Google+ Estórias Do Mundo: Homens de Barba

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Homens de Barba

, em Natal - RN, Brazil



Para quem não sabe, eu uso barba faz muito tempo. Na verdade, eu poderia dizer que sempre usei já que sendo meus pêlos faciais daquele tipo que cresce muito rápido, eu nunca pude curtir um rosto lisinho desde minha adolescência. Tirar a barba para mim sempre significou ficar com o rosto verde pelo resto do dia e antes de adormecer, já precisar tirar a barba de novo. Foi essa exigência diária que me fez adotar a barba como parte do meu visual, que aconteceu juntamente quando eu assumi a calvície, eu pensava: "Já que não tenho cabelos na cabeça, talvez a barba compense de alguma maneira". Isso, definitivamente, não agradou de imediato. Eu sofri preconceito de gays e héteros (que ironicamente concordavam na crítica: eu não era homem o bastante para usar barba), mas, logo, veio a explodir a moda hipster, com suas camisas de flanela xadrez, óculos vintage inspirados na década de 1980 e um visual desleixado com cabelos compridos e barba por fazer. A haute couture também ajudou durante os fins da década de 2000, modelos com barbas por fazer frequentava desfiles e logo estes pêlos vistos como falta de cuidado com a aparência tornaram-se moda, in, e as mesmas pessoas que me olhavam torto, além de me concederem elogios, agora tentavam cultivar seus pêlos faciais, os mesmos que combatiam a sessões à laser ou torturantes depilações com cera ou pinça. 
Como a barba tornou-se popular, então, minhas fotos com ela também passaram a ser curtidas. É interessante observar isso também. Eu tive um Fotolog anos atrás, que também era uma rede social que se baseava em curtidas e comentários sobre as fotos, aquelas que eu tirava com barba era com certeza menos curtidas do que as que eu fazia logo após afeitar-me. Contudo, de uns tempos para cá, tanto no Facebook e depois no Instagram (que fiz minha conta não faz um ano), tornou-se comum minhas fotos serem cobertas de elogios em relação a barba. São meninos recém saídos da adolescência, borbulhando com o fetiche daddy; aproveitadores que acham que tenho cara de suggar daddy, ursos e chasers, entre outros, mas, recentemente, um grupo muito estranho tem, principalmente no Instagram, curtido meus auto-retratos, que agora são chamados de #selfies. Estes postam fotos de homens barbudos e de camisetas com frases do tipo "se seu pai não tem barba, você tem duas mães" ou "se torne homem, deixe a barba crescer". Eu me assustei por diversos motivos, mas dois são os mais graves: homofobia e racismo.
1) Homofobia. Homofobia significa, na verdade, não o preconceito contra gays, como se popularizou, o preconceito é apenas o resultado da homofobia, mas ela se caracteriza pelo ato de forçar um modelo de homem para ser seguido pelas outras pessoas. Seja este modelo de comportamento afirmar que homem não chora, que é homem é sempre mais forte, que homem gosta de futebol e que homem só se sente atraído sexualmente por mulheres. No caso que analisamos aqui, então, quando se levanta a bandeira de que homem de verdade é um homem com barba se constrói mais um modelo de homem para ser seguido e novos preconceitos homofóbicos são construídos e disseminados como se este mundo já não tivesse o bastante. Eventos como o #BarbaDay no Twitter, inúmeros Tumblrs dedicados a homens com barbas, postagens no Facebook afirmando que a existência ou não de pêlos no rosto de alguém torna este ser humano especial. Tudo isso uma bobagem sem tamanho e, o mais perigoso, uma bobagem homofóbica.
Qualquer um pode considerar que levar essas "piadinhas" sobre a barba a sério é que é a verdadeira bobagem, mas um garoto de 8 anos de idade, em São Paulo, foi espancado pelo pai até a morte porque não queria cortar o cabelo curto "como um homem de verdade" (veja a notícia aqui), o cabelo curto foi definido como o cabelo masculino exatamente como hoje se define que a barba é o suprassumo da masculinidade humana: a moda assim decidiu e nós admitimos como uma verdade universal, a história, todavia, está ai para provar que décadas atrás o bigode era o grande exemplo de masculinidade, depois a depilação total e a jovialidade e ambiguidade sexual decorrentes entraram na moda, agora é a vez da barba, mas estes processos cíclicos que sempre começam dentro do mundo gay não passam de modismos que mudam ao sabor dos ventos da próxima temporada. 
2) Racismo. Além deste problema homofóbico que a elevação da barba do status de fetiche para símbolo da masculinidade do macho humano, como a juba de um leão ou a cauda de um pavão, existe o detalhe racista que passa desapercebido. Existe uma gradação entre os amantes de barba que vai daquelas barbas mais fechadas, ditas completas e sem falhas (prestem atenção nos adjetivos que levam para o sentido de perfeição) para as mais ralas (barbas falhadas) e os imberbes. Entre estes pogonófilos, aqueles sem falhas são superiores e, não por acaso, são os homens brancos aqueles que, normalmente, apresentam estes tipo de pêlos no rosto. Negros, ameríndios, orientais, hindus, mongóis (talvez a única exceção sejam os árabes) não possuem a barba perfeita. Eu não acredito em coincidências (desconfiar é um excelente exercício intelectual, vocês deveriam tentar!), por isso eu desafio qualquer um a procurar nestes grupos e comparar a quantidade de fotos compartilhadas de homens brancos versos aqueles de outras etnias, inclusive os árabes. 
Observação: Eu sei que, agora, todos vão lembrar que conhecem alguém que é negro ou de ascendência japonesa, por exemplo, aqui no Brasil, que tem uma barba fechada. Lembrem que no Brasil nós temos uma miscigenação imensa, poucos brasileiros não são mestiços, e isso transfere para um indivíduo características genéticas dos diversos grupos étnicos ao mesmo tempo. Porém, os grupos que divulgam fotos do tipo "Faça amor, não faça a barba" não utilizam fotos de modelos brasileiros, não é? 
Conclusões. Para mim, no fim das contas, elevar o homem barbado ao lugar de destaque da masculinidade humana é, além de forçar violentamente mais uma imagem aleatória de homem como um modelo a seguir, cristalizar no imaginário coletivo a figura do homem branco como o ápice da sociedade humana (já que o homem seria melhor que a mulher e o homem branco melhor do que todos os outros homens) e, sinceramente, não precisamos de mais disso. Já tivemos um nazismo uma vez, e ao contrário da barba, ele está definitivamente fora de moda.

21 comentários:

  1. Tomando apenas pelo lado estético, eu adoro barba e sempre usei desde os meus 24 aos 42 anos ... hoje já não uso mais, apenas esporadicamente por conta de sua cor branca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois você com certeza percebeu essa mudança, não é, Paulo? Como, de repente, a barba passou de "preguiça" para um "must have", não foi?

      Excluir
  2. Já ouvi alguns amigos reclamarem sobre isso, não se pode cultivar pelos no rosto se não for pra ostentar aquela barba fechada, coisa rara por aqui, norte do país, onde predominam descendentes de índios e suas miscigenações. Eu não tenho, não é rala, é quase inexistente, e OK isso não me afeta mais, nem minha masculinidade. Gostei da foto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio, querido, mas é uma maldade o que a criação destes padrões faz com as pessoas, você, por exemplo, não deveria se sentir obrigado e muito menos considerar que sua masculinidade poderia ser afetada de alguma forma, ora. É uma maldade imensa fazerem isso com você.

      Excluir
  3. Muito pertinente o texto !
    E não entendo muito bem a importância que as pessoas dão a algumas coisas, mas de fato dão e isso influencia a vida de todo mundo.
    Tem uma frase que uma amiga diz que sempre fica na minha cabeça e não esqueço:
    "Eu me esforço pra ser uma pessoa que acha quase tudo na vida normal."

    Bom feriado !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu não entendo porque as pessoas entram nessas modas que ontem não existiam e forçam os outros a entrar com elas no processo... cadê a liberdade não é?

      Excluir
  4. Muito bom. A barba, assim como outros atributos ou comportamentos, são valorizados ou não, conforme ditam alguns. A questão sempre é tentar entender quem e por que estão ditando isso ou aquilo.
    Quanto a barbas, eu não as tenho. E gosto de homem com barba como gosto de homem lisinho. Depende do homem. Não é a barba que vai fazer a diferença.
    Agora, se ser homem é como esses caras descrevem, ainda bem que não sou!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, questionemos sempre, não é, Alex?

      Excluir
  5. Eu uso barba porque pra mim é muuuuito mais cômodo, prático e confortável. Desde que eu me lembro, eu sempre tive alergia à lâmina de barbear e quando era mais novo tinha uma infinidade de espinha na cara. Era como passar um ralador na cara.

    Depois que eu entrei na faculdade eu vi que podia deixar a barba crescer o quanto eu tivesse vontade. Meus pais não deixavam antes ¬¬ eles reclamam até agora.

    Essa semana, comprei uma das coisas que eu mais quis: um barbeador! Haha, mas não sei usar. Acabei cortando toda a barba, claro. Sabe como é, você tenta arrumar um pedacinho e acaba cortando tudo.

    Eu tenho um monte de falhas incríveis, parecem desenhos de alienígenas nas plantações de milho. Não me importo mais com ela. Eu deixo a barba crescer porque eu gosto e porque é mais cômodo, se é moda, por mim tanto faz. Mas não tinha pensado no que você disse.

    Abraço,

    ResponderExcluir
  6. gostei do texto.

    faça amor, não faça a barba!

    ResponderExcluir
  7. Incrível, Foxx! Tenho um rascunho de post exatamente sobre esse tema, justamente por ter me incomodado bastante nos últimos tempos. E como vivo mais o "mundo gay on-line", é nítido ver que usar barba é o novo padrão entre os gays. Várias fotos em sites de pegaç... digo, relacionamento, são de rostos cheios de pêlos, e algumas pessoas EXIGEM que o procurado também tenha.

    Desde aquela época onde barba era sinônimo de "preguiça", homens assim despertavam minha atenção. Talvez mais por eu desejar ter barba e não conseguir (estou no grupo dos negros e suas falhas, rsrs). Ela tem o poder de transformar o rosto, mudar a identidade, sair da rotina... E, infelizmente, para muitos gays, tem o poder de masculinização. Taí o porquê do "obrigatório barba" em tantos sites por aí...

    Antes homens sarados, agora homens com barba... qual será o próximo plug-in?

    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é, Peter? Mas eu sempre me pergunto: só eu que vejo que não faz muito tempo que todo mundo detestava barba e agora é exigência? Pelo menos vc também observa isso, não sou o único louco. =)

      Excluir
  8. Sei bem como é isso! Só que eu costumo domar os pelos! Hhehehe. Ótimo texto como sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você não se rendeu a (maldita) moda.

      Excluir
  9. E agora me ponho a pensar: Gosto de barba por modismo ou preferência pessoal?

    Me senti horrível conferindo a esse esterótipo "valor". Discussão muito bem pontuada... Excelente texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se te fiz pensar, se te fiz ver que tem coisa errada neste discurso, se te fiz desconfiar de algo, então valeu a pena...

      Excluir
  10. como toda moda, isto é uma onda....daqui a pouco voltamos para a fase dos lisinhos e andróginos...

    ResponderExcluir
  11. Que coisa incrível esta postagem, me identifiquei muito. Na verdade desde que me "descobri" gay sempre gostei de homens barbados, mais velhos e de preferência com muitos pêlos corporais. Nunca entendi como isso funciona, só sei que homens sem barba ou mais jovens que eu não me atraem (nem físico e nem afetivo). Sei lá. Parabéns pelos seus textos e suas fotos.

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway