Google+ Estórias Do Mundo: Na Companhia de Fobos

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Na Companhia de Fobos

, em Belo Horizonte - MG, Brasil
Eu saí de lá correndo. Pernas pesavam tentando me levar colina acima e para longe daquele circo. Circo, teatro, bacanal. Dionísio sorria com certeza, com pena, com graça, debochava. E eu corria, corria até meus pulmões explodirem e minhas têmporas latejarem. Eu estava sufocando quando encostei na parede de uma casa e olhei para os fantasmas dos quais eu fugia. Ainda dava para ouvir os atores, ainda dava para imaginar toda a platéia. Homens se beijando, mulheres se pegando, casais quase se comendo. No palco, na platéia, no jardim, em todos os lugares, ao meu redor. Mas não foi Dionísio, nem Apolo, nem mesmo Hefaístion, foi Fobos, o terror, que me visitou, sentou do meu lado e beijou meus lábios. Eu não podia ficar ali e corri, apavorado. Medo do quê? Fobia do quê? Daquela pegação desenfreada, do bacanal que se formava, da morte dos meus sonhos românticos que provavelmente se daria se eu ficasse ali por mais algum minuto. Não posso, não permitir que minha vida simplesmente termine assim. Que minha única experiência amorosa se resuma a sexo com desconhecidos, beijos sem importância e masturbação a meia luz. O Amor, ó Eros, ele tem que ser mais do que isso! Então eu corri, apavorado, sem ar. Sentei no chão com medo de cair. Mas eu ainda estava perto demais e corri, corri mais, acima e além, e lembrei que um amigo morava perto. Eu não podia voltar para casa naquele estado. Tremendo, ofegante, apavorado. Pedi abrigo, santuário, e ouvidos e consolo. Sentei no chão da casa dele tentando recompor-me do pavor que Fobos manchou minha alma. Eu agora tenho medo, um medo absoluto e certeiro que o único amor que me possa ser dedicado seja o de Messalina e Sardanapalo.

21 comentários:

  1. Ah, mas vc já experimentou o amor e nem faz tanto tempo assim. Falar nisso, quedê Visão, minha gente?

    ResponderExcluir
  2. Uau, adoro mitologia.
    E adorei o texto, repleto delas!
    :-)

    ResponderExcluir
  3. Se ficasse nunca haveria romance MESMO! Adorei as metáforas na crônica

    ResponderExcluir
  4. vc é especialista nessas referências da antiguidade, né?

    mais vale um amor verdadeiro uma hora qualquer, do que milhares de mãos pelo seu corpo. medo completamente compreensível. (a mulherzinha falando)

    ResponderExcluir
  5. definitivamente eu adoro suas referências, seu jeito de escrever...de verdade!

    bjos moço

    (e nem deu pra ir pra bh..snif)

    ResponderExcluir
  6. Ah, mas vc já experimentou o amor e nem faz tanto tempo assim. [2]
    e outra devia era t aproveitado a putaria!!
    Putaria boa é putaria muitaa!
    abraçoooo!

    ResponderExcluir
  7. Well, não critico.Fez o que queria, e isso é o bom.
    Quando quiseres a putaria,vai lá e participa.Quando não quiseres, não perca tempo racionalizando, vai embora!
    Bjo

    ResponderExcluir
  8. eu fugiria tbem. fato.

    e sex for the sake of it. as vezes ajuda!

    bração!

    ResponderExcluir
  9. Primo, volte lá agora! ahauahauahau

    Quem precisa de amor?

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  10. Primo, volte lá agora! ahauahauahau [2]

    ResponderExcluir
  11. Olha, fiquei chocado com sua cultura, foxx!

    A-do-rei!

    Mas volte lá, vai...

    ResponderExcluir
  12. huahuaahuahu...

    eu poderia ser o terceiro a dzr para voltar lá, mas será que vc não participou de alguma guerra contra ares? ele costuma usar phobos como uma de suas "armas" para causar pânico em seus inimigos.... rs

    beijo!

    gostei do post!

    ResponderExcluir
  13. Anteros ficaria feliz
    Mas ele é um tanto cético...

    ResponderExcluir
  14. Eu nunca desisto do amor mas tb não corro da putaria não ...

    ;-)

    ResponderExcluir
  15. Pois é cara... Eu sou a favor da ideia de que quando não estamos a fim, putaria só serva para pegar doença... Sim, o amor é lindo, mesmo que seja só no mundo das idéias, sexo com amor é melhor ainda (mulherzinha, eu?)... Muito legal essas referências a mitologia grega(confesso que não conheço mais q a metade dos nomes que vc citou, um pouco de coltura na minha vida né?).

    Gostei muito do blog... Prometo voltar em breve...

    ResponderExcluir
  16. É óbvio que o amor é o ápice de dois corpos entrelaçados... mas um sexo casual não faz mal a ninguém né? Talvez até renove a necessidade de amar!

    ***


    ;-D

    ResponderExcluir
  17. Texto ótimo, como de costume...

    ResponderExcluir
  18. Bom tempo que nao venho por aqui.
    Gostei da Historia, tem um suspense envolvente e mitologia.
    Esse blog tbm é cultura porque assim que li a palavra "Sardanapalo" corri pra procurar.

    Mas não achei. =/

    ResponderExcluir
  19. EXPLICANDO: Sardanapalo é uma cidade da Babilônia famosa pela prostituição divina que acontecia por lá.

    ResponderExcluir
  20. Gostei muito do post porque achei que você conseguiu um equilíbrio muito sagaz no que se refere ao passado (tradição) e ao presente (homem contemporâneo e seu meio). (Ainda)acredito sim que existe uma degeneração da apreciação aos patrimônios culturais no passado, mas seu texto é um anti-exemplo disso. Abraços, a conversa no msn me deixou meio atônito!

    ResponderExcluir
  21. Ah! Q belo texto! Belo uso da mitologia... adoro, apesar de não conhecer tanto qto vc.
    Bem, às vezes me sinto tentado pela facilidade da putaria... principalmente com tanta dificuldade em achar algo mais "amoroso". Emotivo talvez seja uma palavra melhor. O saldo? Nem tanto ao céu, nem tanto ao mar. Visitas esporádicas à permissividade sexual e, (in)felizmente, nem sinais de um possível amor.
    Again, parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway