhar mais visibilidade, sem deixar que fiquemos renegados somente aos guetos. Parabéns pelo seu post. Adorei. Vou ver o vídeo depois.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, vc começa dizendo que não concorda, mas depois diz tudo o que eu disse. E por quê? Porque você acha que estes pequenos gestos não são militância, mas é sim. Acho que o problema é que nós não concordamos com o sentido da palavra militância. Não é?

      Excluir
    2. Eu acho que meu problema, basicamente, é mesma palavra militância. Ponto para você.

      Excluir
    3. Pois é, pra vc é algo negativo, pra mim é qualquer ação que visa construir um mundo melhor. É disso que eu falo.

      Excluir
  8. Acabei de ver o vídeo e fiquei extremamente emocionado com a forma sublime que ele apontou as diferenças. Adorei. Muito obrigado por me proporcionar essa experiência, amigo Foxx.

    ResponderExcluir
  9. Gente... vídeo mara! Campanha mara! Já tô pegando na mão de todo mundo... hehe! Valeu por compartilhar, Foxxito!!!

    ResponderExcluir
  10. Foxx, preciso da sua ajuda ou de algum leitos seu que saiba. Eu leio vários blogs, e quando eu faço login da minha conta do google/blogger sempre aparece as atualizações dos blogs, de todos que acompanho. Porém não está abrindo todos, e sim somente a atualização do último blog que atualizou na lista de blogs que sigo, mesmo estando clicado em "todos os blogs". O que faço você ou alguém pode me ajudar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, Nick, eu não sei como te ajudar. Será que alguém aqui sabe?

      Excluir
  11. Adorei Queridão!
    Pegou pesado mesmo... isso é algo que sempre mexe cmg...
    Eu não tenho coragem por medo do que vai me acontecer... mas sei que seria diferente se agisse diferente. Tai uma coisa que deixo de fazer...

    obrigado pelo chá de simancol!

    bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc se sentir criticado e me agradecer por isso mostra que espécie de homem especial é vc, amigo. É uma honra ter uma pessoa incrível como vc discutindo meus textos aqui comigo.

      Excluir
  12. Da uma preguiça mesmo... Medo tmb de certa forma, mas preguiça monstra.. Na verdade se a gente parar pra poder raciocinar toda rede de relações e tramas sociais no simples fato de dar "bom dia, ou não dar, pro seu porteiro, começa a perceber que buscamos leveza pq na verdade nem de longe a temos de fato.. Tudo é muito denso...

    Mas seu post me remeteu uma conversa que tive com uma travesti, certa vez.. Ela namorava com uma mulher que tmb era travesti m(super gato a namorada dela).. E ai durante a conversa eu cheio de gás perguntava se ela tinha noção do quão rica era a relação que ela vivia, do quanto desconstruía a ordem, o quanto confunde e serve de ilustração contra um mundo de babaquisse.. E ela só me respondeu: Eu não.. Só quero namorar...

    rsss... Achei fofo e super me solidarizo, acho graça quando as pessoas me fazem mil perguntas mirabolantes sobre a rotina de um casal gay e.. Sabe??? O que dizer além de idas ao super mercado, discussão pela arrumação da casa ou aquisição de uma batedeira??? Nada mesmo!!! Mas enfim, faço a revolução até dormindo, paciência!!!

    Deixa eu ir pra cama que o líder revolucionário tá me enchendo o saco.. beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Gato, ir ao supermercado como vc faz, eu levantar todo dia e me atrever a andar na rua, sua amiga travestis namorar, esses pequenos gestos que não fazemos escondidos é que nos permite transformar o mundo, um pouquinho de cada vez, um centímetro por ano, mas muda...

      Excluir
  13. eu sempre que leio vc penso: quero ser amigo do FOXX. É o tipo de pessoa que sabe convencer com argumentos bem colocados. Ponto pra vc...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria um imenso prazer e uma honra inigualável ser seu amigo, Rafael. De verdade! =)

      Excluir
    2. Confesso que seu texto gerou um grande debate entre pessoas do meu circulo de amizade...advogados, ( uma futura juíza), diretor de TI e outros mais passaram por aqui e leram. Mas todos tiveram um único comentário em comum...vc escreve, se manifesta e expõe de forma brilhante...parabéns! Somos amigos? rs rs rs.

      Excluir
    3. gente, que honra! me manda um e-mail e conta esta estória? leninfoxx@gmail.com, afinal amigos sempre trocam notícias não é?

      Excluir
  14. Foxx, fique à vontade de fazer o seu #100happydays, a ideia não foi minha e eu só estou usando porque achei interessante. Mais detalhes você encontrará no próprio site deles. Eu só não criaria outro blog para isso pq não consigo dar conta nem de um, quanto mais de mais um! Rs

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tarde demais, querido, já criei o novo blog: http://365diasdefelicidade.blogspot.com
      aparece lá.

      Excluir
  15. A palavra é INSPIRADOR.
    Vc conseguiu !

    Abraço !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau! Espero que sim, Marcos, se eu conseguir inspirar alguém, se eu conseguir fazer um comportamento se modificar, acho que meu trabalho aqui está funcionando!

      Excluir
  16. Bela reflexão.
    Todo aquele que difere da maioria é, por si, um revolucionário, queira ou não. Mas militante propriamente exige uma decisão para a exposição e o enfrentamento. Ambas serão encaradas por cada um de modo diferente.

    Cada um dentro de seus limites, que são e serão sempre muitos para a maioria. Embora estejamos todos no mesmo exército e querendo ganhar a mesma guerra, nem todos lutarão nas mesmas posições. Por inúmeras razões. Especialmente porque somos diversos na nossa maneira de nos aceitar e de enfrentar o mundo que nos cerca.

    Ou seja, você tem razão. Mas o mundo, nós, nem sempre estamos no lado mais racional e objetivo. Seria ótimo se fosse diferente, mas não é.
    O mundo avança apenas graças aos revolucionários que são também militantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando alguém como vc diz que tenho razão dá um alívio. É bom ser aprovado por quem a gente admira né?

      Excluir
  17. Sim, saber que não estamos sozinhos no que pensamos sempre conforta e anima a caminhar adiante!

    ResponderExcluir
  18. Ser gay para mim é proceder sempre de acordo com a minha maneira de ser, fazer a vida normal que sempre fiz e onde quer que seja.
    Não interessa se é em privado ou em público, apenas os limites me são impostos de uma forma lata e não restrita a actos gays,
    Se eu não acho bem que numa carruagem do metro um casal hetero esteja numa sessão de beijos que põe toda a gente a olhar, naturalmente que o não faço com um homem , da mesma forma.
    Mas se me apetece dar um beijo na face a um homem onde quer que seja, dou. e se me apetece estar de mão dada, estou,
    Devo mostrar que isso é algo tão normal como nos heteros, porque eu não sou de forma alguma apontado como gay e nunca o faria com um gay facilmente identificado como tal, pois não os aprecio para companhia, apenas...

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway