Google+ Estórias Do Mundo: China: O Favorito do Tigre de Pedra

terça-feira, 6 de agosto de 2013

China: O Favorito do Tigre de Pedra

, em Natal - RN, Brasil


É o poeta Li Qi, da dinastia Jin (250-406 d.C.) quem canta sobre o amor entre o general Ji Long, chamado de Tigre de Pedra, e o jovem cantor chamado Zheng YingTao. Li Qi parece fascinado pela violência deste amor, o amor caótico que o Tigre de Pedra representa. Não satisfeito por dividir o seu amor com as duas esposas dele, o jovem cantor caluniou então as esposas, fazendo com que o general tivesse que matá-las, Li Qi imortalizou o conflito de ambos em seus versos: 

Yingtao tinha uma bela aparência e fragrância e foi favorecido (ze)
Resplandecentemente serviu no quarto e monopolizou os apartamentos privados.
Na câmara de ouvir foram roupas finas para trinta mil mulheres
O rei pescador de olhos castanhos não pode ser visto no espelho claro

O conto trágico de ignorar suas esposas enquanto está envolvido com um belo jovem é um pathos bem comum em toda a literatura, que inclusive se repetiu na pena de grandes escritores modernos e contemporâneos, mas a linguagem indireta, típica da poesia Tang, rende um significado opaco para os leitores ocidentais que possam não estar avisados sobre a tendência da poesia chinesa de camuflar o sexo (seja ele homoerótico ou entre um homem e uma mulher). Traduzindo o texto podemos entendê-lo assim: a câmara de ouvir está repleta de roupas (30 mil) que representam as concubinas do general que estavam sendo negligenciadas, os olhos castanhos do rei é uma sinédoque para as mulheres enquanto o próprio espelho claro é o general. O poeta condensa a beleza trágica no mínimo espaço, usando imagens densas de significado complexo.
Bret Hinsch chama atenção ainda para o significado da palavra ze, que traduzimos como favorito ou favorecido. Esta palavra tem o significado original ligado a pântano, charco; um significado literal pode ser dado para terra fértil, fertilizar, e conforme o tempo ganhou o sentido de favorecer, aquela terra que favorece seu dono, benefício. A partir daí, o significado passa a ser também o daquele homem que é protegido, enricado e também fertilizado pelo seu amante. Bret Hinsch chama atenção do sistema de patronato e prostituição que liga os homens na China Antiga. É importante lembrar que o casamento é na China um excelente meio de ascensão social tanto para homens quanto para mulheres e os homens também podia, e faziam frequentemente, se envolver com homens que podia tornar-se seus mantenedores, sustentando-os como era possível fazer com uma esposa ou concubina, levando em consideração que a China permitia na Antiguidade tanto o casamento entre dois homens como o casamento entre um homem de uma mulher (não existem registros de casamento lésbico), como também a lei permitia a poligamia e além de haver uma esposa principal era possível adotar concubinas que, não era impossível, também podiam ser homens. 
É necessário fazer um afirmação aqui: costumeiramente o casamento é apresentado como uma instituição que não mudou na história da humanidade, apresenta-se que a família nuclear (pai-mãe-filhos) é um modelo que sempre existiu. Temos visto aqui que esta é uma falácia enganadora, não precisamos contar que ainda hoje os árabes e os nativos brasileiros (algumas tribos) têm uma família que inclui um marido-várias esposas-filhos, mas é preciso sobretudo afirmar que na história da humanidade o casamento nem sempre seguiu este modelo que hoje é protegido como se fosse a base de nossa sociedade. A família é realmente o grupo básico da organização social humana dentro da história, contudo as formulações do que é uma família mudaram extremamente durante o trajeto humano na Terra. Nosso modelo social não é natural, ele foi imposto com objetivos políticos bem específicos, mas esse é um assunto para outro texto.

10 comentários:

  1. Adoro esses teus posts... aqui aprendo mais! #FATO! Hugz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pelo número de comentários, Fred, acho que só vc gosta.

      Excluir
    2. Então continua postando - nem que seja só pra mim... hahahaha! E sua "chatice" tem um charme agregado... ;)

      Excluir
  2. Mais um post que vai ser impresso e utilizado para a aula de literatura chinesa sobre a qual falei da outra vez ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Indique para seus colegas de sala, viu?
      =)

      Excluir
  3. Poxa, magoei! (rsrsrs) Eu sempre leio e gosto dos seus posts históricos! Me senti excluído agora! Eu até ia comentar que não entendi sobre a parte da instituição familiar, mas não vou mais. (rsrsrs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que bonitinho o Adriano com ciúme.
      =)
      quase me senti amado agora.
      bem, como vc não explicou exatamente o que ficou em dúvida, eu vou tentar abarcar tudo...

      segundo a sociologia, as famílias se dividem a partir da forma como se formam, existem famílias tronco, que a partir de um casal se organizam os filhos (e genros e noras), os netos, os bisnetos, etc, e esse tipo de família não se separa, só se agregam mais pessoas; existe o tipo de família nuclear ou casal simples, isto é, a família formada por um pai, uma mãe e dois filhos, que se separa dos avós e dos tios/primos, vivendo uma vida quase sem relação com os outros parentes; existe o tipo de família pais solteiros, existe os tipos poligâmicos também, um homem e várias esposas ou uma esposa e vários maridos, em que os filhos, normalmente, não enxergam diferença entre os pais ou mães múltiplos, eles são filhos daquela família; existem as concubinas e os filhos bastardos; existem os agregados familiares, comuns nas famílias dos nordeste e interior de Minas Gerais; em resumo, existem um mil tipos de estruturas familiares no mundo, não obstante aqueles que se posicionam contra o casamento gay argumentam que família é somente aquela formada por homem-mulher e, portanto, não existe motivo para se aprovar o casamento gay já que homem-homem ou mulher-mulher nunca na história da humanidade constituíram uma unidade familiar. Muitos argumentam que a família é uma tradição milenar que precisa ser mantida; mas nossa família, este modelo nuclear que vivemos hoje, que é defendido veementemente é uma invenção burguesa do século XIX, ou seja, tem apenas 200 anos, enquanto localizamos o casamento gay sendo celebrado desde sempre, este modelo "tradicional" foi o último a ser inventado para assegurar um controle maior do Estado sobre a reprodução da família proletária, isto é, um maior controle do Estado sobre a reprodução dos novos operários para as indústrias. Este modelo de família que é defendido pelas Igrejas não passa de uma criação de periquitos australianos, vc coloca dois (um macho e uma fêmea) dentro de uma gaiola, espera eles ficarem no cio e garante bimestralmente 3 a 6 filhotes. É exatamente a mesma coisa.

      Excluir
  4. Que saudade de passar por aqui.
    Como sempre posts ótimos... eu já disse que "dô mó valor" esses teus posts históricos?!
    Abraçoooo! :)

    ResponderExcluir
  5. Você é um ingrato, leio e comento todos os seus posts históricos rsrsrsrs
    Bjux

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehehe
      querido, comparando com os comentários que recebo nos outros tipos de posts, convenhamos, "ninguém" comenta nesses...
      total fracasso, sabe? faço porque eu gosto.

      Excluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway